//
você está lendo...
ARTIGOS

RB5: o carro do ano

Foram 6 vitórias, 6 voltas mais rápidas, 5 pole positions e 7 voltas mais rápidas na fase mais rápida da classificação, no Q2. São números expressivos que não indicam total superioridade do RB5 em 2009, mas que sugerem que o carro projetado por Adrian Newey foi, na média, o foguete do ano.

A expectativa era que, com o belo check-up feito na aerodinâmica de 2009, Adrian Newey trouxesse algo de especial para esse ano — o que ele fez —, mas a estratégia inicial do engenheiro inglês de Stratford Upon-Avon (terra de Shakespeare!), foi manter o desenvolvimento do carro em progresso até o último segundo da pré-temporada. Com esse tempo extra nas mãos, Adrian entregou o mais bem acabado e aerodinamicamente refinado modelo da novíssima geração de carros de 2009, mas o lançamento foi tão em cima da hora que acabou talvez limitando o acesso da equipe ao real potencial da máquina.

Evolução

Longe de sua sede na Europa, só mesmo a partir do GP da China é que o RB5 aproximou-se do carro dominante na pré-temporada, o BGP 001 da Brawn. Na Turquia o RB5 deu sinais de que o seu potencial explodiria a qualquer momento, mas só em Silverstone, com o grande “upgrade” e redesign do ano, é que a equipe de Newey libertou os segredos do carro e ele esmagou fácil a concorrência naquele frio domingo inglês.

No GP seguinte, na Alemanha, nova vitória. Logo depois, atuações consistentes na Hungria, Bélgica e Cingapura — corrida em que a equipe fez o seu último grande “upgrade” e onde o RB5 seguiu de perto a McLaren até ser parado por uma penalização por excesso de velocidade nos boxes.

A Red Bull pareceu não saber o que fazer com o RB5 apenas em Monza e Valência, mas o pacote de atualização de Cingapura surtiu efeito e deu ainda mais fôlego para o modelo que dominou as últimas três provas do ano em circuitos distintos — como no fluido Suzuka, no semi-travado Interlagos e no definitivamente travado Abu Dhabi — um forte e claro sinal de força e superioridade na segunda metade do ano.

O segredo do RB5

Qual o segredo do RB5? Nenhuma revolução, isso fica claro, mas em uma era de regulamentos apertados, sem espaço para inovações e grandes reviravoltas tecnológicas, foi a leitura correta e precisa das regras feita por Newey o grande segredo do RB5.

A afirmação acima virou clichê, mas é tão evidente que a grande inovação do RB5 foi uma releitura de há vinte anos, a já citada aqui suspensão traseira em pull-rod. Mesmo longe da F1 há tanto tempo, ela ajudou a compactar a porção traseira do RB5, dando muito mais espaço para a fruição do fluxo de ar através de asa traseira e difusor — até ali convencional. Um benefício adicional da suspensão foi o centro de gravidade mais baixo, o que em conjunto com o entre – eixos mais longo, acabou por fortalecer um dos pontos fortes do estilo de Newey, a bem trabalhada aerodinâmica, dando um sonoro benefício em circuitos em que o equilíbrio aerodinâmico era vital, como em Silverstone e Suzuka.

A novela do Difusor Duplo

Mesmo com sua mini revolução, Adrian Newey ainda passou pelo sufoco do Difusor Duplo, incompatível com essa suspensão traseira. Enquanto a equipe vencia na China, Newey trabalhava duro em Milton Keynes, sede da equipe na Inglaterra, para readequar a traseira do carro a um difusor duplo que só veio aparecer mesmo em Mônaco, mas sem muito efeito nas apertadas ruas do principado.

Com um foguete nas mãos, mas…

Com um modelo tão competitivo seria imperdoável não levar pelo menos um dos títulos de 2009, mas a verdade é que a Red Bull pagou pela inexperiência de nunca ter atuando como favorita.

Em alguns momentos o pitwall da equipe falhou em não trazer à tona o real potencial do carro, mas o mais crítico foram mesmo os equívocos nos boxes e mal julgamentos estratégicos. Na Turquia e em Mônaco eles abusaram da inexperiência de Vettel, que ruiu sob pressão; na Bélgica, com um carro competitivo, um pit stop mal feito custou um pódio a Mark Webber, além de tirá-lo em definitivo da briga pelo título.

Nas últimas corrida os erros foram expurgados a quase zero, mas a classificação de Vettel em 14º no Brasil foi mais um erro, só perdoado pela bela vitória com Webber.

O grande enigma no momento é: terá a Red Bull capacidade de encarar os cachorros-grandes McLaren e Ferrari em 2010? Se depender de Newey, é muito provável que sim…

Discussão

22 comentários sobre “RB5: o carro do ano

  1. Sei não…Newey costuma dar uma no cravo e outra na ferradura.
    Mas torço pra q dê outra no cravo para termos um campeonato emocionante em 2010.
    Repito o q já disse por aqui: Ferrari e Mclaren, depois q desocuparem os espaços destinados ao Kers, terão muito onde evoluir, já a Mercedes e a RBR…

    Publicado por leandro magno | 25/11/2009, 7:45 am
  2. Carro do ano ou da 2ª metade da temporada ? De qualquer forma, vai ser preciso uma nova leitura do regulamento, já q com o fim do reabastecimento, a configuração dos carros muda novamente. Vamos ver como o mestre Newey fará essa leitura…

    Publicado por Alex-Ctba | 25/11/2009, 8:28 am
  3. Se esse não foi o carro do ano, foi certamente o carro mais lindo do ano. O mantive como “papel de parede” em meu computador o ano quase todo. Só o tirei quando visitei Holambra, no interior de SP. Fiquei encantado com os moinhos, que me lembravam Cervantes.

    Mas voltandoa ao carro. Realmente faz muito sentido o que o Becken está dizendo, a expertise e o faro vencedor de uma equipe deve fazer muita diferença.
    Quando a equipe está acostumada a andar no meio do pelotão, tem experiências de meio. Suas decisões são baseadas naquela realidade.
    Quando a equipe anda na ponta, sua observação da corrida é outra. As experiências são outras. Me refiro a pits, estratégias de corrida, economia de equipamento etc.
    Talvez por essa falta de experiência, que eles roeram seus motores antes do final da temporada. Coisa que a Renault não fez.

    Fernando

    Publicado por Ffigueiredo | 25/11/2009, 8:29 am
  4. O carro era muito bom, tirando algumas corridas em que eles perderam o acerto por completo mas em 2007 e 2008 ficou claro como alguns projetistas focam-se em circuitos para desenvolver soluções que se adequem mais ao estilo dos pilotos lembrando a Ferrari de 2007 que tinha uma distância maior entre que eixo que a Mclaren e se dava bem em circuitos de alta quanto sua rival voava em pista de baixa.

    E em algumas corridas foram os pilotos que se perderam, aí está o maior culpado da perca do campeonato de 2009, os pilotos, assim como em 1991 ele tinha o melhor carro, mas não tinha dois pilotos a altura do carro, já em 1992 eles tinham apenas o melhor carro que já projetaram na F1 eletrônica e foram campeões que o louco do Mansell.

    A novela pode se repetir em 2010 e apostaria que eles vem fortes, talvez mais fortes que a Mercedes.

    Leandro Magno.

    Concordo com você ele dá uma no cravo e outra na ferradura.

    Vamos lá.

    Williams

    91 Mansell vice como Vettel.
    92 Campeã
    93 Campeã
    94 Vice
    95 Vice
    96 Campeã
    97 Campeã

    Mclaren

    98 Campeã
    99 Campeã
    00 Vice

    Só para citar dez anos, ou seja, o cara é gênio e quando acerta a mão em um carro é glória certa.

    O que pode ser um problema para Red Bull é a demora na definição dos motores que pode acabar atrazando um pouco o projeto, mas como saída eles tem o Ferrari que hoje equipa a Toro Rosso, talvez por isso eles não estejam tão preocupados, relegando a filial aos Cosworth.

    Publicado por Claudemir Freire | 25/11/2009, 8:41 am
  5. Becken, faz uma retrospectiva de momentos clássicos de 2009, como o Kimi chupando picolé após abandonar o GP da Malásia, por exemplo.
    A RBR trouxe um carro bem nascido mesmo este ano. Já era bom, mesmo com a novela da gangue dos difusores. Esperamos que o Vettel tenha aprendido a lição esse ano (como aprenderam Hamilton e Massa em anos anteriores) e volte em 2010 como candidato ao título novamente.

    Publicado por Andy | 25/11/2009, 9:52 am
  6. Becken, faz uma retrospectiva de momentos clássicos de 2009, como o Kimi chupando picolé após abandonar o GP da Malásia, por exemplo.

    Boa idéia! :)

    Publicado por Becken Lima | 25/11/2009, 10:30 am
  7. Becken,

    Ainda na seção “Sugestões e idéias” que tal elaborar um Post sobre o Gino Rosato, aquele gordinho de cavanhaque Faz-tudo da ferrari, que sempre aparece na transmissão das provas. (O que tava do lado do Kimi no episódio do Picolé)
    Dizem que é uma figuraça, amigo do Kimi (o que não deve ser fácil), e recebeu um convite para ser Vice-Presidente para assuntos gerais ( Seja lá o que isso for) na nova Lotus.

    Vai ser bem legal.

    Fernando

    Publicado por Ffigueiredo | 25/11/2009, 11:06 am
  8. Como, o RB5??? Esqueceu-se tão rápido do BGP001, da Brawn???

    Publicado por Ylan Marcel | 25/11/2009, 3:24 pm
  9. Pois é, eu acho que o carro do ano foi o BGP001. Praticamente nasceu pronto e venceu o campeonato sem maiores mudanças ou adaptações. Todas as equipes (Red Bull inclusive) copiaram o conceito básico de BGP001.

    O carro de Newey foi sem dúvida um foguete mas o de Brawn foi o modelo copiado por rigorosamente todos e portanto merece o título de “carro do ano”.

    Minha opinião, é claro.

    Publicado por Beatle Ed | 25/11/2009, 3:39 pm
  10. Excelente post Becken !

    Concordo que o RB 5 foi o melhor carro do ano.

    No início da temporada, era o único sem difusor duplo que acompanhava os Brawn, chegando inclusive a ganhar uma corrida.

    Devemos considerar também que corrreram com um motor nitidamente inferior aos da Brawn. Monza dá uma amostra clara disso na classificação.

    Para 2010, com o fim do reabastecimento, novos carros em projetos muito diferentes. Vamos ver o que vai acontecer, mais acredito que a boa base criada pelo Adrian Newey vai ajudar a equipe Red Bull a construir um carro vencedor.

    Como também foi dito acima, eles durante o ano aprenderam a andar na frente e conviver com a pressão de disputar a vitória. Isso também vai ajudar.

    Só mais uma coisa : O que um piloto com mentalidade vencedora e capacidade não faz numa equipe ??? Foi notório o efeito da presença do Vettel no time. Como também foi alarmante o efeito de sua saída da Toro Rosso….

    Publicado por Sirlan Pedrosa | 25/11/2009, 4:24 pm
  11. Turma,

    Nos testes de novatos, semana que vem, a Brawn/Mercedes já virá com a Pintura nova?

    E a Mclaren, será que já trará o novo estilo do carro?

    Confesso que estou curioso.

    Fernando

    Publicado por Ffigueiredo | 26/11/2009, 5:43 pm
  12. A pinturas podem mudar, mas os carros tem que ser rigorosamente o de 2009, não vão poder testar nenhuma parte de 2010.

    É um teste apenas para pilotos novatos que não guiaram um F1 de forma oficial em 2009.

    Publicado por Claudemir Freire | 26/11/2009, 7:09 pm
  13. Que pasmaceira, heim?

    Notícia boa:

    http://www.autosport.com/news/report.php/id/80350

    Publicado por Leandro Magno | 27/11/2009, 7:55 am
  14. É eu vi… Vou escrever a respeito!

    Publicado por Becken Lima | 27/11/2009, 8:39 am
  15. Apesar da censura à minha pessoa, caso este comentário seja liberado, alguém sabe algo sobre uma tal de Stefan Grand Prix?

    Publicado por Cassius Clay Regazonni | 27/11/2009, 10:57 am
  16. Segundo Joe Saward, o governo Sérvio está considerando financiar a equipe e comprando os espólios da Toyota. Li em fóruns por aí a opinião de sérvios de que o governo da Sérvia jamais financiaria tal aventura:

    http://joesaward.wordpress.com/2009/11/27/the-birds-of-cologne/

    Publicado por Becken Lima | 27/11/2009, 11:38 am
  17. Leandro, como venho dizendo aqui no blog a alguns meses.

    ESSE NEGÓCIO DE INVESTIDORES NA FORMULA 1 É LAVAGEM DE DINHEIRO, OU, QUANDO A BOLSA DE DUBAI QUEBRA OS CARAS VÃO EMBORA DA CATEGORIA.

    Esses da QadBak nem esperaram pra entrar e dar o golpe, o golpe foi antes mesmo da entrada. Ainda bem que passaram para o Sauber o espólio.

    Sobre o Stefanovic, ahaaaaaaa, mais um russo querenda lavar o dinheiro da máfia russa no esporte.

    A boa notícia fica por conta da VW querendo fornecer motores em 2012, isso é que é coisa boa.

    Publicado por Claudemir Freire | 27/11/2009, 2:22 pm
  18. A boa notícia fica por conta da VW querendo fornecer motores em 2012, isso é que é coisa boa.

    I cant agree more, Claudemir!!

    Publicado por Becken Lima | 27/11/2009, 3:06 pm
  19. Becken.

    Imagine os motores VW com o os nomes de Porsche como era na década de 80 com os TAG da Mclaren.

    Não sou muito a favor desses investidores picaretas, que visam a lavagem de dinheiro ou o lucro imediato, e o que o MM fez foi expulsar as montadoras e agora temos os investidores que são mais voláteis do qualquer outro grupo no mundo. Os russos usam o esporte para lavagem de dinheiro da máfia, os arabes para ficarem mais ricos e notórios, e os países-estados para achar um meio de torrar dinheiro público em falcatruas menos possíveis de ser fiscalizada, visto que a F1 é um clube fechado.

    O que a VW anunciou foi de uma coerência impar, se pensarmos que eles adimitem não ter condições de cuidar de uma equipe, e que financeiramente é melhor fornecer motores, então o projeto existe e é possível.

    E vejo o futuro da F1 nessas atitudes, e assim talvez voltemos a década de 80 onde as montadoras ofereciam motores aos garagistas como Mclaren, Williams, Lotus, Brabham e muitas outras que desfilaram seus belos carros na década mais charmosa da categoria.

    Amigos, só precisamos de garagistas, hoje temos apenas 3 na F1, Ron Dennis, Frank e o Dietrich da Red Bull, o restante são picaretas travestidos de equipes (claro, menos a Ferrari, que é uma montadora, e seu negócio é a F1), esperemos pra ver o que vão ser Manor e Campos, e rezar para que Peter Sauber volte.

    Publicado por Claudemir Freire | 27/11/2009, 3:25 pm
  20. Claudemir, você não gosta de russos né? Do jeito que fala dá a impressão de que todo “homem de negócios” russo é mafioso. Eu apoio a equipe o Stefanovich, ele tem parece ter uma equipe, estrutura e vontade de competir – sem falar de know-how quanto o assunto é aerodinamica.

    E descupem ser tão monossilábico, estou com um gesso maldito no braço que não me deixa escrever direito…

    Publicado por Guilherme Teixeira | 27/11/2009, 3:48 pm
  21. Não sou contra os russos, mas vamos aos casos.

    O dono da Midland era o que, e fez o que ?
    O dono do Chelsea, faz o que com o clube ?
    Recentemente outro russo comprou um time da NBA, pra que ?

    Como o Putin e o Abrahmovic conseguiram a fortuna que tem ?

    Dinheiro do petróleo e do gás que eles “roubaram” da Russia para a Europa e assim como eles há muitos russos precisando lavar o dinheiro deles.

    Desculpe não ter mais dados, mas estou meio sem tempo de pesquisar mais “causos”, muitas contas, contas, contas a pagar.

    Publicado por Claudemir Freire | 27/11/2009, 4:03 pm
  22. Ah, e quando um brasileiro rico se aventurar na F1, pode ter certeza que é lavagem de dinheiro, pode até ser de forma legar pela lei Piva.

    Afinal o futebol no Brasil é uma graaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaande lavanderia.

    Publicado por Claudemir Freire | 27/11/2009, 4:06 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: