//
você está lendo...
ARTIGOS

O QUE A McLAREN ENFRENTARÁ AMANHÃ EM PARIS

(IMAGEM: zimbio.com)whit-laph-donne(E NAS INSTALAÇÕES DA McLAREN NO  BAHREIN: Richard Lapthorne, novo presidente do McLaren Group, conversa com Alan Donnelly, braço direito de Max Mosley, e com martin Whitmarsh, Chefe de Equipe da McLaren)

…………………………………………………………………………………………………………….

Amanhã, em Paris, a FIA decidirá o destino de Lewis Hamilton e da McLaren nessa temporada. A equipe e o piloto enfrentarão acusações pela tentativa de manipular os comissários do GP da Austrália e por ato prejudicial contra o piloto da Toyota, Jarno Trulli

Com a guerra dos difusores e o excitante campeonato que se desenrola, o assunto esfriou nos últimos dias, mas algumas pistas sugerem que a equipe poderá ser punida, mas não com a gravidade que se sugeriu no calor do momento, como um afastamento da equipe e do piloto por algumas corridas ou mesmo um banimento da F1.

A própria desculpa pública feita por Lewis na Malásia, pareceu arrefecer a ira da FIA, com a entidade admitindo em seu comunicado que o piloto foi manipulado pelo diretor esportivo, Dave Ryan, que acompanhou Lewis a sala dos comissários. A minha impressão é que a desclassificação do GP da Austrália permanecerá como a pena retroativa imposta ao piloto.

Se Lewis pagou pelo erro, fica em suspense que sanções a sua equipe enfrentará. Martin Whitmarsh vem sendo visto todos os finais de semana de corrida acompanhado de Allan Donelly, braço direito de Max Mosley em reuniões privadas, talvez construindo um acerto em favor da equipe e da integridade da própria FIA e também do esporte.

Outro fator que pode ajudar a suavizar a pena, é o afastamento auto imposto por Ron Dennis de todas as suas atividades operacionais ligadas à McLaren Racing, o que certamente agradou a Max Mosley, seu desafeto.

Obviamente, eu sou cínico o suficiente a ponto de conjecturar que a FIA também tem os seus interesses na manutenção da McLaren/MERCEDES e de Lewis na F1 durante toda a temporada.

Primeiro, a entidade está ciente da má publicidade que seria banir o atual campeão do mundo, mesmo que por algumas corridas. Max e Bernie têm exata noção do irresistível status e apelo global de Lewis na audiência global da F1. O inglês é hoje o único piloto em atividade na F1 a ser reconhecido nos Estados Unidos. Nem Fernando Alonso goza desse status hoje. Outro sinal de maciça popularidade é a recente pesquisa feita pela revista F1 Racing em parceria com a seguradora ING, que o apontou como o piloto mais popular da categoria (27%), milhas à frente do resto.

Paralelamente, a Mercedes-Benz, que hoje detém 40% das ações da McLaren, é muito mais poderosa no cenário da F1 hoje do que há dois anos atrás, quando da eclosão do caso de espionagem envolvendo funcionários de Ferrari e McLaren. Essa poderosa Mercedes fornece hoje motores para três equipes na F1, inclusive para a sensação do campeonato até aqui, a Brawn GP.

Não foram raras as vezes em que vimos a FIA agir em nome de seus próprios interesses comerciais, mas por vias tortas, talvez a entidade acerte em punir o criminoso com uma pena de acordo com o crime, mantendo o esporte estável em um momento de certa volatilidade econômica ao redor do mundo. Uma multa ou remoção de alguns pontos no campeonato de construtores é o que podemos esperar amanhã, na Place de La Concorde.

Anúncios

Discussão

7 comentários sobre “O QUE A McLAREN ENFRENTARÁ AMANHÃ EM PARIS

  1. Caramba, muito legal esse blog!

    Vou adicionar nos meus favoritos do iGoogle :D

    Abraços,

    Miguel
    http://mega-sena.resultado-caixa.com.br

    Publicado por http://mega-sena.resultado-caixa.com.br | 28/04/2009, 4:46 pm
  2. oi :)

    Publicado por Becken Lima | 28/04/2009, 4:52 pm
  3. Becken,

    Nem tanto ao mar nem tanto à terra…

    A pena de multa e pontos somente nos construtores premiará a safadeza de Hamilton e acabará de vez com a vida de Dave Ryan (que seria visto como único culpado pelo incidente), além de ser muito leve para a equipe em si.

    Ao mesmo tempo, esse papo de banimento é muito radical, não seria proporcional ao erro (apesar de estarmos tratando de uma equipe reincidente em falta gravíssima).

    Acho que o ideal, lógico, coerente e justo seria uma punição de suspensão por duas corridas (jurisprudência formada com o caso BAR).

    Traria um prejuízo ao piloto e à equipe de forma igual e seria suficiente para inibir qualquer nova tentativa de enganar a entidade.

    Se a punição for a que você está conjecturando, atenderia somente a interesses comerciais, nunca ao esporte e sinalizaria para os pilotos que é interessante tentar enganar a FIA (a pena é leve), pois, o máximo que pode acontecer é você perder um pouco mais do que ganharia se a fraude desse certo.

    Não duvido, Bernie e Max são totalmente avessos ao esporte e fanáticos pela grana envolvida.

    Publicado por Cassius Clay Regazzoni | 28/04/2009, 5:13 pm
  4. Hahahahahaha, bem normal o “oi” que te deixaram aqui…

    Eu concordo com vc, Becken. Não tinha ainda seguido essa linha de raciocínio, ela faz todo sentido. Mas também não podemos nos esquecer que a McLaren virou a grande vilã da Fórmula-1 atual após o caso das chicotadas de Max Mosley.

    É claro que se levarmos em consideração o interesse comercial da FIA, o cenário deve ser o que você apontou aqui. Mas se levarmos em consideração o interesse pessoal de Max Mosley, que manda e desmanda na entidade, o cenário pode ser bem mais radical. Ainda assim, em função do conservadorismo que impera na categoria, creio que a punição deve ser mesmo voltada aos pontos da equipe e à multa financeira.

    Publicado por Hugo Becker | 28/04/2009, 5:50 pm
  5. Imagino que a pena será branda, já houve muitas declarações de ambas as partes que sinalizaram um pouco de paz e as atitudes da Mclaren em relegar Ron Dennis a um cargo burocrático na empresa e o pedido de desculpas via Martin Whitmarsh dão essa impressão.

    E hoje a Mclaren e o grupo Daimler-Bens são os “donos” de quase meio grid na F1, não podem ser simplesmente banidos sem que os mesmos não tomem uma atitude mais severa, que seria a retirada incondicional de seus motores e centralinas do mundial 2010. O que fariam a FOM e a FIA iriam pedir a quem pra suprir essa perda ?

    Penso que o caso já foi julgado pela opinião publica e ja ficou mais que feio pra equipe, seria apenas o caso de mais um puxão de orelha e acabou mais nada, sem multa, afastamento ou banimento.

    O que tenho medo é a sede de vingança de Max Mosley, ele ainda não esqueceu, o que não pode provar.

    Na verdade o mundo esportivo esta um saco, é muito tribunal julgando tudo que fazem no esporte.
    Se o cara der uma mijada no cockpit e pedir pro mecânico ver se tem água vazando (Piquet sacaneando um meca), e tiver um fiscal da FIA ele toma uma multa. Se olahar feio na curva para outro piloto ele é chamado pra dar explicações.

    Essa parte de bastidores é um saco, devia ser como na década de 80, podia-se quase tudo.

    Já pensou uma F1, com motores V10, com circuitos maravilhosos, Imola, Brandshatch, Nurburgring inteiraço, Hockenheim e o de Portugal que não lembro mais o nome, suspensão ativa, pneus traseiros enormes e por fim equipes podendo trabalahr dentro de um regulamento descente.

    Publicado por Claudemir Freire | 28/04/2009, 5:58 pm
  6. Quando a coisa não esta boa só aparece mais gente pra jorgar contra.

    http://www.gazzetta.it/ultimora/agrnews.jsp?id=10646F47-2992-4F0B-A974-5E2E3218FB3C&cat=formula1&sezione=FORMULA1

    MILANO – I quattri tecnici McLaren, coinvolti nell’indagine relativa alla spy-story di Formula1, sono stati costretti a versare una pena pecuniaria di 630mila euro. Erano stati riconosciuti colpevoli di riproduzione di materiale industriale segreto. In particolare, Rob Taylor, ex capo progettista McLaren, Paddy Lowe, capo degli ingegneri, e Jonathan Neale, coordinatore tecnico, hanno versato 150 mila euro. Mike Coughlan, tecnico poi licenziato dalla McLaren che avrebbe veicolato in Inghilterra i segreti sfuggiti da Maranello, e’ stato costretto a pagare 180 mila euro. L’indagine sulla spy story, iniziata nel 2007, vede coinvolto anche l’ex capo meccanico della Ferrari, Nigel Stepney, che avrebbe rivelato agli avversari alcuni progetti e dati relativi alle Rosse. Stepney e’ tuttora indagato per danneggiamento, frode sportiva e rivelazione di segreti industriali.

    Mas nesse caso é assim que tem que ser a justiça comum cuidar de coisas comuns, como esse de espionagem industrial. A FIA não deveria ter tirado a McLaren do mundial de construtores e sim apenas aplicar aquela pequena multa.

    Publicado por Claudemir Freire | 28/04/2009, 6:06 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: