//
arquivos

Arquivo para

Vettel precisa manter a ponta…

FOTO de F1fan. direto de silverstone há 1 hora atrásinsilverstone

A dez minutos do início do GP da Inglaterra, a expectativa concentra-se largada. Silverstone é uma pista onde ultrapassagens precisam ser arrancadas a fórceps, o que significa que Sebastian Vettel — mesmo com um carro meio segundo mais rápido que a concorrência — precisa desesperadamente manter a ponta nas primeiras curvas.

Com qual compostos de pneus largarão Rubens Barrichello e Vettel? Será que o brasileiro irá atacar o alemão com pneus mais macios nos primeiros estágios da corrida? Seria a melhor estratégia e Ross Brawn deve estar atento.

Ao menos Richard Branson — que anunciou que não patrocinará a Brawn no ano que vem — está torcendo para o brasileiro (acabou de confessar à BBC).

Com uma primeira curva tão próxima, o KERS não será tão vital na largada, mas, ao que parece, apenas a Ferrari está usando o sistema hoje.

O anúncio feito pela BMW ontem de que está abandonando o sistema é prova suficiente do fracasso que foi a adoção do sistema e eu escreverei sobre isso durante a semana.

Se você deseja assistir a corrida via internet, aqui vai um link: http://www.justin.tv/ferrari_dragon_3 — a senha é kers22.

Divirta-se!

Será que Red Bull já superou a Brawn GP?

redbull X branwgp

Como já era esperado, as maciças atualizações instaladas no RB5 nesse final de semana surtiram grande efeito e a equipe dominou até aqui o final de semana. O rumor no paddock nesse momento é que a Red Bull definitivamente virou o jogo contra a Brawn e já tem o carro mais rápido do grid.

Mas o quanto mais rápido é o RB5? James Allen em seu blog sugere que a vantagem — calculada pelos engenheiros dentro das próprias equipes — é agora de 0.5s em favor da Red Bull, o que pode ser considerada uma evolução “monstro”, para usar o termo cunhado por Jenson Button ao fim de sua sonora vitória na Turquia.

O peso dos carros, revelados agora a pouco, demonstra muito bem essa diferença. Mesmo com 10 kg de combustível a mais no tanque que Rubens Barrichello, Sebastian foi 0.35s mais rápido que o brasileiro.

Essa vantagem, teoricamente, oferecerá um resto de temporada eletrizante para o público que já dava como favas contadas o campeonato. Resta, claro, a dúvida de como a Red Bull, Sebastian Vettel e Mark Webber, gerenciarão essa vantagem e a transformarão em vitórias e pontos valiosos.

O gráfico acima, que faz uma leitura dos pesos no Q2 — a segunda fase da classificação — demonstra bem como a diferença de performance entre Brawn e Red Bull vem sendo mínima nas últimas corridas. Mesmo que a Brawn leve uma pequena vantagem em ritmo de corrida, é a inexperiência de Vettel e da Red Bull que tem jogado a favor de Jenson Button.

Os pesos dos carros para amanhã e a distância de Vettel para Webber — que larga na terceira posição — oferecem uma ampla vantagem ao jovem alemão para vencer a corrida amanhã.

Para o bem do campeonato, uma vitória da Vettel, ou mesmo Mark Webber, seria providencial amanhã.

Quem você apóia: Max Mosley ou FOTA?

FOTO:: zimbio.commaxmosley(MAX FALA: ainda hoje, Mosley reagiu à decisão da FOTA ameaçando as equipes com ações legais. Não seria hora de conversar?)

Flávio Gomes escreveu um post incendiário em seu blog apoiando, com algumas reservas diga-se, as posições de Max Mosley na introdução de um teto orçamentário e um confuso e polêmico regulamento bi-partido — que tornou-se a maior razão da cisão entre as equipes de Formula 1 e a Federação Internacional de Automobilismo, a FIA.

O resultado é que parte dos leitores de Flavio “caíram de pau” no veterano jornalista e blogueiro. E o pior, parte da discordância transformou-se em uma espécie de júbilo e revolta contra Max Mosley — o grande culpado pelo impasse que divide a Formula 1 nesse momento.

Um dos leitores do jornalista, o Fernando, fez o seguinte comentário:

Agora consegui entender sua paixão pelos carros russos. Sua paixão, na verdade, é por governos e administrações autoritárias e ditatoriais… Um tanto quanto fora de época, é de se observar, haja vista que a tendência mundial é por administrações cada vez mais descentralizadas e democráticas.

Até concordo com a sua opinião de que quem não está satisfeito com as regras impostas que se retirem. Só não entendo a sua fúria contra as equipes que manifestaram a intenção de sair, eis que estão apenas exercendo o seu direito de aceitar ou não as imposições.

A não ser que o senhor entenda que elas são obrigadas a aceitar caladas tais imposições, o que seria o ápice do autoritarismo. Em suma, da mesma forma que o Max Mosley, no seu entender, tem o direito de ditar as regras, as equipes tem o direito de não acatá-las e não disputar o campeonato.

E o fato de haver contratos garantindo a presença de determinadas equipes até 2012 não tem o condão de obrigá-las a disputar o campeonato, uma vez que somente o Estado tem o poder de coação.

Ao que se sabe, a FIA não tem personalidade jurídica de pessoa política, não é Estado. E, assim, em se tratando de relações privadas, havendo descumprimento contratual resolve-se em perdas e danos, se for o caso. Ou seja, é impossível coagir as equipes a participarem do campeonato de 2010. É assim que funcionam as relações privadas.

— Fernando, leitor do jornalista Flávio Gomes

___________________________________________________________________________

Há pouco a se comentar no articulado e inteligente comentário de Fernando, a não ser que ele entende perfeitamente a dinâmica do que acontece no momento. Se Flávio parece pró-Max, Fernando é claramente pró-FOTA.

A pergunta então fica com vocês: quem vocês apóiam nessa cisão que pode destruir a maior categoria do automobilismo: Max Mosley ou a FOTA? Vote na enquete, mas expresse a sua opinião também, ela é muito bem vinda na sessão de comentários.

Sebastian Vettel confirma favoritismo da Red Bull e larga na pole para o GP da Inglaterra

FOTO: Red Bull/Divulgação vettelonpoleinbritishgp(DOMÍNIO:: O conjunto Vettel/Red Bull confirma desempenho nos treinos livres e conquista fácil a pole-position na Inglaterra)

O alemão Sebastian Vettel da Red Bull confirma a sua boa forma em todo esse final de semana e largará na ponta do grid do Grande Prêmio da Inglaterra, em Silverstone. Vettel conquistou sua segunda pole-position consecutiva e a terceira na temporada.

Destacando a “perfeição” de sua volta, Sebastian não esqueceu de agradecer ao esforço da equipe e o sucesso pelas atualizações: “Eu apenas tenho que cumprimentar os caras na garagem, [a pole] foi graças a eles, que trabalharam duro para aprontar esse carro.”

Mark Webber, que ficou em terceiro, não perdoou Kimi Raikkonen por atrapalhar a sua volta: “Kimi estava, sei lá, bebendo alguma vodka ou sonhando, eu não sei o que diabos ele estava fazendo mas ele deveria estar à direita [da pista] e não na linha de corrida, sonhando. Aquilo arruinou o meu ritmo dentro da [curva] Stowe, onde fiquem muito espremido.”

Fica então a expectativa quanto a uma punição a Kimi.

Jarno, muito bem de novo

Jarno Trulli, sem alarde, ocupa uma vez mais a quarta posição do grid e pode incomodar na corrida. O veterano piloto italiano uma vez mais deixou seu companheiro, Timo Glock, para trás na classificação e no Q2, onde impôs mais de meio segundo de diferença para o alemão.

Jenson Button em sexto

O líder do campeonato, Jenson Button, ficou em uma desapontadora sexta posição em frente a sua torcida. Segundo Jenson, a equipe “estranhamente” o chamou para os boxes — “para talvez poupar combustível para a corrida” — o que não o permitiu completar a última volta que poderia ter lhe oferecido a chance de subir mais uma posição no grid. Ainda que em sexto, Jenson encara com otimismo a corrida.

Clique AQUI para ler o resto das notas da classificação, os peso dos carros e as parciais de tempo.

Continuar lendo

Red Bull introduz grandes mudanças no RB5 e mira vitória domingo

redbullupdatesFOTO: Red Bull/Divulgação — Mais fornido, o RB5 promote ser a grande estrela desse final de semana em Silverstone

Mesmo em frente a sua torcida, Jenson Button já adiantou que será missão difícil bater a Red Bull nesse final de semana em Silverstone. Segundo Jenson, mesmo que a Brawn faça boas mudanças de set up de hoje para amanhã no BGP 001, não será o suficiente para ser tão rápido quanto o RB5 — que dominou amplamente as duas sessões de treinos-livres hoje.

As mudanças mais explícitas feitas pela turma de Adrian Newey foi a introdução de um novo bico — bem mais “fornido” que o anterior — e o refinamento do santo-antônio (a capa do motor) — além de modificações menos perceptíveis, como uma leve mudança no entre-eixos.

Essa mudança no entre-eixos, especificamente, sinalizar que a Red Bull talvez esteja procurando um equilíbrio aerodinâmico similar ao da Brawn, um carro melhor adaptável ao lay-out da maioria dos circuitos, capaz de vencer em Mônaco e no Bahrein.

O resultado, além de render uma diferença absurda nos tempos dos treinos livres — mais de meio segundo —causou um belo impacto visual no carro da Turquia para Silverstone.

É um grande esforço e resultado que deve ser inteiramente creditado à turma liderada por Adrian Newey na sede da Red Bull em Milton Keines.

Esse belo “upgrade” é uma das esperanças para que a temporada volte a respirar emoção para grande parte do público, que vê o campeonato ofuscado pelo talento de Jenson Button e pela suicida luta política desse momento.

Equipes poderiam usar estrutura da A1GP para fundar sua própria categoria

Imagem: A1GP.COMa1gpbrasil (Felipe Guimarães da A1GP Brasil: A categoria poderia ser o esqueleto para as equipes rebeldes)

Se levada adiante a ameça de funda uma nova categoria, as equipes rebeldes deverão utilizar a estrutura de outra categoria. Clique AQUI para saber por que a A1GP pode ser a escolhida.

___________________________________________________________________________

Continuar lendo

Equipes rompem com a FIA e anunciam preparação para um novo campeonato

Imagem: FOTA.COMfotabosses

Depois de meses de ameaça e enfrentamento público, a associação das equipes de Formula 1, a FOTA, foi para arena e rompeu com a FIA, resolvendo finalmente fundar um novo campeonato independente que ainda não tem nome e que será formado por Ferrari, McLaren, Renault, BMW, Toyota, Brawn GP, Red Bull e Toro Rosso.

Em comunicado, a FOTA declara que não teve alternativa a não ser permanecer com as condições submetidas as suas inscrições para o campeonato de 2010 e continua:

Estas equipes, então, não têm alternativa a não ser iniciar preparativos para um novo campeonato que refletirá os valores dos seus participantes e parceiros. Esta série terá uma governança transparente, um conjunto de regras, encorajara a participação de mais entrantes e ouvirá o desejo dos fãs, incluindo o oferecimento de preços mais baixos para os espectadores ao redor do mundo, parceiros e acionistas.

Os principais pilotos, estrelas, marcas, patrocinadores, promotores e companhias historicamente associadas com o mais alto nível no esporte a motor, estarão nesta nova série.

FOTA, em comunicado

A notícia é chocante no momento, confesso. E ainda levará algum tempo para que seja digerida e assimilada.

Resta, obviamente, a esperança de que seja uma última manobra da FOTA para pôr Max Mosley contra a parede e fazê-lo capitular, mas ao considerarmos como toda a história se desenrolou até aqui, me parece que a FOTA seguirá a frente com esse novo campeonato.

A expectativa, contundo, é sobre qualquer declaração de Bernie Ecclestone, que teoricamente sairia verdadeiramente perdendo com um a nova categoria rival a Formula 1.

Ao longo dessa sexta-feira mais informações serão desveladas para discussão. Permaneçam por aqui.

Na pista, o prenúncio de um domínio da Red Bull

FOTO: Red Bull/Divulgação vetteldominatetwopracticesSEBASTIAN nocomando: alemão dominou as duas sessões, um avisa de que a Red Bull é o time a ser batido em Silverstone)

O explosivo comunicado de rompimento entre as equipes da FOTA e a Federação Internacional de Automobilismo de ontem, acabou por tergiversar a atenção do GP Britânico da pista para o paddock.

A Red Bull, uma das rebeldes, parece não ter sentido qualquer impacto e dominou as duas sessões com Sebastian Vettel sempre à frente, seguido bem de perto por Mark Webber.

A Red Bull apresentou um extenso pacote aerodinâmico novo para o RB5 — tão extenso que mudou significativamente a aparência do carro — que se mostrou efetivo a ponto de lhes permitir dominar com folga as duas sessões livres.

Destaques para a Force India, que permaneceu entre as dez colocadas nas duas sessões, e para Lewis Hamilton, de quem a McLaren parece depender para não enfrentar o seu maior fiasco nos últimos vinte anos de GP Britânico.

Como a Brawn reagirá a esse avanço da Red Bull? Será que a Brawn realmente está escondendo o real potencial do BGP 001? Se sim, a hora para demonstrá-lo é agora, na casa de Jenson Button o líder do campeonato.

As sextas-feiras têm provado-se um a verdadeira armadilha para se fazer previsões, mas a Red Bull mostrou, ao menos hoje, ser força dominante nesse final de semana.

__________________________________________________________________________

Clique AQUI para ver os tempos de hoje

Continuar lendo

Sobre os nonsenses de Max Mosley antes da decisão de amanhã

FOTO: Mark Thompson/Getty Image maxout(Max Mosley: ele tomou a FIA para si como objeto de suas vendettas pessoais, pondo em risco o futuro da F1)

Amanhã, finalmente, saberemos quem vence a guerra política em que a F1 está envolvida há meses. Ninguém — de pilotos a dirigentes, passando pela imprensa — sabe o que acontecerá, o que dá uma medida dessa que já é a maior crise pela qual a categoria passou em quase 60 anos de existência.

Sintéticamente, a FOTA —Associação das equipes de F1 — não deseja mais ver Max Mosley ocupando a cadeira de Presidente da FIA e se entrincheirou juridicamente para empacar qualquer tipo de negociação saída da mesa de Mosley.

Nos últimos dias Max divulgou pela imprensa especializada uma série de comunicados com o objetivo de desacreditar a FOTA mas que só expõe ainda mais o seu estilo de gestão: ditatorial e autocrático, com um pé na senilidade se considerarmos a amnésia auto-indulgente. Seus comunicados não resistem a uma breve ponderação:

— Max acusou a FOTA de tentar tomar para si os direitos comerciais da FOM e o comando técnico da F1 da FIA quando Bernie, e ele mesmo, Max, já fizeram isso há muito tempo.

— Max nos relembra da importância de ter uma entidade imparcial regulando o esporte quando ele, Max, deu a Ferrari o direito de vetar mudanças técnicas.

— Max ilustra a atual crise financeira e a partida da Honda como razão para impor um teto orçamentário, quando no período de sua gestão mais de 20 equipes deixaram a F1, inclusive a sua Simtek.

— Max deixa claro que sua intenção é oferecer sobrevida a F1 por meio de novas equipes, mas é inexplicável que deixe as bem estruturadas Lola, Prodrive e Epslon Euskad de fora em nome da humilde Mano Grande Prix, equipe de um ex-sócio seu.

— Max acusa as equipes de pularem no pescoço da Brawn por conta do difusor quando foram as regras mal redigidas pela turma de Max que causou toda celeuma.

Esqueçam as incongruências dos pré-releases de Mosley e observem que na negociação entre as duas entidades, Max não abre mão sequer um milímetro do que ele pensa ser o certo. E esse é problema quando observamos o fracasso de algumas medidas adotadas por ele e seus asseclas em um passado longínquo e recente, como: a adoção do KERS; a adoção de pneus raiados; a adoção do reabastecimento; o fatídico GP dos Estados Unidos em 2005; e a venda dos direitos da F1 para a FOM por uma bagatela.

Tudo isso só feriu o esporte, a competição e as equipes, as verdadeiras estrelas do show. Ninguém jamais pôs a F1 em perigo quanto o próprio Mosley.

Não sei o que ocorrerá amanhã (ninguém sabe, afinal), mas se olharmos com uma certa perspectiva histórica e alguma racionalidade, uma outras categoria, livre de Max Mosley e de Bernie Ecclestone, já não parece tão ruim assim.

Resignada, McLaren espera por fracasso em Silverstone, palco de sua maior vitória nos últimos anos

FOTO: Darren Heath.com lewiscelebratewinatsilverstone(Há um ano atrás Lewis celebrava, em frente a sua torcida, talvez a maior vitória de sua carreira)

Uma das grandes expectativas desse final de semana, á saber qual a extensão do fracasso da McLaren em Silverstone, o seu quintal. Nos últimos 20 anos a equipe de Lewis Hamilton venceu 7 vezes em Silverstone e na última vitória, Lewis Hamilton chegou a espetacular 1: 08s minuto do segundo colocado, o alemão Nick Heidfeld. Aquela vitória, sob um dilúvio quase tropical, foi um dos mais perfeitos conjuntos estratégia/pilotagem dos últimos anos.

Hoje, é difícil imaginar que aquela mesma equipe seja esta de hoje, que espera resignada pelo massacre que as curvas Copse, Maggots, Becketts e Chapel — de alta velocidade — farão com o bonitinho, mas ordinário MP4/24 — que sofre de um defeito congênito, incapaz de gerar downforce na sua porção traseira.

Além da falta de downforce para enfrentar as curvas rápidas de Silverstone, mais dois fatores sugerem um retumbante fracasso em Silverstone:

1º) ATUALIZAÇÕES: Martin Whitmarsh e Lewis Hamilton já preveniram os fãs que não há maiores atualizações no MP4/24  para Silverstone. Espera-se uma grande atualização apenas no GP da Alemanha, daqui a duas semanas. Espera-se uma grande atualização apenas no GP da Alemanha, daqui a duas semanas e mesmo que a equipe tenha uma admirável capacidade de levar novas atualizações a cada corrida, elas não parecem mais ganhos substanciais de performance como no início de temporada.

2º) O KERS: ao que parece, o sistema será talvez útil para se fazer ultrapassagens, mas não terá um impacto tão significativo em Silverstone — em termos de tempo de volta — quanto teve em Melbourne ou Turquia.

Desde a vitória de Senna em 1988 — há 20 anos atrás — o pior resultado da McLaren em Silverstone foi um décimo lugar com David Coulthard em 2002, mas se a equipe apresentar a mesma forma vista na Turquia, esse final de semana promete ser um pesadelo para Lewis Hamilton e Heikki kovalainen.

________________________________________________________________________

ATUALIZAÇÃO: Pela primeira vez na temporada a McLaren não usará o KERS durante todo o final de semana. A equipe testará o desempenho do carro de Lewis Hamilton sem o sistema durante a primeira sessão de treinos-livres na sexta-feira, o que dará a equipe informações sobre a viabilidade do sistema para o resto do final de semana.

Jenson Button apresenta o novo design do seu capacete

FOTOS: BrawnGP.com jensonnewhelmetdesign

Jenson Button apresentou hoje o novo design de seu capacete. Em uma palavra: maravilhoso. Como disse ontem, tendo a ver as pinturas de capacete como uma assinatura visual do piloto, o que significa que eu gosto quando eles permanecem com as suas pinturas inalteradas.

Mas o novo design escolhido por Jenson, que foi produto de um concurso em seu site, talvez seja, nesse momento — junto com o de Nelsinho Piquet — um dos mais bonitos e criativos do grid.

Em termos de design, prima por linhas modernas e elegantes, estilizando ao mesmo tempo a bandeira da Inglaterra (a Cruz de São Jorge) na parte frontal e também a do reino britânico, cortada dentro da logomarca do próprio Button.

O detalhe criativo fica por conta do slogan na lateral: “Push the Button”, algo como ‘Aperte o Botão’, um trocadilho com o sobrenome de Jenson — BUTTON — que significa Botão em inglês, que foi muito bem incorporado à logomarca de Jenson na lateral e no topo do capacete.

Jenson, ele mesmo, admitiu que o que primeiro lhe chamou a atenção foi o slogan.

O resultado é que o capacete ficou espetacular!

Louise, participante do Sidepodcast, que ficou em segundo lugar no concurso, está muito bem acompanhada com o design  de Bernie Zobl, o vencedor.

Se você é fã de concursos, saiba que Nick Heidfeld está com um nos mesmo moldes do de Jenson para o GP da Alemanha. Ainda dá tempo de você elaborar o seu design, é só clicar AQUI. Boa sorte!

Quem se dará melhor em Silverstone?

(MARK WEBBER: prévia da pista com o australiano que fez uma grande classificação em 2008)

A batalha travada entre as duas equipes postulantes ao título esse ano — Red Bull e Brawn GP — tem dois ingredientes fundamentais pesando na balança: consumo de pneus e a configuração do circuito.

Circuitos com um equilíbrio entre curvas de baixa para média velocidade tendem, teoricamente, a favorecer o melhor equilíbrio aerodinâmico do carro da Brawn, o BGP 001. Já as pistas com um lay-out com curvas de média para alta velocidade favorecerão o RB5 de Vettel e Webber, que parece ter asas em curvas de alta, como o complexo em Silverstone — composto de Copse, Maggots, Becketts e Chapel.

Circuitos com alto consumo de pneus tenderão a favorecer o BGP 001, enquanto o RB5 parece ter dificuldade para poupar borracha, o que pode ser exarcebado em circuitos com alto consumo, como na Turquia e Suzuka.

Abaixo, os dados técnicos de Silverstone, o que corrobora a tese de que a Red Bull pode finalmente vencer a Brawn pela segunda vez no próximo final de semana.

  • Velocidade máxima: 294 Km
  • Extensão da pista: 5.141 Km
  • Maior trecho sob aceleração plena: 890 metros
  • Tempo médio de volta sob aceleração plena: 64%
  • Consumo de pneu: entre médio e alto
  • Desgaste de freios: baixo
  • Nível de downforce: alto
  • Mudança de marchas: 40

Brinde exclusivo no F1 Around

tamaraMesmo que a troca de correspondência entre FIA e FOTA tenha dado a impressão de algum movimento hoje, de fato, nada de realmente relevante aconteceu. Os portais fizeram o seu trabalho em reportar os comunicados, mas os blogs mais importantes do mundo, e a mídia menos robótica, parece definitivamente cansada da salada política da F1 e tratou de preparar o espírito dos leitores para o GP do final de semana.

James Allen reportou o aplicativo para iPHone; Keith Collantine relembrou os seus 20 anos de dedicação à F1 e Clive Allen escreveu inspiradamente sobre suas reminiscências do GP Britânico. Os posts de Keith e Clive são duas pequenas obras primas e eu expressamente recomendo a leitura.

O humilde F1 Around seguiu no mesmo tom e tratou das homenagens que Lewis Hamilton e Jenson Button farão a seu público através do design de seus capacetes.

A única nota que possa ter alguma relevância para o conhecimento de vocês — dentro do atual cenário de guerra política — talvez seja o montante de investimento que as equipes fazem na Formula 1.

Isso exige uma pergunta retórica: Vocês sabem, por acaso, quanto sai do bolso da Ferrari para investir na Formula 1?

A resposta é zero, nada, niente. De acordo com a Autosport, meus amigos, a equipe de Maranello é a única a fechar suas contas no azul — algo talvez ajudado pelo acordo especial que tem com FIA e FOM (companhia detentora dos diretos comerciais da Formula 1 e que distribui os proventos às equipes).

O mesmo não pode ser dito de:

Mercedes-Benz……………… Déficit de: US$ 70 milhões

BMW………………………………Déficit de: US$ 210 milhões

Renault ………………………….Déficit de: US$ 42 milhões

Toyota……………………………Déficit de: US$ 168 milhões

Passada a informação, eu ansiosamente espero pela corrida no final de semana, mesmo sabendo que a sexta-feira talvez (ainda duvido) possa ser o Apocalipse de uma hecatombe a acontecer em 2010.

Lewis pinta ‘Union Jack’ no capacete em homenagem aos fãs britânicos

lewisnewhelmet1

Enquanto FIA e FOTA continuam negociações que não parecem ir a lugar algum, Lewis Hamilton apresentou hoje um novo design para o seu capacete — uma bandeira do Reino Unido estilizada em homenagem aos fãs britânicos e ao tradicional GP em sua casa.

A não ser pelo GP de Mônaco — quando o seu capacete é costumeiramente adornado por diamantes da Steinmetz, joalheria Suíça que patrocina a McLaren desde 2005 — Lewis jamais mudou substancialmente o design do seu capacete.

A lenda urbana é que as cores do capacete de Lewis é uma homenagem ao seu grande herói Ayrton Senna, mas a inspiração vem das cores da bandeirada de Granada, ilha do sul do caribe de onde os avós do atual campeão do mundo imigraram para a Inglaterra.

O design é um dos meus preferidos, junto com o design do capacete de Nelsinho Piquet, que homenageia seu pai Nelsão, pintando o seu capacete de laranja — cor usada por Nelsão no início de sua carreira.

Jenson também apresentará novo Design

loudesignJunto com Lewis, Jenson Button também apresentará um capacete novo que foi desenvolvido para um concurso pelos seus fãs no website do próprio piloto.

O “briefing” de Jenson para os seus fãs também foi o GP Britânico e Louise — comentarista ativa do Sidepodcast — ficou em segundo lugar (imagem ao lado). Resta agora a expectativa de descobrir quem foi o vencedor e também o novo design a ser usado por Jenson em Silvertone.

A única solução é derrubar Max

(Imagem: Getty Image) maxfora(FORA: Para um bem comum e futuro do esporte, Max precisa deixar a FIA)

A FIA enviou à imprensa hoje um extenso comunicado detalhando o vai-e-vem de suas negociações com a Associação das Equipes de F1, a FOTA. Para ser bem sintético — pois eu já não agüento mais essa luta política sem fim — Max Mosley acusou a FOTA de obstruir quaisquer negociações entre as duas entidades com o objetivo de tomar para si o comando regulatório e financeiro da categoria.

Em outras palavras: bullshit!

A FOTA deseja — o que não é segredo para ninguém — é finalmente ver-se livre, especificamente, de Max Mosley e de seu estilo de gerenciamento confrontador, marcial e autoritário.

Já toquei no tema, mas não custa relembrar que a FOTA precisa do prestígio da FIA, mas dispensa Max. A entidade deseja, como já comunicou inúmeras vezes, uma governança mais estável e cooperativa do esporte e, óbvio, mais lucrativa para quem nele investe rios e mais rios de dinheiro.

Para o veterano jornalista Joe Saward, a derrocada da McLaren foi um laboratório perfeito para que as companhias, donas das equipes, entendessem o que significa confrontar Max Mosley. Do prazer em ver a poderosa equipe de Ron Dennis de joelhos, sobreveio o medo de abrir a sua contabilidade, finanças e balancetes e cair no mesmo abismo, arriscando o pescoço e seu prestígio por apenas investir e competir na F1.

De plataforma para desenvolvimento de seus produtos e exposição do valor de suas marcas, as equipes se vêem temerosas em serem vítimas da onipotência de Mosley, que pode jogar o prestígio construído em décadas na lata do lixo em dias — exatamente como foi o caso da McLaren.

A cada dia parece que só há uma saída para toda essa confusão e ela depende, essencialmente, da saída de Max Mosley da presidência da FIA.

Revelado que a Honda ainda é dona majoritária da Brawn GP

Imagem: Honda Racing F1/Divulgação) honda light(HONDA: Estaria a companhia japonesa planejando voltar a F1 depois da passagem do furacão financeiro?)

Com uma simples pesquisa em órgão do governo britânico, o blog “The Brawn F1 Blog”, que cobre extra-oficialmente a equipe de Rubens Barrichello e Jenson Button, descobriu que a Honda Motor Co, ainda é sócia e proprietária majoritária da Brawn GP.

A divisão das ações da equipe registradas na “Company House — órgão de registro de empresas britânicas — revela que as cotas permanecem assim:

TOTAL DE COTAS: …………………….. 200

Ross James Brawn: ………………………. 89 cotas

Honda Motor Company: …………….. 111 cotas

A revelação é estranhíssima, pois logo após o “Management buy-out (processo de aquisição de uma empresa pelos próprios executivos que nela trabalham — operação em geral com participação de fundos de investimento), a Honda comunicou que:

Todas as ações da Honda Racing F1, de propriedade da Honda GP Holdings Ltd., companhia baseada no Reino Unido que gerencia todas as operações da “Honda´s Formula One Racing”, foram vendidas para Ross Brawn. Como resultado dessa venda, a propriedade da equipe foi transferida para o Sr. Brawn, que planeja ter a nova equipe competindo no Campeonato Mundial de Formula 1 desse ano.

Seria complicadíssimo que uma companhia com a estatura da Honda mentisse oficialmente em um sério comunicado para o mercado, imprensa e comunidade da F1.

Uma tese a se considerar é que a fábrica japonesa estaria, por exemplo, transferindo o controle acionário da sua equipe de Formula 1 a conta-gotas, a medida que Ross Brawn vai exercendo a sua preferência e pagando pelas ações.

Apesar de uma operação dessas ser comum em aquisições de empresas, há sinais de que podem existir “forças ocultas” agindo nos bastidores da equipe, estimulando questionamentos como:

— O que impede a Mercedes-Benz — fornecedora de motores da Brawn — de colocar um simples adesivo com a sua logomarca na carenagem do BGP 001, algo que explicitaria merecidamente a sua valiosa e cooperativa participação no sucesso da equipe?

— Por que a Virgin parece, lentamente, desinteressar-se de uma maior participação como patrocinadora da equipe?

— Por que a inscrição da Brawn para o campeonato de 2010 não está vinculada a nenhum fornecedor de motores?

— Estaria a Honda, então, planejando uma volta em 2010 ao menos como fornecedora de motores?

Mistérios, estranhos mistérios que poderiam muito bem ser explicados pela suposta e real dona da Brawn GP, a Honda.

‘Making Off’ do Motor Home da McLaren

Na semana do primeiro GP na Europa (Espanha), eu postei algumas fotos dos Motor Homes das equipes que começariam a circular pela temporada Européia da Formula 1. O consenso é que o “Brand Centre” da McLaren, o “Energy Station” e os motor homes de Force India e Ferrari, são os mais bonitos entre as equipes.

A McLaren — que tem produzido excelentes vídeos nessa temporada — resolveu mostrar o “Making Off” do seu motor home — que eles fazem questão de chamar de Brand Centre — em um vídeo muito bem humorado que talvez fosse ainda mais interessante se o Youtube resolvesse liberar o som, cortado inexplicavelmente.

Para você ter uma mínima idéia do trabalho na montagem desses mini -Shopping Centers ambulantes, as equipes de montagem — que podem passar de 40 pessoas — começa o trabalho de montagem uma semana antes do início da corrida. Quando apenas uma semana separa um GP do outro, o trabalho de transporte e montagem é redobrado.

No caso do “Brand Centre”, que talvez seja o mais suntuoso de todos os Motor Homes entre as equipes, o trabalho talvez seja um pouco mais duro que o despendido na média com os outros.

Mas o mais divertido e interessante no vídeo é que podemos testemunhar o bom humor de alguns dos heróis anônimos da Formula 1, gente que trabalha duro acompanhando a categoria através da Europa.

GP da Inglaterra — Será que Vettel e a Red Bull jogarão mais uma vitória no colo de Jenson?

(Imagem: Red Bull/Divulgação) GEPA-0607087477(MARK em 2008: depois da rodada na primeira volta, o australiano fez uma corrida de recuperação memorável no ano passado)

O Consenso entre os profissionais das próprias equipes é que o RB5, modelo da Red Bull, vai voar no complexo de curvas de alta velocidade do circuito de Silverstone — o que dará a equipe de Sebastian Vettel a grande chance de, finalmente, vencer a equipes de Jenson Button e Ross Brawn em uma pista seca. Mas será que Vettel, muito bem escudado pela Red Bull, resistirá à tentação de novamente jogar uma vitória no colo de Jenson Button?

Problemas internos na Red Bull?

O repórter da BBC, o excelente Ted Kravitz, relata no site da BBC que após a prova de Istambul as relações na garagem da Red Bull não parecem mais tão “cool” e bacanas como no início de temporada. O erro de Sebastian Vettel na primeira volta levou Christian Horner a, meritoriamente, proteger a posição de Mark Webber na última perna de corrida. Irritado, Vettel tentou deliberadamente marcar a melhor volta da corrida para atestar publicamente o nonsense da transmissão de rádio de Horner, que pedia a Vettel “para poupar equipamento pois Mark era mais rápido.”

Como será o final de semana da Red Bull em Silverstone, pista em que Mark Webber costuma fazer excelentes corridas, como a de recuperação no ano passado?

Brawn ‘Updates’

Em entrevista a James Allen hoje, Ross Brawn esclareceu onde a sua equipe está concentrado o seu programa de desenvolvimento:

O que me deixou especialmente satisfeito na Turquia foi que identificamos que a Red Bull era mais rápida que nós em curvas de alta velocidade e nos focamos nisto — os grupos de aerodinâmica e chassis — para encontrar formas de configurar o carro diferentemente, para melhorar a aerodinâmica. E eu acho que na Turquia, na curva 8 [curva de alta velocidade], nós tínhamos um dos carros mais rápidos, tão rápido quanto a Red Bull. Isto mostrou grande força.

— Ross Brawn

Ross está certo e a própria transmissão mostrou que na verdade o BGP 001 foi, por uma margem mínima, o carro mais rápido na curva 8:

VELOCIDADE MÁXIMA NA CURVA 8

1. J. Button………………………. 272.4 km

2. S. Vettel……………………….. 271.6 km

3. K. Raikkonen…………………  269.2 km

4. F. Massa……………………….. 268.0 Km

Essa pequena amostragem dos desempenhos das equipes no setor mais rápido do Istanbul Park mostra que, mesmo com uma vantagem já anunciada, a Red Bull terá, teoricamente, a Brawn  nos seus calcanhares em Silverstone.

Barrichello estará livre para brigar com Jenson?

O grande resultado de Rubens Barrichello no ano passado foi o seu pódio em Silverstone, pista que é praticamente sua casa e onde sempre obteve bons resultados. Como a Brawn lidará com uma possível dominação de Rubens Barrichello em Silverstone, corrida na casa de Jenson Button?

Vitória da Red Bull será essencial para dar novo ânimo ao campeonato

Comungo da tese de que essa temporada dominada por Jenson Button será mais bem aproveitada pelos “connoisseurs, mas tem que levar-se em consideração a grande massa entediada que vai, prova a prova, perdendo interesse nessa que poderá se tornar uma das mais tediosas temporadas desde 2004.

52% dos leitores que responderam a enquete aqui no F1 Around já perderam o interesse e só uma vitória de Sebastian Vettel ou Mark Webber (até de Barrichello) para revitalizar um campeonato amplamente dominado pelo chato (em suas próprias palavras!) e espetacular Jenson Button.

Carro da McLaren que deu título a Lewis Hamilton será eternizado no museu da Mercedes-Benz

Lewis Hamilton inicia essa semana de GP da Inglaterra já prevendo mais um retumbante fracasso do MP4/24 nas rápidas curvas do circuito de Silverstone. Lewis deve estar com saudades do seu agora aposentado MP4/23 — o carro que o levou ao título no ano passado e o permitiu dominar o GP da Inglaterra há um ano atrás chegando a impressionante marca de um minuto à frente do segundo colocado.

O “velho” MP4/23 estará agora eternizado no museu da Mercedes-Benz em Stuttgart, junto com parte da magnífica história da Mercedes-Benz.

Há duas histórias interessantes interligadas ao agora eterno MP4/23: a primeira é sobre a volta do carro a Stuttgart, local onde foi lançado no início de 2008. Sempre interpretei o gesto da Mercedes naquele momento — ao ceder o seu museu para a festa de lançamento — como um claro sinal de apoio à McLaren, uma forma simbólica de dizer ao mundo da F1 que a companhia permanecia firme ao lado da equipe, mesmo frente a fragorosas derrotas em pista e em tribunais em decorrência do escândalo de espionagem.

A segunda história pode ser interpretada como um daqueles contos irônicos dentro da própria história da Mercedes-Benz, algo que nem Paul Auster — o mestre do acaso e da coincidência — seria capaz de imaginar porque soaria um deslavado clichê.

Logo depois de assumir o poder na Alemanha em 1933, Adolf Hitler investiu maciçamente na tecnologia automobilística alemã e, em paralelo, nas equipes de Grande Prêmio. A Mercedes-Benz foi um dos destinos dessa ajuda financeira dada por Hitler e o investimento resultou em um amplo domínio da Alemanha nos Grandes Prêmios daqueles anos, que eram disputados sob bandeiras nacionais.

A intenção de Hitler — assim como nas Olimpíadas de Berlin em 1936 — era provar ao mundo sua crença na supremacia tecnológica e racial da Alemanha Nazista.

É irônico, então, que hoje a mesma Mercedes-Benz tenha em seu museu um carro que venceu um campeonato de Formula 1 tendo a bordo o primeiro piloto negro campeão de Formula 1.

Suspeitas sobre lisura no processo de seleção da FIA pode crescer

James Allen fez ontem em seu blog uma rápida e discreta menção sobre a forma como os representantes da FIA lidaram com a proposta feita pela N.Technology para competir na F1 em 2010

Segundo James, representantes da companhia queixaram-se de que a FIA não “processou a proposta apropriadamente”, faltando apresentação de documentos e outros procedimentos em todo o processo.

Logo depois do anúncio das equipes, este humilde e minúsculo blog foi um dos únicos — senão o único — a questionar uma das escolhas da FIA, observando um possível conflito de interesses na proposta da Manor frente a outras companhias melhor estruturadas, como a Prodrive e a Epsilon Euskad.

O post não chamou muito atenção, mas fiquem de olho nessa história que pode até evoluir nas próximas semanas.

%d blogueiros gostam disto: