//
você está lendo...
ARTIGOS

Vettel, o destruidor de motores?

IMAGEM: Red Bull/Divulgação vettelenginedestroyer(VETTEL explode motor em Mônaco: sera culpa do alemão ou só incopetência da Renault?)

Um dos grandes mistérios da temporada no momento é a tendência crônica de Sebastian Vettel para destruir os motores Renault. Como tudo na Formula 1, não há qualquer pista concreta do que anda causando as mortes súbitas dos propulsores franceses, e se observadas as estatísticas de uso de motores, a coisa fica ainda mais estranha.

A Renault foi a única equipe a ganhar alguns cavalos de potência esse ano, o que poderia ter causando um problema crônico na linha de produção dos motores, mas isso parece improvável quando se descobre que dos quatro carros empurrados pelos motores franceses — com exceção do de Vettel — nenhum teve qualquer problema.

Será culpa do estilo de pilotagem de Sebastian? Impossível saber dada a eletrônica que minimiza os erros dos pilotos, mas ao menos há um padrão nas falhas: das quatro quebras três ocorreram nos circuitos travados e urbanos, como Mônaco e Valência. Pode ser que Sebastian esteja sendo muito agressivo nas zebras causando vibração excessiva ou talvez seja um simples problema de instalação.

A verdade também é que Vettel já foi desnecessariamente agressivo com o seu equipamento esse ano — como na Turquia quando perdeu a segunda posição para Webber e tentou recuperá-la na última perna de corrida forçando o equipamento enquanto Webber economizava o seu.

Vettel tem agora apenas 4 motores: 2 novos para usar em pistas que tendem a ser estressantes para os motores, como Spa e Monza, onde se permanece sob aceleração plena quase 70% do circuito. Além desses dois novos, há outros dois usados, que têm aproximadamente 1300 km e 800 km de uso.

Será curioso ver que estratégia a Red Bull adotará para minimizar o estrago na luta particular de Vettel pelo campeonato. A equipe pode, por exemplo, ser conservadora e reduzir os RPMs nas próximas corridas — significando uma queda de performance — ou simplesmente usar os dois motores nas próximas três corridas e tomar um penalty de dez posições no grid pelo uso do nono propulsor, provavelmente no Brasil, o que lhe deixaria com um motor razoavelmente saudável para a última prova em Abu Dhabi.

Começo a desconfiar de que não seria tão má idéia a Red Bull daqui a duas corridas começar a concentrar esforços só em Mark Webber na luta pelo campeonato.

Anúncios

Discussão

14 comentários sobre “Vettel, o destruidor de motores?

  1. Martin Whitmarsh was earlier quoted saying that kers might not be beneficial in spa. so just thought i would analyze it my self. my analyis, surprisingly is in close agreement to Whitmarsh. I’ve used Motec i2 pro to analyze the braking. Spa has very few hard braking points, three significant heavy braking points are la source, les combes & the new bus-stop. now we all know that the circuit is 6 odd kms & kers can deliver that extra boost for 6.6 sec. Now as spa comprises of mainly high speed sweeping curves, there is hardly any usage of brake to aid kers in recovering the loss dissipated. The straight from la source to les combes is flat out, nowadays nobody lifts at eau rouge. then you have a series of right-left handers heading into rivage, but not too hard on the braking as you can see from my analysis,pouhon these days is taken flat ouy ,as there is a new tarmac(no gravel) so gives drivers extra confidence even if they run off the track.Fagnes & Stavelot are very gentle on the brakes, the final sector comprises of Blanchimont which is flat out, then you have the new bus-stop. so the net energy dissipated during braking is very less, as to what is required to make kers work efficiently around spa.

    i’ll briefly explain the parameters used in my analysis

    in the video you will see 11 parameters

    1) a map of the circuit with a small dot indicating the position of the car. (note the darker colour in the braking zones)

    2) brake pedal position (notice how few a times it is used)

    3) Throttle position, unsurprisingly you’ll notice its ON almost 60% of the time.

    4)Then there is a numeric bar gauge displaying longitudinal & lateral g-forces(notice it going through eau rouge ;) )

    5) then there is a red colour graph of brake-pedal position(in %) vs time(in sec) notice that it hardly reaches its peak.

    6) then there is a green colour graph of throttle pedal position (in%) vs time(in sec) obviously you’ll notice the peaks, cuz of obvious reasons.

    7) one more graph depicts brake temperature vs time (not of much importance in this discussion0 but still you’ll notice that its comparatively low(less that 1000 Celsius peak) in places like montreal & monaco the brake temp easily exceeds 1000 Celsius,but not at spa.

    8)there are 3 gauges displaying the Gear,engine rpm & cornering speed.

    What i could infer from this analysis is that spa is not suited for kers,as previously thought. There are not enough braking points for the kers to get recharged. Its like having a kers car on an oval, of what use is it? simply put into simpler terms aerodynamic downforce wins over kers at spa. So i don’t expect mclaren & ferrari to perform as well as they did at hungary & valencia.

    This is purely my thought & i might be wrong.

    Spa braking analysis using motec by me

    ………………………………………………………………………………………………………………………..

    Martin Whitmarsh, foi anteriormente citado dizendo que KERS não pode ser benéfico no spa. assim apenas pensei que eu iria analisar o meu ego. meu analyis, surpreendentemente está de acordo perto Whitmarsh. Eu usei Motec i2 Pro analisar a frenagem. Spa tem muito poucos pontos de travagem difícil, três importantes pontos de travagem são pesados La Source, Les Combes & o novo ônibus parar. Agora, todos nós sabemos que o circuito é kms 6 ímpar & KERS pode entregar esse impulso extra de 6,6 seg. Agora, como Spa compreende principalmente as curvas de alta velocidade de varredura, quase não há uso de freio para kers ajuda na recuperação da perda dissipada. A reta de la source a Les Combes é flat out, elevadores hoje ninguém na Eau Rouge. então você tem uma série de direita-esquerda handers posição em Rivage, mas não muito duro na travagem como você pode ver na minha análise, Pouhon estes dias é tomada ouy apartamento, como há um novo asfalto (sem cascalho) para que dá aos motoristas confiança extra, mesmo que eles correm ao largo da track.Fagnes & Stavelot são muito gentis no freio, a parte final é composta por Blanchimont que é liso para fora, então você tem o novo ônibus parar. de modo que o líquido de energia dissipada durante a frenagem é muito menor, como o que é necessário para fazer kers trabalhar eficientemente em torno de spa.

    Vou explicar brevemente os parâmetros utilizados na minha análise

    no vídeo, você verá 11 parâmetros

    1) um mapa do circuito com um pequeno ponto indicando a posição do carro. (observe a cor mais escura nas zonas de frenagem)

    2) posição do pedal de freio (repare como poucas vezes ele é usado)

    3) A posição do acelerador, obviamente você vai notar a sua em quase 60% do tempo.

    4) Depois, há um indicador numérico bar exibindo longitudinal e lateral forças G (note que atravessa eau rouge;))

    5) então não é um gráfico de cor vermelha de posição do pedal do freio (em%) vs tempo (em seg) perceber que dificilmente atinge o seu pico.

    6), então há um gráfico de cor verde de posição do acelerador (em%) vs tempo (em seg), obviamente, você vai observar os picos, primo de razões óbvias.

    7) mais um gráfico mostra freio temperatura vs tempo (não é de muita importância nesta discussion0 mas ainda assim você verá que a sua relativamente baixa (menos que o pico de 1000 graus Celsius) em lugares como Mônaco e Montreal a temperatura do freio facilmente exceder 1000 graus Celsius, mas não no spa.

    8) Existem 3 bitolas exibindo as artes, a rotação do motor e velocidade em curva.

    O que eu poderia inferir a partir dessa análise é que spa não é adequado para KERS, como se pensava anteriormente. Não há pontos de frenagem suficiente para o KERS para obter recarregada. Seu gosto ter um carro KERS em um oval, de que serve isso? Basta colocar em termos mais simples ganha downforce aerodinâmico sobre KERS no spa. Então, eu não espero que McLaren e Ferrari para executar assim como fizeram na Hungria e Valência.

    Este é o meu pensamento puramente & I Might Be Wrong.

    Spa análise de frenagem utilizando MOTEC por mim

    ………………………………………………………………………………………………………………………

    google translator is shit ;)

    Publicado por mp4-19b | 26/08/2009, 7:16 pm
  2. Great, great insight, mp4. I will turn this in a post tomorrow…

    Publicado por Becken Lima | 26/08/2009, 8:26 pm
  3. Nice mp4! Really nice! I was already thinking at this “harvesting” problem, and maybe it will be a issue a Monza too, with only four or five hard braking zones.

    Aproveitando a chance para fazer uma propaganda barata (Deus sabe como eu odeio isso, mas quando as coisas andam meio devagar faz bem…), fiz uma série de post com alguns momentos emocionantes que eu me recordo que ocorreram na ultima década no GP da Bélgica. Quem tiver interesse, dá uma passada por lá.

    http://grandprixnobrasil.wordpress.com/

    Abraços!

    Publicado por Guilherme Teixeira | 26/08/2009, 10:36 pm
  4. Ah mp4, google translator is indeed pure shit, but I really enjoy your effort to talk with us here at F1Around, even though it must be really hard for some people to understand what the hell google translated ;)

    Publicado por Guilherme Teixeira | 26/08/2009, 10:39 pm
  5. “google translator is shit ;)”

    Try program, Global Power Translator, is very simple.

    He translates from English to the Portuguese and of the Portuguese for English.

    You write and he already translates for the Portuguese, and you can read like this also the comments in Portuguese that we do, because the google translator is a shit, he can make you not to understand anything of what we spoke.

    Publicado por Claudemir Freire | 27/08/2009, 8:47 am
  6. Mp4-19b

    “google translator is shit ;)”

    Try program, Global Power Translator, is very simple.

    He translates from English to the Portuguese and of the Portuguese for English.

    You write and he already translates for the Portuguese, and you can read like this also the comments in Portuguese that we do, because the google translator is a shit, he can make you not to understand anything of what we spoke.

    Publicado por Claudemir Freire | 27/08/2009, 8:48 am
  7. Raikkonen também tinha uma má fama de destruidor de carros na McLaren, principalmente por causa do campeonato de 2005. O curioso é que muita gente esquecia que o mesmo Kimi fora vice em 2003 na base da regularidade… mas mesmo assim, muitos apostavam que quando o finlandês fosse pra Ferrari aconteceria o mesmo e… foi campeão logo no primeiro ano. A equipe de Maranello trabalhou com a confiabilidade desde a era Shcumacher. O resultado dos esforços foi uma grande sequencia sem quebras ainda em 2002, quando não havia ainda a obrigação de motores durarem mais de uma corrida.

    Vettel não teve problemas de confiabilidade na Toro Rosso. Talvez seja melhor a equipe trabalhar neste sentido.

    Publicado por Vitor, o de Recife | 27/08/2009, 9:02 am
  8. Isso mostra como a confiabilidade dos motores muda em pouquíssimo tempo. Em 2005-6 a Mercedes era uma bomba que chegava a estourar com 19 voltas de rodagem. Hoje é um monstro de confiabilidade, em que nenhum dos seis pilotos que usam tiveram quebras de motor. Esse ano são os Renaults…

    Por sinal, alguém sabe me dizer quando foi a última vez que um motor Mercedes quebrou? Só consigo lembrar do Kovalainen no Japão ano passado, e antes dele eu não consigo lembrar…

    Publicado por Guilherme Teixeira | 27/08/2009, 9:22 am
  9. O Martin Brundle perguntou ao Christian Horner se o Vettel não estava apertando por longos períodos o limitador de giros, mas eu não consegui captar a resposta…

    Publicado por Becken Lima | 27/08/2009, 9:25 am
  10. Guilherme se não me falha a memória com o KIMI em mônaco 2006.

    Publicado por Hugle | 27/08/2009, 12:49 pm
  11. Eu acho que tem a ver com o estilo de pilotagem, sim. O Vettel é bom mas ainda é jovem, essa é sua segunda temporada completa como piloto de F-1, ele ainda é meio pé pesado.

    Me recordo do Kimi em 2005. Com aquela máquina que a McLaren havia construído pra ele, ele vivia estourando motores e destruindo suspensões. Por que ele era muito agressivo, e é como se “o motor não combinasse com o estilo de pilotagem dele”. Mais ou menos por aí. É o que acontece com o Vettel: o estilo dele não combina com este motor Renault.

    Aliás, a Williams deve voltar a ter parceria com a Renault em 2010. Imagine o quanto eu estou ansioso pra ver isso.

    Publicado por Hugo Becker | 27/08/2009, 7:53 pm
  12. Bem, eu penso que pilotos não matam motores, embora o contrário seja bem provavél, sem piadas.
    Vettel teve azar conjugado com a pouca circulação de ar na pista de Valencia.
    O Webber não estourou, mas também não rendeu. Então o problema era o carro mesmo;.

    Publicado por Ron Groo | 28/08/2009, 10:17 am
  13. “Não há nenhuma razão objetiva para que apenas ele tenha quebrado”, disse Fabrice Lom, responsável pelo programa de motores da empresa francesa, à revista “Auto Motor und Sport”. “Os motores têm as mesmas temperaturas nos dois carros, e o estilo de pilotagem de Vettel não influencia em nada o problema”

    ;]

    Publicado por Lucas | 28/08/2009, 4:02 pm
  14. Que ótima notícia para o Vettel, Lucas! :)

    Ao menos agora a Red Bull pode mudar de fornecedor de motores sem qualquer remorso…

    Publicado por Becken Lima | 28/08/2009, 4:22 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: