//
você está lendo...
ARTIGOS

Sebastian vs Michael

FOTO: Race of Champions/Divulgação SebastianvsMichael(Michael e Sebastian: nunca pilotos tão opostos foram submetidos a tantas comparações como os dois alemães)

A acachapante vitória de Sebastian Vettel ontem no GP da Inglaterra reascendeu nos fãs da F1 parcas esperanças de que a Red Bull postergue o final do campeonato e o estenda além da prova do Japão — onde alguns supunham que Jenson Button decidiria o título.

Mas a reação mais interessante no pós-GP da Inglaterra veio de um grupo especial de torcedores: os do aposentado heptacampeão Michael Schumacher. É curioso que apesar de haver um natural sentimento anti-Schumacher no Brasil — muito por conta de Michael ter duelado com Senna e pela Ferrari ter seguidamente sabotado Rubens Barrichello em nome do alemão — esse grupo permaneça vivo, mesmo que afetivamente órfão.

Mas o que fazer com esse afeto? A solução foi transferir a adoração dedicada a Michael para o jovem Sebastian, inclusive alimentando comparações que, simplesmente, não existem.

Em termos esportivos não há ainda uma centelha que ligue um e outro, mas pode se fazer como a Larissa Oliveira — que edita o melhor blog dedicado a Michael Schumacher em português —, enumerando coincidências folclóricas. Mas no que realmente define o caráter de um e de outro, não existe ninguém mais diferente de Michael no atual grid que Sebastian.

Enquanto Michael foi um homem silencioso e compenetrado, um árduo trabalhador que sempre se esquivou da imprensa e nunca foi especialmente interessante ao expressar-se, Sebastian é efusivo, até explícito na alegria e no temperamento descolado.

A fome de Schumacher por vencer, vencer, vencer — que mais de uma vez comprometeu a ética do esporte — sempre deu a impressão de que não havia nada além da Formula 1 em sua vida. Michael genuinamente amava a Formula 1 e ele sempre viveu e respirou a categoria com cada fibra de seu ser. Já a alegria e o temperamento descolado de Vettel dão a impressão de que, afinal, ele tem uma vida além F1 e que dificilmente irá às fronteiras da ética esportiva para vencer um campeonato.

Se você gostava de Michael Schumacher e hoje devota carinho ao jovem alemão, ao menos faça isso pelo que ele tem de original, pois é isso o que hoje faz Vettel fascinante.

O interessante é que essa transferência não acontece só com Schumacher e Vettel, mas também com Lewis Hamilton e Ayrton Senna, o que é um equívoco. Se há um homem hoje no grid que carregue algo de Senna em seu semblante, esse homem definitivamente é o taciturno e mal-humorado Fernando Alonso.

Anúncios

Discussão

30 comentários sobre “Sebastian vs Michael

  1. A verdade é que estragaram de novo a F1. A ponto de eu não ter assistido a corrida ontem, não ter sentido falta, e meu irmão afirmar “não perdeu nada, até peguei no sono”.

    Pelo amor de Deus, tirem os difusores, tirem o aerofólio, coloquem tachinhas na pista, mas façam corridas divertidas!!! Se for pra dormir eu assisto um filme do Woody Allen.

    Publicado por fernando-ric | 22/06/2009, 8:34 am
  2. “e pela Ferrari ter seguidamente sabotado Rubens Barrichello em nome do alemão”

    Pô Becken, sinceramente, vindo de você eu não esperava. Que é isso, ato falho!!! Tá dando moral para o chororô dos(as) Barriquetes.

    Quer dizer que na espionagem industrial da McLaren, amplamente comprovada e admitida, você não acredita muito, mas nas ladainhas de (argh!!!!) Barrichello sim. Êita, assim fica difícil…(recentemente estou pegando muito no seu pé, mas faz parte da admiração ficar te provocando né… rs…)

    Quanto ao assunto do post, Vettel não ter nada de Schumacher, acho que na habilidade, talvez tenha muito e como pessoa há um grave equívoco com relação a avaliação do heptacampeão.

    Schumacher não é e nem nunca foi esse cara sisudo e chato que pinta parte da imprensa brasileira.

    A Larissa (que é quem mais entende do assunto) pode me corrigir, mas, Schumacher apenas evitava a exposição midiática de sua vida íntima, protegia sua família, quando o assunto era F1 o alemão sempre atendeu a todas demandas por informação de forma polida e educada.

    Diferente, por exemplo, de Hamilton (que adora uma câmera e o mundo das celebridades), Schumy sempre foi discreto e dedicado ao trabalho e a família. Por exemplo, enquanto seu frustrado e medíocre companheiro de equipe passava férias no Brasil dando mil deculpas pelos fracassos e reclamando da vida (coisa que faz como ninguém), ele estava em Fiorano ou Mugello sentando a bota para desenvolver os carros da Ferrari. Evitava sim a exposição em programas sensacionalistas (com o nosso Fantástico), mas nunca soube dele evitando falar de F1 para algum jornalista.

    Pode ter errado dentro das pistas (em apenas três ocasiões específicas é bom dizer), mas, além de ser pouco para que recebesse a alcunha de “Dick Vigarista” (coisa dos(as) frustadas Barriquetes e viúvas do Senna) , soube reconhecer seus erros e ter humildade de se dizer arrependido (coisa que nunca passou na cabeça de Barrichello por exemplo).

    Aliás, o homem é um exemplo de conduta fora das pistas, sempre ajudando os necessitados (doou 10 milhões de euros para as vítimas do tsunami) e correto com todos.

    Tirando Barrichello (por pura inveja e problemas de baixa estima), as viúvas de Senna e talvez Frentzen (pela Corina), não sei de mais alguém que tenha falado mal de Schumy.

    Quanto ao humor de Schumy, existem várias peças publicitárias e eventos dos quais participou que, segundo relatos dos que ficaram próximos a ele, mostraram um lado descontraído e agradável, é só procurar.

    Já Vettel, também deu algumas mostras de que não é um cara que seja afeito ao mundo extrapista da F1. Recentemente perguntaram a ele porque ele não levava sua namorada (que já era namorada antes do sucesso) nas corridas e o alemão respondeu que aquele ambiente não era legal para ela, preferia que ela não se expusesse.

    Vettel tem jeito de ser descolado e descontraído, mas, nem de longe me parece afeito ao egocentrismo e às futilidades do circo da F1, e, nisso, ele tem tudo a ver com Schumy.

    Como se vê, na essência, ele pode não ser tão diferente assim de Schumy e acho que os fãs do heptacampeão tem tudo para transferir para Vettel a admiração que sentem pelo velho (nem tanto assim) Schumacão.

    Eu, aliás, já estou torcendo para Vettel há algum tempo. Lógico que prefiro um título de Massa e a melhora de Piquet, mas não tenho dúvidas que as chances de fazer história estão com o alemãozinho.

    Abraços a todos.

    Publicado por Cassius Clay Regazzoni | 22/06/2009, 11:02 am
  3. Interessante Cassius que vc desça a lenha no Barrichello por ele ser um piloto “medíocre” e invejoso, mas evite julgar o caráter do Rubens fora da pista, principalmente quando é claro que Rubens é um bom pai, bom marido, bom filho, bom empresário e faça muito com suas ações de caridade por gente necessitada.

    Agora vc destaca essas mesmas qualidades do Rubens — bom pai, bom marido, bom filho, bom empresário e faça muito com suas ações de caridade por gente necessitada— só que para diminuir as falhas de caráter do Schumacher em pista.

    O post é sobre as impressões que Sebastian e Schumacher deixam/deixaram na comunidade da F1 através de sua relação com a mídia especializada e não esportivamente, pois é impossível chegar a qualquer conclusão nesse momento.

    Sinceramente, vc deveria reavaliar a maneira como VOCÊ julga o Barrichello e mesmo o Schumacher que mostrou — repetidamente, no início e fim de carreira — que a sua ÉTICA PARTICULAR EM PISTA era quase crônica.

    Sobre o temperamento do Schumacher e mesmo do Sebastian, acho é mais uma questão de julgamento pessoal e continuo firme com o que eu escrevi, mas absolutamente respeitando a sua percepção pessoal, que parece bem diferente da minha.

    Mas pode-se para ilustrar uma diferença: o Vettel não tem sequer empresário, enquanto o Schumacher vivia e vive cercado de um paredão de relações públicas e até de uma porta-voz para evitar expor-se.

    Na biografia do Schumacher escrita por James Allen há um trecho que ilustra bem por que ele sempre evitou a imprensa e a descrição dos momentos logo depois da classificação do GP de Mônaco de 2006:

    The first bullet was fired, albeit gently, by Anne Giuntini, the tiny Frenchwoman who has covered F1 for the prestigious French daily sports paper L’Equipe for many years.

    In 1996 she had conducted a long interview with Schumacher in which he had opened up more than in practically any other interview he has done.

    “I have talked to some drivers who say it is too big, what happened today, to be credible, maybe a bit of a shame if it is true,” she said.

    Schumacher looked slightly taken aback, but maintained his calm. “It would be a shame if it is true, absolutely, but I think it is as usual what you do in certain moments. Your enemies believe one thing and the people who support you believe another thing and that is what our sport is all about.”

    “It is not a question of friends or enemies, it is a question of sport,” replied Giuntini coldly.

    “I explained to you what really happened and if you want to believe this you believe and some people may not believe this but unfortunately this is the world we live in.”

    Schumacher was then asked straight out if he had cheated. His face hardened.

    “No, and I don’t know why you ask such a bad question. I think it is pretty tough. If you were to drive around here at Monaco you would probably not ask this question.”

    Sitting alongside him, Webber noticed a sudden change in Schumacher’s demeanour.

    “Michael’s left hand was shaking,” he said. “He wasn’t comfortable at all. At that point you just knew that the glazed face had come over him. He was putting on a show from then on, he looked across at Sabine a few times.

    “He was in the hot seat. When it’s all under control it’s slick, but when a few cracks come in then it can go badly wrong with him, then it’s not convincing at all.”

    Respeito muito os fãs do Schumacher e torci por ele — inclusive esse post não tem nada de ofensivo se comparado com o que leio por aí, aliás ninguém observa as partes que são uma clara prova de minha admiração por ele, mas centra-se sempre na pequena observação mínima sobre os defeitos do Schumacher.

    Sobre o bom humor e peças publicitárias, grande parte desse material na imprensa sobre ele hoje, que o põe sob outra luz, é simples PR! Divertido, mas PR…

    Sorry…

    Publicado por Becken Lima | 22/06/2009, 12:37 pm
  4. Concordo com tudo que você disse, Becken. E não vi nada ofensivo. A personalidade de Vettel é totalmente diferente de Schumacher, mesmo, são animais distintos como diria Sebi :). Porém, um grande porém, isso é em relação ao público e à imprensa. O carisma de Vettel é bem maior, bem mais fácil de ser assimilado por qualquer um. Até por isso a grande quantidade de fãs que torciam pelos mais variados pilotos sentem esse apreço por Sebi.

    Já li muitas vezes que Michael sente um certo pânico quando está acuado numa multidão, isso faz parte de sua personalidade. Ele não fingiu ser o que não é. Eu sou assim, não consigo demonstrar de cara o que realmente sou para alguém completamente estranho, apenas minha família e alguns amigos próximos sabiam que eu torcia por Schumacher na época da F1, por exemplo. Talvez seja o signo :)

    Agora vem a parte bombástica, hehe. Como Schumacher trata as pessoas mais próximas – os mecânicos, engenheiros, todas as pessoas que formam uma equipe? Você ficaria surpreso se eu dissesse que ele fazia a mesma coisa que Sebi faz agora? Era amigo, contava piadas, queria saber sobre a família, o que cada um fazia dentro da equipe, conhecia todos pelo nome, dava um apoio moral quando os caras tinham que rolar a madruga. Você ficaria ainda mais surpreso se eu dissesse que são poucos os caras na F1 que fazem isso?

    Isso foi relatado por ex-mecânicos de Schumacher na era Benetton que trabalham agora na Red Bull e eu cito até os nomes: Jonathan Wheatley e Kenny Handkammer.

    Schumacher costuma ser bem atencioso com os fãs, antes que eu seja mal-interpretada, mas ele com certeza fica bem mais relaxado quando encontra pequenos grupos. Por isso é bem mais fácil, bem mais fácil ser fã de Sebi do que Schumi. Mas não é a personalidade de Vettel com a imprensa ou com o público que fará dele um campeão.

    Publicado por Larissa Oliveira | 22/06/2009, 1:03 pm
  5. Becken, eu acho que você leu outro texto do Cassius. Nesse post ai de cima ele “esculhambou” o Barichello do começo ao fim.

    Publicado por Filho do vento | 22/06/2009, 1:44 pm
  6. Assim como o Filho do Vento, achei que o Cassius pegou pesado com o Barrichello, mas, além de cada um ter sua opinião que deve ser respeitada, nem era esse o assunto do post.
    A discussão entre “barriquetes” (palavra de Cassius) e “schumaquetes” (rs) está longe de ter fim, assim como a guerra entre palestinos e israelenses.
    Pode-se notar como os comentários rendem longas e numerosas linhas.

    Agora sobre o post original, achei interessante a citação de que Alonso leve algo de Senna, e, Becken, gostaria de saber mais a respeito.

    Publicado por Gustavo Perim | 22/06/2009, 2:18 pm
  7. Tambem achei pesado a colocacao de que Barrichello era sabotado pelo schumacher.

    Sabotado, da a entender que o carro da Ferrari era quebrado de proposito pela equipe, e quando bem sabemos nenhuma equipe jamais iria fazer isso.

    Entao o Rubinho foi sabotado a vida inteira, pois nao teve uma equipe que ele entrou que nao quebrasse os carros…

    Publicado por claudio cardoso | 22/06/2009, 2:44 pm
  8. “Interessante Cassius que vc desça a lenha no Barrichello por ele ser um piloto “medíocre” e invejoso, mas evite julgar o caráter do Rubens fora da pista, principalmente quando é claro que Rubens é um bom pai, bom marido, bom filho, bom empresário e faça muito com suas ações de caridade por gente necessitada.”

    Becken,

    Eu sou, talvez, o mais ferrenho crítico de Barrichello, mas você está sendo injusto, pois, já exaltei esse outro lado dele (é só você procurar nos posts antigos).

    Não mudo uma vírgula no que disse sobre o indigitado piloto, ele é e continuará a ser patético enquanto não crescer e parar de se achar um injustiçado, enquanto não assumir suas limitações como piloto, enquanto continuar a dar suas desculpas esfarrapadas e mentirosas (ou alguém viu a Brawn trocar o câmbio para a corrida de Silverstone).

    Além do mais, ao contrário do que você levanta, não usei o fato de Schumy ser um cara correto fora das pistas para isentá-lo de culpa e má-fé nos incidentes em pista, usei sim o fato dele ter reconhecido seus erros após algum tempo. Errar, todos nós erramos, a grandeza está em reconhecer os erros e falhas e procurar melhorar (coisa que Barrichello não conhece).

    Além disso, a postura do Schumy fora das pistas até aqui, não tem máculas, já Rubens, à despeito de ser um bom pai de família (pelo menos parece ser), empresário e etc., admitiu em rede nacional ser um “duas caras”, um mentiroso (ou você não se lembra como ele sempre tratou o alemão enquanto correu na Ferrari). Além é claro de faltar-lhe o mínimo senso de ridículo quando disse que não publicaria o tal “livro secreto contra a Ferrari” porque seu filho podia aspirar a correr na Scuderia um dia.

    Portanto, Becken, se dentro das pistas a superioridade já era enorme, fora das pistas, não acho também que haja algum meio de comparar Schumy com Rubens. A postura dos dois em relação à vida é totalmente diferente e, sinceramente, se você admira a postura de Barrichello (com suas lamentações e ataques gratuitos ao ex-companheiro e ex-equipe), saiba que eu prefiro mil vezes a do Schumacher (que só falou do Rubens quando foi provocado e para dizer que ele reclama quando ganha e reclama quando perde, aliás, uma grande obviedade).

    Quanto ao assunto do post (as impressões que Sebastian e Schumacher deixam/deixaram na comunidade da F1 através de sua relação com a mídia especializada), não fugi dele. Acho que, apesar de terem personalidades distintas como a Larissa pontuou, Schumy e Vettel tem na essência várias coisa em comum e disse quais.

    Em síntese, para que não restem dúvidas com relação às minhas preferências e o peso delas em minhas análises: Sou fã de carteirinha de Schumy, Piquezão, Massa e Vettel, torço para Piquet e Kubica, tenho admiração (sem gostar) por Senna, Alonso, Button e Hamilton e abomino Barrichello, o resto não me interessa. Quanto à equipes, a única que gostei foi a Brabham e hoje estou muito tentado a adotar a Red Bull. É isso.

    Publicado por Cassius Clay Regazzoni | 22/06/2009, 2:50 pm
  9. “Becken, eu acho que você leu outro texto do Cassius. Nesse post ai de cima ele “esculhambou” o Barichello do começo ao fim.”

    Filho do Vento,

    eu admito que esculhambei (já tinha muito tempo que eu não descia a lenha nele e achei a observação do Becken sobre sabotagens uma “provocação”), mas disse muitas outras coisas além disso, dê uma nova lida e verá.

    é aquilo, eu prometi que não falava mais do cara, mas ele continua dando pano pra manga, aí é difícil controlar… rs…

    mas de qualquer forma, esclareço que minha opinião não tem pretensão de ser tida como verdade, é apenas uma opinião (vai que o Barrichello é mesmo o melhor piloto de todos os tempos e eu sou o Théo Becker)!!!

    Publicado por Cassius Clay Regazzoni | 22/06/2009, 3:10 pm
  10. Eu sou, talvez, o mais ferrenho crítico de Barrichello, mas você está sendo injusto, pois, já exaltei esse outro lado dele (é só você procurar nos posts antigos).

    Ok, aqui vão as minhas desculpas se li algum comentário seu e o mal interpretei.

    Esse falsa impressão talvez tenha permanecido na memória o que motivou o meu primeiro páragrafo. Sorry…

    Publicado por Becken Lima | 22/06/2009, 3:17 pm
  11. Cassius ->

    entao eu dou o número 2 em descer o cacete no eterno segundao…

    Uma coisa interessante, é que falam que o Schumacher é mal carater por ter feito algumas trapaças para ser campeao. ai vem minha pergunta E O SENNA nao FEZ ???

    Engraçado como colocam o SENNA como exemplo de vida de piloto, de honestidade e de carater, mas o Schumcher nao fez nada que o Senna nao tivesse feito tambem

    Publicado por claudio cardoso | 22/06/2009, 9:42 pm
  12. Olá Becken,

    “Se há um homem hoje no grid que carregue algo de Senna em seu semblante, esse homem definitivamente é o taciturno e mal-humorado Fernando Alonso.”

    Esse comentário merece um post, não acha?

    Publicado por Desmond | 23/06/2009, 9:55 am
  13. ai vem minha pergunta E O SENNA nao FEZ ???

    É verdade… Mas o que realmente o Senna fez? Desenvolva….

    Esse comentário merece um post, não acha?

    É verdade… Essa conclusão vem de um post enorme que escrevi mas não publiquei ainda pela falta de timing e oportunidade. Não queria que esse post ficasse flutuando sem estar vinculado a nada atual.

    Ele foi escrito com base em uma análise sobre a psicologia do piloto vencedor feita por uma psicológa inglesa.

    Ela fez um estenso estudo das qualidades e características que há no piloto VENCEDOR que no fundo é aquela história de “instinto assassino” muito bem estruturada psicologicamente…

    Lendo o trabalho dela eu cheguei a conclusão que Alonso tem muito de Senna incorporado nele, talvez pela origem, talvez pelo temperamento latino…

    Prometo que vou revisar e quando houver o timing correto publico o post!

    Abs

    Publicado por Becken Lima | 23/06/2009, 10:06 am
  14. Becken ->

    Voce nao lembra do Senna jogando o carro na largada em cima do Prost nao ?

    Alias se fosse hoje em dia, ele teria perdido pontos do campeonato, nao iria ficar barato nao.

    Publicado por Claudio Cardoso | 23/06/2009, 11:25 am
  15. Voce nao lembra do Senna jogando o carro na largada em cima do Prost nao ?

    Oh, Sim… :)

    Eu diria que o Senna DELIBERADAMENTE mandou o Prost para a brita, mas há uma diferença gigantesca no percurso dos eventos que levaram Senna a fazer o que fez e a Schumacher a repetidamente jogar adversários para fora da pista ou impedir que eles se classificassem melhor que ele em Mônaco…

    Senna foi três vezes para decidir o título no Japão: 88, 89 e 90 e apenas em 90 ele agiu assim, o que demonstra que suas ações não eram SISTEMATICAMÁTICAS, como as de Schumacher.

    Outro ponto é que, se você voltar no tempo e relembrar o contexto no qual ocorreu o acidente entenderá melhor que: um ano antes Prost jogou Senna para fora da pista. Havia, portanto, um sentimento de rivalidade, rancor e revanche no ato. No caso de Schumacher, todas as quatro vezes (a primeira contra Hakkinen no GP de Macau em 90 na F3) pareceu sempre um ato calculado e frio.

    Naquele final de semana, Senna, como legítimo pole-position, deveria largar no lado limpo da pista, o que lhe fora negado pelo francês Jean Marie Balestre, presidente da FIA. Punido um ano antes e como consequência perdendo o seu bicampeonato, era óbvio que ele jogaria duro para vencer e a FIA não tinha autoridade moral para julgá-lo.
    Em entrevista depois do seu tricampeonato Senna ilustrou muito bem o que aconteceu com ele:

    Eu acho que não dá para esquecer o que aocnteceu em 89. Mesmo agora e não consigo lidar com aquilo. Depois de eu voltar para aquela corrida e a vencer, mas decidiram contra mim, e isso não foi justiça. Aquilo foi um teatro, mas eu não podia dizer o que pensava — se você fizer isso, você é penalizado, você multado, você talvez perca a sua licença. Isso é um jeito justo de trabalhar. Não é.

    Então no ano passado eu pedi para os comissários mudarem a pole-position e eles concordaram. Mas o que aconteceu? Ballestre deu uma ordem e não mudaram.

    Eu sei como o sistema funciona, e achei aqui uma verdadeira merda. Então disse a mim mesmo: ok, não importa o que acontecer, eu vou estar na primeira curva na frente.

    Se eu estivesse o sificiente na frente dele ele não poderia fazer a curva na minha frente, eu me deixe ir. Eu não me importe se batemos, eu arrisquei…

    Então você ‘causou’ o acidente, alguém disse a Senna. Ele respondeu:

    Se alguém fode você toda vez que você tenta fazer o seu trabalho de forma limpa, dentro do sistema, o que você faz? Permanece sem ação e diz, obrigado? Sem chance. Você deve lutar pelo que você pensa que é certo. Se a pole estivesse à esquerda eu deveria ter feito a primeira curva na frente, sem problemas. Aquela foi uma má decisão e influenciada por Ballestre. Eu contribui para aqui, mas não foi a minha responsabilidade.

    Você sabe, Cláudio, o que fizeram com a posição do pole no ano seguinte? Mudaram para onde o Senna havia pedido naquele final de semana…

    Eu estou acostumado com essa justificativa para pôr o Senna como mal-caráter, mas é sempre um argumento falho quando se observa tudo com uma perspectiva histórica.

    Eu observo e acho engraçado esses bonecos que são os pilotos depois de Senna. Nenhum deles tem a intensidade emocional dele, nenhum.

    Todos adoram destacar a habilidade do Senna, mas poucos, — senão nenhum — foi capaz de enfrentar o sistema, a força política da F1 com a mesma coragem. Enquanto alguns usaram e abusaram do sistema para ser campeão, o Senna lutou contra o sistema.

    Alguns podem ter melhores números que Senna na história da Formula 1, mas ao contrário dele, preferiram esconder-se por trás da indulgência e do comodismo que é o silêncio.

    O esporte nada deve a esses, Cláudio, muito pelo contrário…

    Publicado por Becken Lima | 23/06/2009, 12:26 pm
  16. Becken -> eu entendo e compreendo seus argumentos, porém existe o seguinte.

    Ou o ato é etico ou nao é ético, nao existe meio etico.

    nao existe mais ou menos errado.

    Sendo assim, o povo brasileiro deveria cada um pegar um fuzil, ir para a porta do congresso e do senado, e metralhar aquilo tudo. Alias pode ir tambem para o STF.

    O que o Senna fez, é o mesmo de dizer que é correto voce pegar o assassino de um parente seu, e fazer o mesmo, estariamos voltando ao famoso Olho por Olho dente por dente, o que no fundo nos transformaria igual a pessoa que estariamos classificando de barbaros.

    Na entrevista eu ja li outra coisa, nao li um heroi que quis vencer as adversidades, não, eu li alguem que queria vencer a QUALQUER CUSTO, SENDO OU NAO ETICO, ai eu perguntou qual a Diferença do que o Schumacher fez ?

    A diferença é que um reconheceu que foi errado, e outro pela entrevista quer justificar o ato falho, pelas injustiças da vida, temos como exemplo disso algo muito grande em nossa cultura o famoso ROUBA POREM FAZ, o ato de fazer nao pode de forma alguma justificar o ROUBO.

    Nao estou em nenhum momento crucificando o Senna pelo que ele fez, mas tambem nao o coloco em posicao diferente do que o Schumacher fez, alias eu acho que raramente alguem nao teria feito o mesmo. Bem dependendo também da agressividade em pista, que muitas vezes o Senna protagonizou, nada mais nada menos é de vencer a qualquer custo.

    Mas eu pergunto, isso nao seria um caracteristica dos pilotos que se tornam campeoes ?

    Becken -> se formos fazer uma analise do ponto de vista psicologico, pq alguem se torna um piloto de corridas ? na minha humilde opiniao nada mais é, olhando de uma forma fria, alguem que busca ser melhor que os outros. Um senso forte de competitividade, uma busca por uma auto afirmacao do Ego.

    Publicado por Claudio Cardoso | 23/06/2009, 1:11 pm
  17. Não tiro uma vírgula do que o Cláudio falou, perfeito.

    E ainda critico esta parte: “Enquanto alguns usaram e abusaram do sistema para ser campeão, o Senna lutou contra o sistema”

    Menos Becken, bem menos… Senna era parte do sistema e nunca lutou antes disso para mudá-lo. Ele se voltou contra Ballestre por motivos essencialmente pessoais, pois estava sendo perseguido naquele momento. Tem mais, assim que viu que ia perder a briga (e a licença) recuou, colocou o rabinho entre as pernas e ficou quietinho.

    Senna era parte do sistema e um dos que mais utilizou do Marketing para fazer o sistema trabalhar a seu favor.

    Por esse lado, por exemplo, Nelson Piquet foi infinitamente mais autêntico, nunca quis dar uma de paladino de justiça ou herói e sempre deixou claro que corria por ele mesmo.

    Publicado por Cassius Clay Regazzoni | 23/06/2009, 4:41 pm
  18. Menos Becken, bem menos… Senna era parte do sistema e nunca lutou antes disso para mudá-lo.

    Com todo o meu humilde respeito, Cassius, mas me mostre um fato que corrobore essa frase…

    E pelo que eu sei Cassius, no primeiro ano de F1 o Senna foi “tungado” pelo Sistema, ou vc esqueceu que a prova de 84 em Mônaco o mesmo Balestre a encurtou para evitar uma derrota fragorosa de Prost sob a chuva?

    Eu sei do que estou falando meu amigo Cassius e não estou no balaio simplório dos que se dividem entre Senna e Piquet, muito pelo contrário. Foi difícil que eu e meu pai aceitássemos o Senna como novo talento pela adoração que tínhamos pelo Piquet e que ainda temos…

    Foi preciso um título, o de 88, para que estívessemos convertidos e ainda assim nunca deixamos o Piquet de lado…

    Se a birra pessoal entre os dois afetou a capacidade de alguns em julgar e aceitar Senna como o piloto que era, sorry, nunca foi o meu caso…

    Publicado por Becken Lima | 23/06/2009, 11:54 pm
  19. Becken, gostei que você separa Schumacher do Vettel, são pessoas completamente diferentes. E concordo em gênero, número e degrau unitário em relação ao Schumacher.

    Senna e Schumacher.
    Existe uma grande diferença no contexto, realmente.
    – Schumacher e Benneton na busca pelas vitórias andavam sobre a linha do legal/ilegal (e imoral), as vezes de um lado, as vezes de outro. Como todos sabem…
    – Senna tentou pelos meios morais e foi prejudicado pelo Ballestre, mais de uma vez.

    “Se alguém fode você toda vez que você tenta fazer o seu trabalho de forma limpa, dentro do sistema, o que você faz? Permanece sem ação e diz, obrigado? Sem chance. Você deve lutar pelo que você pensa que é certo.” Ayrton Senna

    Senna fez o que achava justo. Schumacher fez o que sabia que não era justo, por mais de uma vez. Simples assim.

    O Becken não citou que o motivo da punição ao Senna em Suzuka (passar pelo desvio ao invez de “voltar pela contramão”) também foi retirado no ano seguinte. Sugestão de Nelson Piquet acatada unanimemente (eita palavra feia).

    Ótima informação, Larissa.

    Publicado por KBK | 24/06/2009, 1:47 am
  20. Senna fez o que achava justo. Schumacher fez o que sabia que não era justo, por mais de uma vez. Simples assim.

    Definição simples e objetiva para todo o texto que eu escrevi. PERFEITO! :)

    Publicado por Becken Lima | 24/06/2009, 2:47 am
  21. Interessante o argumento que se a pessoa fizer o que acha certo passou a ser, moralmente correto, etico e perfeito.

    Acredito entao que todos os criminosos psiquiatricos devam ser soltos, afinal na cabeça doente deles, eles nao fizeram nada de errado…

    Estranho como a etica morre em favor de alguem que acha que é certo.

    A Milicias no Rio de janeiro se formos por essa linha, é moralmente correta. Afinal de contas eles expulsam os traficantes, e assaltantes e a regiao passa a viver em paz. Nao sei pq o governo esta tentando acabar com eles, eles sao um bem para a sociedade.

    Eos terroristas ??? Bem esses entao ninguem podem dizer nada que sao perfeitos, pois esses dao a vida a pela causa, cada um desses merece uma biografia, e um premio Nobel.

    As Farc entao nem se fala, montaram uma sociedade a margem do governo para LUTAR e AJUDAR o seu pais.

    Publicado por claudio cardoso | 24/06/2009, 9:28 am
  22. Cláudio – Não sei se seriam adequados os exemplos extremos usados por você, anyway, sendo bem simplório, fuderam o Senna desde o primeiro momento em que ele entrou na F1 e ele retalhou quando se viu acuado contra as mesmas pessoas.

    A ética pode ser é um conceito fechado em si filosoficamente, mas é simples ter o bom senso e perceber a diferença que estimulou as ações de cada um.

    Só espero que essa discussão, saudável até, não o faça parar de freqüentar o blog…

    Publicado por Becken Lima | 24/06/2009, 11:25 am
  23. “Todos adoram destacar a habilidade do Senna, mas poucos, — senão nenhum — foi capaz de enfrentar o sistema, a força política da F1 com a mesma coragem” (isso não é verdade, Senna teve todo o apoio para ingressar na F1 e nunca foi perseguido, apenas quando se meteu com Prost e Ballestre é que a coisa começou a desandar. Ademais, ele não não partiu para a luta aberta aceitando as consequencias como você quer fazer pensar, quando viu que podia perder a licença, aceitou a derrota, recuou, foi político e continuou na categoria como se nada tivesse ocorrido, não fez nenhum movimento sério para mudá-la. ex. Ir para a Indy e coordenar de lá protestos contra a FIA e seu critérios de punição)

    “E pelo que eu sei Cassius, no primeiro ano de F1 o Senna foi “tungado” pelo Sistema” (ele e um alemão que poderia ganhar a corrida tanto quanto ele, mas que todos esquecem, mas isso por si só não denota perseguição a Senna, que ainda era um fedelho na categoria e sim proteção a Prost)

    “Senna fez o que achava justo. Schumacher fez o que sabia que não era justo, por mais de uma vez. Simples assim.” (essa aqui é de uma prepotência e autoritarismo sem tamanho, pois afirma o que Schumy pensou ao cometer suas irregularidades sem provas e sem que o alemão tenha chance de defesa)

    Olhe Becken,

    Eu não tenho nenhuma intenção de diminuir Senna como piloto, ele é e sempre será um dos grandes nomes da história da F1.

    Se você me perguntar se a importância dele é maior do que a de Piquet, apesar de preferir Piquet, sei que Senna é um ícone muito maior que Piquet foi para a F1.

    No imaginário popular Senna, apesar do números, é tão grande quanto Schumacher, e sei que não é só no Brasil que isso ocorre, mas, daí a afirmar que ele era um sujeito mais ético e correto do que Schumacher porque lutava contra o sistema e fazia o que julgava correto é de uma ingenuidade sem tamanho (se aproximando muito da postura das famosas “viúvas”).

    Senna foi antiético e imoral antes mesmo de 1990, pois ele e Prost, no início da temporada de 1988 combinaram que quem fizesse a 1ª curva na frente não iria mais lutar contra o outro pela vitória. Senna, após concordar com isso (dar sua palavra), deliberadamente desrespeitou o acordado (esse fato foi comprovado e admitido). Para os fãs dele isso foi correto (afinal tinham convicção que Senna era melhor e não devia ter feito o acordo), mas se analisarmos friamente, sem paixão, foi como mostrar que sua palavra não valia nada, foi um ato de quem não honra seus compromissos.

    Portanto, não estou discutindo aqui a importância de Senna para a F1 ou sua grande habilidade para pilotar e sim que Senna agiu de forma condenável (por mais de uma vez) porque colocava a vitória a qualquer custo como objetivo (característica de quase todos os campeões). Nesse sentido não existem gradações onde alguns são mais sujos do que outros. A partir do momento em que você aceita jogar sujo para ganhar, sinto muito, você se iguala aos outros que assim o fazem, ou seja, a partir do momento que Senna resolveu partir para a pilantragem para ganhar a todo custo (mesmo que se achasse injustiçado), se igualou a Prost e Ballestre.

    Nada que tire seu brilho (como seus fãs adoram dizer de Schumy), pois no frigir dos ovos deu mais bons exemplo que maus (o mesmo caso de Schumacher). Tais acontecimentos apenas reforçam a idéia de que ele era um sujeito com defeitos como qualquer outro e não um herói nacional, um semi-Deus, um paladino contra o sistema sujo da F1, um sujeito acima de qualquer suspeita.

    Essa imagem do Senna inatacável, quase um santo, foi fabricada com cuidado pelo próprio e pela Globo e qualquer crítico com bom senso sabe que não correspondia à realidade, servindo apenas para vender a mística de herói nacional, redentor de nossas frustrações como povo com suas vitórias de domingo (como se piloto de F1 fosse herói de alguma coisa).

    Outra coisa que não engulo é esse papo de Benetton ilegal. Pergunto aos comentaristas: A Benetton foi punida com exclusão do mundial? Seu pontos foram invalidados? Perdeu os títulos de piloto e construtor?

    Ora, todos sabemos que todas as equipes (sem exceção) trabalham no limite das regras (mesmo caso da Brawn esse ano), e se a FIA considerou os carros da Benetton legais, não há fundamento para essa ilações, apenas achismos e torcida sem racionalidade.

    Além disso, tem outra coisa fundamental que mostra a má vontade com uns e a benevolência com outros: NÃO FOI SCHUMACHER QUE DESENHOU E CONSTRUIU O CARRO, PORTANTO, NÃO PODE SER CONDENADO POR ISSO (qualquer piloto em seu lugar correria na equipe, inclusive e principalmente Senna).

    No direito (e essa regra é universal) até que se prove o contrário todos são inocentes, portanto, não há que se falar em carro da Benetton ilegal, isso é desculpa de perdedor. Eu, por exemplo, acho o carro da Brawn ilegal, mas não adianta chorar, se Button ganhar no final do ano, será o campeão e isso não fará dele um piloto mau caráter.

    Em síntese, o que eu quero dizer é que tanto Senna quanto Shumy fizeram coisas condenáveis na carreira e foram punidos quando tentaram ganhar contra as regras (assim como Hamilton agora) e isso não faz deles essencialmente pessoas ruins de mau-caráter. É parte da nossa natureza não gostarmos de perder e às vezes fazemos coisa erradas para ganhar. Senna e Schumy, enquanto correram, foram tão humanos quanto nós, acertaram e erraram fazendo história nessa categoria chamada F1, portanto, não há suporte nos fatos para afirmar que um era menos correto que o outro. Insistir nisso é deixar transparecer um torcida por um ou outro, sem suporte nos fatos e apenas na paixão (valorizando os episódios de acordo com sua adoração, tanto para enaltecer quanto para condenar).

    Publicado por Cassius Clay Regazzoni | 24/06/2009, 1:12 pm
  24. Senna foi antiético e imoral antes mesmo de 1990, pois ele e Prost, no início da temporada de 1988 combinaram que quem fizesse a 1ª curva na frente não iria mais lutar contra o outro pela vitória. Senna, após concordar com isso (dar sua palavra), deliberadamente desrespeitou o acordado (esse fato foi comprovado e admitido). Para os fãs dele isso foi correto (afinal tinham convicção que Senna era melhor e não devia ter feito o acordo), mas se analisarmos friamente, sem paixão, foi como mostrar que sua palavra não valia nada, foi um ato de quem não honra seus compromissos.

    Concedo esse aparte e total razão a você, Cassius…

    Publicado por Becken Lima | 24/06/2009, 1:41 pm
  25. Becken ->

    Jamais deixaria de ler e participar aqui, somente por voce te um ponto de vista diferente (na minha opiniao o ponto de vista é de torcedor).

    È sempre um prazer debater com alguem inteligente.

    Alias, fazendo uma pausa sobre o topico.

    Esse Blog é extremamente recheado de conteudo, opiniões e analises otimas. O nivel aqui é altissimo, nunca vi em nenhum outro blog. Ate o momento ainda nao ficou cheio daqueles idiotinhas que ficam escrevendo um monte de asneira.

    Publicado por Claudio Cardoso | 24/06/2009, 2:41 pm
  26. Jamais deixaria de ler e participar aqui, somente por voce te um ponto de vista diferente (na minha opiniao o ponto de vista é de torcedor).

    É sempre um prazer debater com alguem inteligente.

    DEBATER, essa é a palavra…

    Esse Blog é extremamente recheado de conteudo, opiniões e analises otimas. O nivel aqui é altissimo, nunca vi em nenhum outro blog. Ate o momento ainda nao ficou cheio daqueles idiotinhas que ficam escrevendo um monte de asneira.

    Valeu como boa experiêncai e eu vou usar esse post como reflexão sobre a relação entre o blogueiro e comentaristas e também sobre debates com grande audiências em blogs… Talvez no final de semana!

    Publicado por Becken Lima | 24/06/2009, 3:04 pm
  27. Becken ->

    “Valeu como boa experiêncai e eu vou usar esse post como reflexão sobre a relação entre o blogueiro e comentaristas e também sobre debates com grande audiências em blogs… Talvez no final de semana!”

    Sinceramente, nao vejo nada demais em relacao a voce externar suas opinioes e suas convicções. Acredito que todo o publico daqui inteligente, consegue perceber que cada um tem suas predileçoes e opinioes.

    Agora existe uma diferença realmente. Do modo que voce participa do site, acredito que o torne algo mais pessoal, que aproxima as pessoas, e sinceramente é o que eu acredito que deveria realmente ser um blog. Do contrario é um site de noticias com area de debate. Ai realmente na minha opiniao o jornalista nao deva participar.

    Td depende de que rumo voce queira dar ao F1around :-)

    Os que nao conseguem enxergar isso, provavelmente sao aqueles que voce nao deve querer que escrevam aqui :-)

    Publicado por Claudio Cardoso | 24/06/2009, 3:19 pm
  28. o ultimo paragrafo era para estar nesse pedaço

    Acredito que todo o publico daqui inteligente, consegue perceber que cada um tem suas predileçoes e opinioes. Os que nao conseguem enxergar isso, provavelmente sao aqueles que voce nao deve querer que escrevam aqui :-)

    Publicado por Claudio Cardoso | 24/06/2009, 3:20 pm
  29. Claudio,
    primeiramente concordo com cada pavara sua sobre o blog e acho seus comentários muito importantes.

    Fazer o que acha certo se torna justo automaticamente?
    O que é justo para um não é justo para outro. O que é certo para um não é certo para outro.
    Na minha opinião, o melhor “conceito de justo” se dá pelas maiorias, que rege a democracia. Enquanto do outro lado está o sistema, que se utiliza do autoritarismo

    É possível definir então o que é justo?
    Eu acho impossível.
    Mas se você olhar pela maioria, todos os seus exemplos são condenados como injustos. Assim como a maioria apontou os atos do Schumacher como injustos.
    Enquanto Senna ficou como mocinho da história, para a maioria.

    Então, pela minha opinião. Senna foi mais justo que Schumacher, o que não quer dizer que foi um santo, longe disso.

    Cassius.
    na época que um certo brasileiro que não vou citar o nome era companheiro de equipe do Schumacher, existia um acordo de que quem voltasse do último pit stop na frente não seria atacado. Certa feita, Schumacher voltou do último pit stop da corrida atrás de seu companheiro, os 2 com muita folga pilotando sem desgastar o equipamento. Até que na última curva, Schumacher joga a regra da equipe às favas.
    De modo algum estou dizendo que Senna foi um piloto exemplar em questão de moral ou ética. Só estou querendo dizer que o Schumacher foi pior, bem pior.

    Você mesmo disse que Schumacher reconheceu seus erros e se arrependeu. Isso por acaso não é a postura de alguém que sabe que fez algo errado?
    Um piloto de F1, de uma hora pra outra esquecer que não se deve jogar seu carro sobre os outros? Justamente numa corrida que vale o título? Nunca vi você ser ingênuo Cassius…
    E o Senna, pelo que sei, nunca se desculpou. Pois ele achava que estava sendo justo.
    Não vejo onde errei, sinceramente.

    Pra mim, dentro da pista Schumacher era um mal caráter sim.

    Sobre a Benneton realmente não tenho argumentos, mas até hoje aquela história do assoalho está mal contada. Cuja altura ajustável independia do projeto, mas não é um argumento válido mesmo.

    Publicado por KBK | 24/06/2009, 9:04 pm
  30. KBK ->

    Obrigado sinceramente pelos comentarios..

    Mas o schumacher ser pior que o Senna, eu so concordo se for pior para a concorrencia rsss.

    “De modo algum estou dizendo que Senna foi um piloto exemplar em questão de moral ou ética. Só estou querendo dizer que o Schumacher foi pior, bem pior.”

    Acho que errado é errado, nao existe mais errado ou menos errado. Podem existir motivacoes diferentes, mas errado é errado. Alguem jogar o carro em cima do outro para bater e ganhar o campeonato, é ERRADO e ponto final. Podem dizer que é revanchismo etc, mas se for revanchismo continua sendo

    errado. E ele fez para ganhar um titulo mundial, igual ao schumacher.

    “Você mesmo disse que Schumacher reconheceu seus erros e se arrependeu. Isso por acaso não é a postura de alguém que sabe que fez algo errado?”

    Perai, voce esta dizendo que o fato de alguem nao se arrepender de algo errado que tenha feito o torna melhor do que alguem que cometeu o ato e se arrependeu ?

    Eu discordo do argumento do que a Maioria acha torna a coisa Justa. Se pararmos para analisar a historia do mundo, vamos ver que quase sempre que o povo foi ouvido, boa coisa nao saiu. Exemplo:

    Quando pediram para o Povo escolher quem deveria ser liberto. um Bandido muito perigoso, ou uma pessoa que foi presa simplesmente por ter uma visao diferente de religiao.

    Resultado, O Bandido foi liberto. (falando sobre Jesus, e Barrabas).

    A Normalidade de se aceitar a escravidao.

    O Apoio incondicional a todas as acoes loucas de Hitler pelo povo alemao.

    Outra pergunta, estao falando tanto da Benetton, mas quem nesse mundo ai sem ser os projetistas da epoca, pode afirmar que a Mclaren da epoca do dominio tb nao tinha nada de ilegal ?

    Publicado por claudio cardoso | 25/06/2009, 1:01 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: