//
você está lendo...
ARTIGOS

Massa, o novo herói nacional…

(ROB SMEDLEY: choro sincero de quem trabalhou duro pelo título de Felipe Massa)

Nessa segunda-feira pós-corrida em plena ressaca de uma prova que quase matou a todos de um ataque de coração nos seus últimos segundos, tem sido muito interessante ver a reação da imprensa e da torcida brasileira em blogs, rádios, programas de esporte e jornais televisivos.

Ao que parece, Felipe Massa foi, do dia para a noite, ungido ao status de novo herói nacional. Ao que parece, a lobotomia que a TV Globo, e mais alguns empresas de comunicação vieram fazendo ao longo dessas últimas semanas, surtiu o efeito desejado. De pouco carismático Felipe Massa é agora “o novo ídolo do esporte nacional”, como decretado em rede aberta por Galvão Bueno após a corrida.

É fácil ver o reflexo de um “novo ídolo nacional do automobilismo” nas bancas de jornal. A revista F1 Racing Brasil (não confunda com a Racing!), que parece ter na cidade de São Paulo um raio de distribuição limitado, chegou com a sua 12ª edição até os confins da periferia da grande São Paulo, com uma edição muito aquém do que uma decisão no Brasil com um piloto nacional mereceria. A capa tem Lewis e Felipe, mas não há uma linha sequer que envolva os dois e a decisão no Brasil no conteúdo interno da revista.

Um herói nacional nos esportes dá um bom lucro nesses dias de patriotadas e ufanismo exacerbado. Dá para se vender mais veiculação em rádios, jornais impressos, televisão e agora, também, na mídia eletrônica, na internet. Dá para vender brinquedos, cobertor, pneus de carro e por aí vai…

A febre pode criar um efeito em cadeia que obviamente depende muito de desempenho do dito herói, mas que também pode mascarar seus percalços e falhas em sua jornada rumo à glória.

Para grande parte do público, para aqueles que acompanham poucas corridas ao longo da temporada, ou que tem uma memória curtíssima, toda a culpa do título perdido de Massa recai exclusivamente sobre os ombros dos membros de sua equipe, esquecendo que o piloto brasileiro foi tão errático em sua campanha quanto a sua equipe. Esquecendo também que o brasileiro permaneceu competitivo e em condições de vencer o campeonato de Formula 1 apenas por ser constantemente beneficiado pelas polêmicas decisões da FIA contra Lewis Hamilton e a McLaren durante todo o ano.

Mas afinal, quem se importa com tais “detalhes e excentricidades” de quem ama a Formula 1, como eu e mais alguns de meus poucos leitores que se dão ao trabalho de vir aqui ler esse BLOG? No fundo, poucos…

Ufanismo e Pachequices comerciais à parte, não há como negar que Massa se reinventou como piloto esse ano. Bateu um campeão mundial com o mesmo equipamento e levou uma decisão de campeonato até a última corrida, até a última curva. Os méritos são apenas seus e obviamente de sua família e de mais alguns personagens pontuais dentro dos boxes da Ferrari, como  o seu engenheiro de corridas, Rob Smedley.

Rob é um inglês que contradiz qualquer clichê a respeito do temperamento comedido dos ingleses e é capaz de emocionar-se e chorar de maneira tão latina quanto qualquer italiano ou brasileiro.

Smedley Não precisa pular no vagão, agora lotado, de recém admiradores de “um novo herói nacional.” Ele pode chorar por que talvez tenha trabalho tão duro quanto Massa pelo título e essas imagens abaixo, talvez seja o mais sincero lamento pela perda do título de Felipe Massa esse ano.

Anúncios

Discussão

2 comentários sobre “Massa, o novo herói nacional…

  1. Ta aí, eu nunca achei que piloto nenhum, nem Senna, nem Piquet e Emmerson fossem herois nacionais.
    Até porque corriam com carros de outros paises com motores de outros paises e patrocinios as vezes de outros paises. Mas sob uma ótica fria, Massa é sim o novo herói do País. Ficamos orfãos depois de Romário.
    Os Ronaldos são enganação.
    Mas Massa encarnou mesmo. Foi macho pacas de chorar daquela forma e de se portar como um vencedor, mesmo a vitoria mais importante do dia tendo ido para o inglês.
    Lindo texto Lima.

    Publicado por Ron Groo | 03/11/2008, 8:02 pm
  2. A Globo não se manca mesmo. A geração Tino Marcos chegou ao topo e o ufanismo bocó é lei. Já que o país não produz mais heróis, vamos fabricá-los. Na marra.

    E a galera engole, sem mastigar.

    E ainda há quem reclame quando torço contra o Brasil. Como levar um povo desses a sério?

    Abração Lima.

    Publicado por Shikus | 04/11/2008, 9:18 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: