//
você está lendo...
ARTIGOS

Comentaristas do F1 Around promovem interessante debate sobre ultrapassagem na Formula 1

FOTO: Renault/Divulgação — Nelson deixa Lewis para trás na Turquia, uma das mais bonitas ultrapassagens do ano lewisvsnelson

Comentaristas debatem no F1 Around  sobre a falta de ultrapassagens na Formula 1.

Clique AQUI e leia mais a respeito…

____________________________________________________________________________

No post sobre a nova pista de Abu Dhabi está acontecendo um interessante debate sobre o eterno problema de ultrapassagens na F1. De quem ou do quê é a culpa afinal? Para Claudio Cardoso o sistema de pontuação e as punições excessivas inibem a agressividade natural dos pilotos, fazendo com que o “politicamente correto mate a ultrapassagem na Formula 1”. Já o Leandro Magno aponta um problema técnico: a qualidade dos freios, que permite a quase todos os pilotos “frearem praticamente dentro da curva.”

O Guilherme Teixeira faz uma interessante intervenção: “…Temos a idéia de que a Fórmula 1 antigamente tinha mais ultrapassagens que a NASCAR, e queremos a todo custo que os carros da F1 ultrapassem uns aos outros constantemente. Ultrapassagens não devem ser fáceis. Caso fosse, seria como na NASCAR: algo banal e sem graça.”

O aparte do Guilherme me faz lembrar um debate interessante (veja o vídeo abaixo) entre Peter Windsor, comentarista de F1 no Speed Channel e agora dono da USF1, e Darrel Walltrip, especialista em NASCAR do mesmo canal.

Para Walltrip, “sem ultrapassagens não há show e a verdadeira marca do grande piloto é a capacidade de desafiar outros pilotos, de intimidar. Automobilismo é uma arte, e não apenas a arte de fazer curvas mais rápido que qualquer outro, mas a arte de desafiar outros pilotos em outros carros.

Para Peter o apelo da Formula 1 é muito mais amplo, focado não apenas na natureza do show — a ultrapassagem — mas distribuído no desenvolvimento tecnológico e na tradição das grandes equipes. Ultrapassagens para Windsor devem ser difíceis e quanto mais difícil o intento alcançado, mais divertido.

Uma questão complexa, dado o fato de que a Formula 1 radicalizou a estrutura dos carros esse ano buscando gerar mais ultrapassagens e melhorar a categoria como entretenimento.

Será que a quantidade de ultrapassagens na F1 tem sido o suficiente e estão tentando consertar algo sem defeito? Será que é por isso que ultrapassagens como a de Lewis Hamilton em  Kimi Raikkonen em Monza/ 2007 e a de Fernando Alonso em Felipe Massa em Nurburgring/2007 serão eternizadas?

Debate entre Peter Windsor e Darrel Waltrip

Discussão

10 comentários sobre “Comentaristas do F1 Around promovem interessante debate sobre ultrapassagem na Formula 1

  1. Acrescentaria ao panteão das grandes ultrapassagens na F1 desse século essa a seguir:

    A pergunta é: o colombiano atravessaria o “S” se o alemão n o tivesse escorado?

    Recomendo ao Cassius assitir ao vídeo até o final para se deleitar com um momento “brilhante” do seu piloto favorito.

    Sei q o post n é pra listar grandes ultrapassagens da história recente da F1, porém a idéia é trazer para o debate aquele elemento citado posts atrás peço Becken q faz a ultrapassagem sair ainda q pista, carro ou sistema de pontos n favoreça- Arrojo.
    Sem dúvida, faltam Montoyas e Mansells na F1:

    São momentos como esses q nos fazem levantar da poltrona e amar essa tal de Fórmula 1.

    Publicado por Leandro Magno | 22/07/2009, 6:53 pm
  2. Concordo com você, Leandro: “faltam Montoyas e Mansells na F1” atual.
    É bom relembrar essas ultrapassagens.

    Publicado por Will | 22/07/2009, 7:27 pm
  3. Becken e amigos,

    Eu tb gosto de ver disputas por posições nas pistas.
    Algumas se tornaram memoráveis, como as citadas no post anterior, estas postadas pelo Leandro, esta do Nelsinho x Hamilton que ilustra este post, a do Piquet sobre o Senna na Hungria 1986, as quatro do Senna em Donington Park, aquela do Senna sobre Mansell na Espanha/86 com vitória por um fio de cabelo, um drible que o Mansell deu no Piquet, outra do Piquet sobre o Mansell em Adelaide e, dentre outras, aquele “pega” Gilles Villeneuve x Renè Arnoux em 1979. Foram muitas. Inúmeras.

    As ultrapassagens conseguidas definitivamente após sucessivas trocas de posições são as mais bonitas e acompanhá-las ao vivo é de arrepiar.

    Mas, realmente a F1 nunca foi como a Nascar. Ainda bem.

    Para aumentar as ultrapassagens na F1 a primeira coisa seria consultar as estatísticas de um determinado período (por exemplo, de 1970 a 2008), fazendo uma média ano a ano. Também seria preciso conferir até que ponto as mudanças de regras, inclusive os sistemas de pontuação, influenciaram no comportamento dos pilotos.

    Os pilotos estão mais conscientes. Não vão arriscar a vida demasiadamente em troca de nada.

    Por isso seria preciso aumentar a segurança dos carros em alta velocidade e dos autódromos para que os pilotos se sintam motivados a partir para o embate.

    A última consideração que faço e que acho mais difícil de ser modificada trata da escolha dos
    pilotos.

    Em vez de ser considerado o arrojo nas pistas, prioriza-se o quanto em patrocínio ele levará para a equipe. Esse critério põe Nakajima e exclui Mansells, Montoyas, Villeneuves e outros.

    É o que eu acho.

    Publicado por A. Coyote | 23/07/2009, 9:58 am
  4. “Por isso seria preciso aumentar a segurança dos carros em alta velocidade e dos autódromos para que os pilotos se sintam motivados a partir para o embate.”

    Aumentar mais? Nunca o automobilismo esteve tão seguro, e, não por isso, tinhamos mais disputas antigamente (e quando eu digo antigamente, incluo até o início deste século). Por isso acho que a questão de motivação não tem muita relação com segurança. Hoje em dia certas pistas têm áreas de escape do tamanho de um estacionamento de supermercado. Há pistas tão seguras que eu não consigo lembrar quando um piloto bateu em algo estático ao tentar uma manobra de ultrapassagem. Óbvio, não estou dizendo que não há necessidade de aumentar a segurança das pistas, mas não creio que seja um fator de exitação dos pilotos na hora de ultrapassar alguém.

    Na minha opinião, a questão principal é a relação “custo/benefício”, aliado, em menor parte, à caracteristicas técnicas de carros e pistas.

    Abraço!

    Publicado por Guilherme Teixeira | 23/07/2009, 11:08 am
  5. Freios, o problemas são os freios.

    Quem é fã de simuladores como Rfactor ou Gp4 sabe que quanto mais se freia dentro da curva mais se ganha tempo.

    E em um embate por posições o piloto da frente deixa pra frear o mais dentro possível e tomando a linha de dentro da curva, deixando pra quem vem atrás apenas o trilho normal, sem a miníma condição de passar.
    Por isso o excesso de toques laterais, onde pilotos dizem não ver o adversário e fazem a tomada normal e acabam batendo, é a unica forma de passar, jogar o carro feito uma vaca-loca e rezar.

    Solução, passaria por diminuir em 50% o poder de frenagem e trazer de volta os ABS, para dar mais segurança aos pilotos. Quem tiver mais “bolas” como disse o Hamilton que deixe pra frear mais dentro.

    Publicado por Claudemir Freire | 23/07/2009, 11:54 am
  6. Guilherme – Vc está certo. Eu também não acho que segurança seja a única motivação para ultrapassagens. É só ver os que fazem os pilotos de rally.

    Penso ter mais a ver a regulamentação da categoria.

    Mas segurança é importante. Veja o caso do Henry Surtees. Não tem a ver com ultrapassagem mas com roda solta. Mas (dizem) que o que matou o Senna foi a roda dianteira direita que se soltou o eixo entrou em sei capacete.

    Recursos como como ABS e controle de tração, como diz o colega Claudemir, dão segurança.

    Claudemir – Esse lance dos freios parece fazer sentido mesmo. Vou matutar sobre isso.

    Abs.

    Abs.

    Publicado por A. Coyote | 23/07/2009, 12:58 pm
  7. A. Coyote, quando eu era criança, e isso já faz um bom tempo, ouvia e lia pilotos dizendo que em certas pistas começavam a freiar na placa do 100m, isso la nos idos de 1982.
    Na década de 90 ja tinhamos declarações de frenagens na placa do 50.

    Hoje é dentro da curva então é impossível passar.

    Esse video ajuda bastante a entender o que é freiar antes e quem tem coragem pra freiar depois, esse dois carinhas eram bons!.

    Aliás, mesma pista, mesma curva, pilotos e carros fantásticos.

    Publicado por Claudemir Freire | 23/07/2009, 1:57 pm
  8. Fórmula 1 em sua essência pra mim so existiu até final da década de 90 (e olhe lá). Época de pilotos com “bolas”… época em que pra o kra freiar “dentro” da curva tinha que ter muita coragem ou então ser gênio dia desses estava assistindo um vídeo sobre grandes ultrapassagens da Fórmula 1 e pude me deliciar com um pega entre René Arnoux e Jacques Villeneuve, SENSACIONAL os caras dividiam as curvas fritavam pneus, algo alucinante. Vi também a largada sensacional de um certo Ayrton Senna em Donnington Park qdo ultrapassou 10 carros na primeira volta (dizem que ele estava possuido), uma ultrapassagem de Nelson Piquet em cima de Ayrton Senna no GP de esotril em 85, entre outras…

    Para mim eles deveriam modificar as regras no que diz respeito ao uso da tecnologia, equiparar mais os carros tipo todos os carros com motor V8, mesmo fabricante de chassi para todos reduzir um pouco a eficiência dos freios, porém de forma que mantenha a segurança. Algo tipo a Indy onde o que realmente faz a diferença é o braço do piloto e a estratégia de equipe.

    Publicado por Sérgio Luis | 04/01/2010, 10:14 am
  9. Sérgio Luis

    Seu comentário é pertinente mas discordo de alguns pontos.

    Padronizar chassis é coisa para monopostos de baixa qualidade e custo, para a F1 que sempre foi TOP isso não dá, nos EUA qualquer coisa que rode em circuito oval que ele achem que é carro funciona, e eles acham um espetáculo.
    Veja que estão rodando a 6 anos com os Dallaras e só vão troca-los em 2012 por um carro “revolucionário” sem asas (tô pagando pra ver, o Tony Kanaan disse que já viu e também ficou desconfiado) e na Nascar são aquelas bolhas ridículas que não embarcam nenhuma tecnologia.

    Em suma até a DTM é melhor que qualquer monoposto ou turismo americano.

    E os freios são a “desgraça” da F1, a solução seria o retorno do ABS e redução da frenagem em 50%, isso é na minha modesta opinião.

    Em Donnington o Senna passou 4 na largada, nessa mesma corrida o Rubens passou 8 na largada mas claro foi ofuscado pelo brilhantismo do primeiro.

    Em 1985 o Senna venceu no Estoril com os pés nas costas não tomou nenhum passão do Piquet, já em 1986 na Hungria ele tomaria uma das mais antológicas ultrapassagens de todos os tempos, o video acima mostra isso.

    Publicado por Claudemir Freire | 04/01/2010, 11:52 am
  10. Sem dúvida os freios são preponderantes a este debate, mas concordo com a questão do culhão abordada por alguns comentaristas. Os pilotos tem q ser um pouco menos ‘profissionais’ e partirem pra cima do adversário. Pq Lewis Hamilton faz mais ultrapassagens do q os outros pilotos? Será q é por ter um carro superior e isso facilita muito ? E esse ano de 2009, no qual o mp do início da temporada não era nem sombra do mp do término ? No GP da Austrália foram muitas ultrapassagens. Vejam a ultrapassagem aí em cima do JPM sobre Kimi e Ralf. Aquilo é culhão!

    Tb coloco em bom peso a questão dos autódromos. Spa, Interlagos, Canadá proporcionam muitas ultrapassagens, seja qual for o componente aerodinâmico ou mecânico q dificulte a manobra. E a solução seria então banir do calendário circuitos como o de Valência, Mônaco, Cingapura ? Não mesmo, em minha modesta opinião, circuitos travados servem para testar a eficiência dos carros em condições adversas de pressão aerodinâmica aos de alta como Bélgica, Itália e Inglaterra. E isso é tecnologia pura, o q sempre me atraiu na F-1.

    Valorizar a vitória, o q não foi atendido ao adequar a pontuação para um grid de 26 carros

    Mais Hamiltons, Montoyas, Mansells (vamos ver se o o Koba se confirma da mesma cepa ). Não q Alonso, Massa, Kubica, Button, Vettel não sejam audazes tb, mas esses pilotos se preocupam um pouco mais em terminar a corrida na zona de pontuação.

    Volta da guerra de pneus ( Fator decisivo na minha opinião, para obtenção de vantagem entre diferentes circuitos e consequentemente, ultrapassagens )

    Se for para diminuir a eficiência dos freios, q o faça priorizando a segurança, como bem alertou o Claudemir, mas eu não gosto da idéia de se “frear” a evolução tecnológica na F-1.

    Publicado por Alex-Ctba | 04/01/2010, 2:17 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: