//
você está lendo...
ARTIGOS

Flávio Gomes ‘filosofa’ sobre a Globo e Galvão Bueno

Alguns podem achar Flávio Gomes arrogante — eu também acho de vez em quando — mas quando ele acerta, ele acerta na mosca e com apenas um tiro.

Clique aqui para ler o resto do post…

Ele anda sendo contra atacado em seu blog por opinar sobre Nelsinho, mas é o seu ponto de vista — de um jornalista com rara experiência no meio — sobre a Globo e Galvão o que realmente interessa:

A discussão é sobre o caráter oficial que as coisas ganham quando é a Globo (no caso, SporTV) que dá. Vira “anúncio”, como no caso da gravidez da esposa de Massa. Aí recebo dezenas de e-mails pedindo para comentar “o anúncio do Galvão”… A Globo, na sua linha ufano-nacionalista, não toca no assunto até que ele seja consumado, porque é contra a linha editorial da empresa fazer qualquer crítica aos atletas brasileiros em qualquer modalidade. Eles não erram, são suas equipes; eles não são lentos, são seus carros. A Globo criticou a preparação da seleção para a Copa de 2006? Não, tratou tudo como um show de estrelas, “suas” estrelas. Até o time ser eliminado de forma bisonha. Aí, quando acontece, parece que foi ela a única a ter a informação, e não é verdade. É só isso. Não estou preocupado com a paternidade da notícia. Isso é bobagem. Galvão, ontem, deu a notícia e emendou: “É cedo, não?”. Não, não é cedo. A honestidade jornalística exige que se diga: é justo. Porque o seu desempenho foi ruim etc e tal. Vocês estão achando que estou puto porque o Galvão deu um furo. Estou há muito tempo nisso aqui para não me preocupar com furos. No jornalismo de hoje, com tantos meios para se informar, há poucos furos.

[…] A informação do Galvão, provavelmente, era boa. Tão boa quando a da cláusula de performance que a Globo sempre ignorou. De ontem para hoje, é provável que a demissão tenha sido revertida em conversas entre Nelson-pai e Briatore. Acho que o chefe foi convencido de que Nelsinho poderia argumentar em eventuais tribunais que sem equipamento igual, a cláusula perderia a validade. E voltou atrás numa decisão que já tinha tomado.

Não vou achar o jornalismo esportivo da Globo melhor ou pior porque a informação do Galvão não se confirmou. Considero-o ruim, independentemente do que aconteceu entre ontem e hoje. Porque é baseado numa linha com a qual não concordo, de levantar a bola de tudo e de todos ao sabor de seus interesses, porque é incapaz de dizer que um jogo é ruim, ou que um piloto brasileiro é fraco, ou que uma seleção está se preparando mal, ou que a uma delegação olímpica é exagerada, ou que o Nuzman é uma droga de dirigente, é um pseudojornalismo que que vende emoções baratas, e não informações caras. Não critica, faz oba-oba; afirma que o Brasil é uma potência olímpica, e não é; defende os Jogos no Rio e não discute sua necessidade; fechará os olhos para a roubalheira que vem por aí na Copa/2014, porque o evento é dela; estimula a promiscuidade nas relações entre jornalistas e fontes, são todos amiguinhos e o mundo é cor-de-rosa.

— Flávio Gomes em seu blog

É preciso dizer mais alguma coisa?

Anúncios

Discussão

16 comentários sobre “Flávio Gomes ‘filosofa’ sobre a Globo e Galvão Bueno

  1. Comentei no blog do Flávio Gomes e comento o mesmo aqui:

    Adicione-se ao jornalismo esquisito da Globo, o fato de que, quase nunca, eles citam os nomes de empresas em suas matérias. É sempre, “uma mineradora”, “uma fábrica de automóveis”, “esta joalheria”, “este supermercado” e assim por diante. Parece que é um pecado mortal citar o nome de uma empresa e não receber nada por isto!

    Na corrida de domingo, isto ficou muito evidente em um determinado momento em que o Reginaldo Leme citou nominalmente a Fiat. Imediatamente, Galvão Bueno emendou dizendo “a montadora que controla a Ferrari”, em tom de reprimenda, e o Reginaldo repetiu a frase do Galvão, como se dissesse “é mesmo, esqueci que não pode dizer o nome da Fiat”.

    E isto acontece também com a Red Bull, que somente é chamada de RBR.

    Se eu fosse o presidente da montadora que controla a Ferrari, pararia de anunciar na rede de televisão que transmite a F1.

    Publicado por Julio Lima | 14/07/2009, 7:27 pm
  2. hum…na época não teve anúncio de Galvão sobre nada, só comento isso nos comentários do post, mas fiz um post dois dias antes criticando a imprensa também

    http://historiasevelocidade.blogspot.com/2009/07/aha-imprensa-brasileira.html

    achei muito em cima do ponto o comentário do Gomes, principalmente na parte final, quando ele fala sobre os eventos que acontecem/acontecerão e a imprensa global faz um oba-oba incrível.

    Publicado por Ridson | 14/07/2009, 7:48 pm
  3. Longe de mim defender a TV Globo ou seu locutor oficial mas cá pra nós, o que o chato do Flávio Gomes queria?

    Os esportistas e eventos esportivos são considerados produtos que a TV vende aos seus espectadores.

    Você falaria mal do produto que vende?

    Ele gostaria que o Galvão dissesse ao público que a seleção brasileira é uma droga e perderá a copa?

    Que fulano é um piloto medíocre e jamais será campeão?

    A TV Globo não vende notícia e sim audiência.

    É uma empresa comercial como qualquer outra e precisa gerar lucro aos seus acionistas. Mesmo que para isso precise mascarar ou distorcer os fatos.

    E é exatamente o que faz e não é a única.

    Não concorda com a sua linha jornalística?

    Sintonize sua TV em outra emissora e deixe de ser chato porque isso acontece desde que o mundo é mundo.

    Publicado por Beatle Ed | 14/07/2009, 7:49 pm
  4. Não é necessário ele dizer mais nada. O Flavio Gomes, infelizmente, transformou o site dele em um pasquim especializado em automobilismo, mas quando está inspirado, ainda tem munição suficiente para dizer umas boas verdades a quem quiser ouvir. Doa a quem doer.

    Agora, se você concorda com o Flavio, Becken, por que resolveu replicar antes a bobagem que o Galvão anunciou, ao invés de esperar o anúncio oficial da equipe? Mesmo o Nelsinho dizendo que está tudo bem (como se ele fosse dizer o contrário no Twitter), ainda não é possível afirmar nada. Sem anúncio oficial da equipe, não existe notícia.

    Publicado por Alexandre Carvalho | 14/07/2009, 7:53 pm
  5. Vou ser sincero, gosto da narração do Galvão Bueno. Apesar do lugar comum de todos criticarem e reclamarem dele, gosto dos bordões, do estilo emotivo e torcedor. O maior problema a meu ver não é ele manifestar suas opiniões mirabolantes e polêmicas (como foi a sobre o título do Raikkonen) e sim não permitir que o Reginaldo Leme e o Luciano Burti discordem delas. Acho que a divergência de idéias do trio global sobre o que acontece no circo da F1 seria algo a acrescentar às transmissões. Engraçado que talvez isso seja culpa dos próprios comentaristas que abaixam a cabeça a cada bobagem que o Galvão diz. Veja no futebol, por exemplo, que mesmo sendo amigo do Galvão de longa data, o Arnaldo Cesar Coelho consegue impor sua opinião mesmo sendo contrária a do Galvão pois ele sempre deixou claro que o especialista e comentarista ali é ele. Já o Reginaldo deixou há muito tempo de ser analista e se tornou palpiteiro, chega a ser cômico como ele se deixar levar, o lance do Hamilton foi um exemplo cristalino disso. Reginaldo sempre mostrou admirar o Hamilton em 2007 e agora vai na onda do “Hamilton é menino mal, só faz bobagem”. O Burti ainda dá pra relevar já que é o novo da área e a experiência de 30 anos de F1 do mito Galvão deve o assustar ainda.
    Por fim tem a questão dos interesses comerciais da emissora acima da imparcialidade jornalística. Esculachar a Ferrari a todo instante pode, mas esculachar a Renault não (ele usa o nome do Briatore quando precisa nessas horas) já que esta tem cota de patrocínio da transmissão da F1 na Globo. Pode esperar que de agora até o fim do ano vão ficar malhando a Brawn GP por sacanearem com Barrichello mas o fato da Renault fazer o mesmo com o Nelsinho desde que o moleque entrou na F1 (carro sempre defasado em relação ao do Alonso e estratégia tanque cheio até a boca) é algo falado raramente.

    Publicado por Carlos T. | 14/07/2009, 8:00 pm
  6. “A TV Globo não vende notícia e sim audiência”
    E vc, Beatle Ed, concorda realmente com esse pensamento? Se sim, e me parece que sim, já que não tinha conhecimento desse’ fato’, vc é apenas mais um dos que concordam com essa mesmice que vemos nas transmissões da F1 na Globo.
    Não concordo com esse pensamento e acho que devemos criticar sim, porque a F1 foi feita para nós, fãs.
    Agora, se um dia seremos respeitados, depende do nível de exigência que cada um de nós temos e que externamos. Apenas criar factóides como esse de nada adiantará.

    Publicado por Jayme | 14/07/2009, 8:04 pm
  7. Realmente Becken, eu jamais vi um pensamento tão pessoal, mas, ao mesmo tempo, tão condizente com a realidade da mídia nacional.

    Publicado por Will | 14/07/2009, 9:10 pm
  8. Beatle Ed,

    A realidade é essa que você tão bem descreveu. Meios de comunicação privados existem para vender produtos. A programação é apenas um chamariz para que assistamos os comerciais dos patrocinadores. Já falei sobre isso aqui, nem lembro em que post foi (o caro Becken deve saber).

    Há, todavia, neste caso, uma distância abismal entre o “ser” e o “dever ser”. A Rede Globo funciona em face de uma concessão pública. Em troca, sem desvirtuar-se de seu objetivo social que é o lucro, ela tem um compromisso social de prestar informação, serviços de utilidade pública e entretenimento. Esta cláusula contratual ela descumpre diuturnamente em nosso desfavor. Não temos, portanto, de forma alguma, motivos para elogiá-la por isso. Ao contrário, trata-se de conduta condenável que deve ser execrada, com a exigência imediata do cumprimento do contrato. Não podemos rir de nós mesmos. Como os homens públicos a quem elegemos não nos representam adequadamente, como cidadãos o que podemos fazer de imediato e que terá mais efetividade será boicotar a audiência. A longo prazo devemos pensar em quem elegeremos nas próximas eleições, dando também a devida resposta a quem não cuida dos nossos bens como lhes confiamos.

    Não estou discordando de você, mas tão somente aprofundando um pouco mais para fundamentar um outro reparo que acho necessário em seu comentário.

    Aliás, Beatle Ed, é um grande prazer encontrar você aqui e acolá e poder trocar impressões, idéias, concordando ou discordando, mas sempre em alto nível, com respeito e bom humor.

    Abs.

    Publicado por A. Coyote | 14/07/2009, 10:08 pm
  9. Atualmente, gosto muito dos comentários do Lito na SporTV!!! É uma opção!

    Contudo, acho que a globo desempenha o seu papel empresarial! O próprio Galvão, no Bem Amigos! logo após o GP Brasil de 2008 disse que ninguém faz um bom trabalho se não tem um bom “produto” para mostrar! Ora, ele mesmo diz, a filosofia é exatamente essa, fabricar um bom produto para que se tenha uma boa audiência! Penso não seja prioridade da Globo construir críticos do esporte, até porque a maioria das pessoas não estão nem aí para isso mesmo, querem assistir a corrida e se emocionar com uma vitória brasileira! Outros, como os frequentadores do presente e importantíssimo blog, querem mais! Acontece que somos minoria, a grande massa que liga a TV aos domingos pela manhã quer isso mesmo, emoção e bobagem. Afinal, é domingo! Se preocupar com que?

    Aos que esperam algo mais da Globo, sugiro que antes e após as corridas passem aqui no F1Around e saciem a sede por informações extremamente valiosas e desprovidas de um conceito empresarial!!!

    Publicado por Desmond | 15/07/2009, 4:57 am
  10. Retificando o erro ortográfico proporcionado pelo sono das 5:00 h da manhã!

    “Penso não seja prioridade da Globo construir críticos do esporte, até porque a maioria das pessoas não está nem aí para isso mesmo, quer assistir a corrida e se emocionar com uma vitória brasileira!”

    Publicado por Desmond | 15/07/2009, 4:59 am
  11. Agora, se você concorda com o Flavio, Becken, por que resolveu replicar antes a bobagem que o Galvão anunciou, ao invés de esperar o anúncio oficial da equipe?

    Três pontos:

    1º) Eu concordo com o Gomes com relação ao approach jornalístico/esportivo da Globo, que deixa-se contaminar pelo seu departamento comercial. Essa é a principal substância da frase que eu copiei e postei aqui. Não me interessa há opinião do Gomes com relação à…

    2º)… barrigada do Galvão que é irrelevante, dada a natureza do próprio jornalismo, que vive de fontes e que tais. Barrigadas são comuns e imagino que seja algo normal na profissão e nas redações.

    3º) Isso aqui é um blog e não um portal de informações. Quem corre atrás da informação são o Flavio Gomes e o Galvão.

    No post em que eu replico a nota do Galvão eu questiono: “Nelsinho: vítima da paparicação da Renault em cima de Romain Grosjean?”

    Portanto, eu tentei cumprir a função do blogueiro, que é extrair da notícia ‘hard’ uma reflexão, uma razão subjacente ao que aconteceu, ao mesmo tempo em que pergunto aos leitores qual é o opinião deles em face da notícia, já que os blogs se tornaram fóruns e espaços para quem consome a informação expressar o seu ponto de vista.

    Publicado por Becken Lima | 15/07/2009, 12:59 pm
  12. “Barrigadas são comuns e imagino que seja algo normal na profissão e nas redações.”

    Barrigadas não são comuns nem devem ser consideradas normais nessa profissão. No dia em que isso acontecer, o jornalismo deixa de existir.

    “Isso aqui é um blog e não um portal de informações.”

    Eu não disse que o blog é um portal de informações, e sim questionei o fato de a barriga do Galvão, antes de ela se confirmar, ter sido precipitadamente replicada não só aqui como em outros sites e blogs, na ânsia de querer dar a informação (mesmo não confirmada) na frente de todo mundo, antes mesmo de a Renault se pronunciar a respeito deste assunto, o que não aconteceu até agora.

    “Quem corre atrás da informação são o Flavio Gomes e o Galvão.”

    O Galvão não corre atrás da informação. Para isso a Globo tem uma equipe de jornalismo. Mas devo interpretar essa frase como um “Eu não tenho que correr atrás das informações.”?

    Publicado por Alexandre Carvalho | 15/07/2009, 2:22 pm
  13. Eu não disse que o blog é um portal de informações, e sim questionei o fato de a barriga do Galvão, antes de ela se confirmar, ter sido precipitadamente replicada não só aqui como em outros sites e blogs, na ânsia de querer dar a informação (mesmo não confirmada) na frente de todo mundo, antes mesmo de a Renault se pronunciar a respeito deste assunto, o que não aconteceu até agora.

    Como eu disse lá em cima, o que me interessa no que escreveu o Gomes é o ponto de vista dele sobre o estilo de jornalismo da Globo. Acho que vc está fazendo uma grande confusão e “causando” em cima de algo que eu não estou iluminando como a questão principal.

    Acho que o Anselmo Coyote entendeu…

    Sobre o Piquet, a notícia cresceu durante o dia (inclusive com muita gente PRO indo junto), mesmo tendo sido obra de uma barrigada (só saberemos se é barrigada na Hungria!) do Galvão Bueno e achei relevante dar espaço para que as pessoas que passam por aqui diariamente opinassem.

    Realmente não sei por que me crucificar por causa disso.

    A maioria — a grande maioria — do que eu escrevo aqui são pontos de vista, pesquisas ou reflexões em cima de notícias substanciosas. O F1 Around é, profundamente, um blog e eu não tenho “ânsia” de dar a notícia por que eu não tenho condição de correr atrás dessa notícia fresca, fazer o trabalho grosso do noticiário diário da F1 e isso quem faz são as grandes corporações.

    Por isso o blog está posicionado em OPINIÃO, reflexão e, claro, em especular de forma saudável sobre a Formula 1.

    Muitas vezes me recuso a postar algo que está circulando e muita gente vem aqui e sugere postar a respeito para abrir discussão. E é aí que acho relevante seguir o ramerrão do noticiário diário por que isso será tema de discussão de onde sempre surgirão pontos de vista interessantes.

    Publicado por Becken Lima | 15/07/2009, 4:04 pm
  14. Legal Anselmo!

    Concordo com vc, só achei que o Flávio Gomes foi um pouco cínico na sua crítica ao jornalismo da Globo.
    Toda a imprensa procede exatamente da mesma forma ou seja, defendendo os seus interesses.

    Do “Diário de Maringá” ao New York Times, todos são capazes dos mais abjetos métodos só para vender mais jornal.

    E conheço alguns jornalistas que adoravam falar mal da linha editorial da Globo até o dia em que foram contratados por eles.

    Grande abraço!

    Publicado por Beatle Ed | 15/07/2009, 7:29 pm
  15. Depois de tanta cagada que o portal Grande Prêmio, de propriedade do Flávio Gomes, publicou, e pessoa menos isenta pra publicar uma cosa dessa seria o Flávo Gomes…

    Publicado por Thiago | 16/07/2009, 9:45 am
  16. O Galvão Bueno perdeu a chance de ficar quieto, no domingo passado ao dizer: “que Niki Lauda, falara bobagem ao dizer que Schumacher deveria substituir Felipe Massa na Ferrari!”
    Será que ele seria, homem suficiente, para adimitir no ar, na próxima transmissão do GP da Europa, que quem falou bobagem foi ele: Galvão Bueno???

    Publicado por ColoradoJulio | 02/08/2009, 6:59 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: