//
você está lendo...
ARTIGOS

Ferrari ataca Max Mosley, o ex-presidente da FIA

O departamento de relações públicas da Ferrari atacou de novo hoje: em um longo e bem escrito comunicado publicado no seu site, a equipe mais tradicional da Formula 1 ironiza os esforços de Campos, USF1 e Stefan GP, equipes postulantes a duas vagas no campeonato de 2010. Por tabela, o comunicado vai direto à jugular do ex-presidente da FIA, Max Mosley — além de zombar da atuação de bastidores de Bernie Ecclestone como o padrinho da Stefan GP:

Este é o legado da batalha sagrada empreendida pelo antigo presidente da FIA [Max Mosley]. A causa era permitir a entrada de pequenas equipes na F1.

Este é o resultado: duas equipes se arrastarão no início do campeonato, uma terceira está sendo empurrada para dentro da arena por uma mão invisível — tenha certeza de que não é a mão de Adam Smith — e, com relação à quarta, bem, seria melhor você chamar o “Departamento de Pessoas Desaparecidas” para resgatá-la.

Enquanto isso, nós perdemos dois construtores pelo caminho, BMW e Toyota, enquanto a Renault, não restou mais nada que o nome. Valeu a pena?

— Ferrari

Eu confesso ter adorado a criativa menção feita ao filósofo escocês Adam Smith (preciso ler a sua biografia que me espera na estante), o homem que postulou alguns comportamentos dos mercados séculos atrás. Mas vendo a atual situação das três equipes que lutam para ainda entrar na F1 — em que “duas das eleitas da FIA não correm porque não tem carro e a Stefan GP tem carro, mas não tem pneu” (Vitor de Recife) —, eu acabo ficando do lado da Ferrari.

Todo o processo concebido pela FIA na escolha das novas entrantes foi uma mal fadada farsa de Mosley na sua luta pessoal (tudo para ele é pessoal!) inglória contra as montadoras e o prestígio da Ferrari.

Agora, no momento em que uma super temporada começa a tomar forma com megas estrelas disputando vitórias, e talvez McLaren e Ferrari de volta à briga por títulos, a atenção da mídia volta-se para equipes moribundas, gestadas por incompetentes que foram arbitrariamente escolhidos por Mosley.

O público da F1 pulsa de excitação no momento, mas a péssima gestão de Mosley ainda traz ecos do passado para o que parece um brilhante futuro.

Discussão

31 comentários sobre “Ferrari ataca Max Mosley, o ex-presidente da FIA

  1. Rapaz… Isso é chamar para a briga….

    O que me chamou a atenção foi o parágrafo destinado à Campos Meta1. Onde, recebeu uma injeção de capital de um “cavaleiro branco”. Cavaleiro este que tem o hábito de salvar equipes no último minuto, conseguindo assim, um Vassalo leal.

    Teve a parte também dos abutres sérvios, que se deitaram sobre o leito de morte da Toyota. Depois de brigar também com a fia.

    É!!!! Isso lá em Teófilo Otoni, é chamar pra briga.

    Fernando

    Publicado por Ffigueiredo | 22/02/2010, 9:55 pm
  2. E o Sadofacista Mosley teve o disparate de dizer q a F-1 sobreviveria sem a Ferrari, qdo ele negociava a entrada dessas estreantes. A verdade é q tirando o fiasco da Campos, USF1 e a tal da Stefan, o cenário em 2010 é melhor do q o ano anterior. Ao menos temos a expectativa da volta do duelo entre McLaren e Ferrari e boa perspectiva em relação a outras equipes do grid.

    Acredito q o baixinho Todt vai colocar a casa em ordem, assim q ele resolver o pepino da escolha da fornecedora de pneus e quem sabe pavimentar uma estrutura q faça as montadoras voltarem a F-1, condicionadas óbvio, ao quadro econômico mundial.

    A F-1 sobrevive e renova-se!

    Publicado por Alex-Ctba | 22/02/2010, 10:13 pm
  3. Em relação ao comunicado da Ferrari, as duas equipes q eles se referem q se arrastarão são Campos e Virgin? Eles estão considerando q a Campos vai alinhar mesmo no Bahrein ? USF1 sabemos q não vai estar lá e já estão negociando a possibilidade de entrar a partir da 5ª etapa se a FIA permitir, Stefan GP não tem pneus para testar. A Lotus até q está conseguindo dar quilometragem ao seu carro e parece q não vai ser um vexame como se prenuncia em relação a participação da Virgin e Campos.

    Publicado por Alex-Ctba | 22/02/2010, 10:19 pm
  4. Só pode ser piada. A FIArrari atacando seu maior parceiro na época de títulos de Schumi, o presidente da FIArrari.

    Publicado por Ylan Marcel | 22/02/2010, 10:31 pm
  5. Eita Mad Max….rsrsrs

    Publicado por Leonardo | 22/02/2010, 10:32 pm
  6. Max Mosley no comando da FIA nesses últimos tempos só fez ações no mínimo contestáveis. Os critérios de escolha dos novos times é algo muito obscuro. A Campos e USF1 me parecem 2 projetos absolutamente amadores e mais fictícios do que palpáveis. A pergunta que fica não é se essas equipes vão realmente estrear e sim quanto tempo demoraram a se tornarem insolventes financeiramente, aliás, se já não estão.

    Publicado por Hugle | 22/02/2010, 10:40 pm
  7. A Ferrari fala isso como se fosse nada,, claro, ela tem tudo.. acho que a perseverança da stefan é muito digna e ela participará do mundial, substituindo a farsa da usf1…
    quanto a mosley, nunca gostei dele, figura muito patética a meu ver…
    e as vezes erra muito em suas decisões;;;
    e acredito que ele deve estar rindo de toda essa palhaçada desde seu iate nas bahamas..
    bem, melhor parar por aqui…
    abraço a todos/
    Tomás
    http://theformula1.wordpress.com/ (meu blog de f1)

    Publicado por tomasf1 | 22/02/2010, 10:57 pm
  8. A Renault, a BMW e a Toyota sairam da F1 por causa do Max Mosley? Ele pode ser culpado de tudo que lhe imputam, menos isso.

    Defendo também a diversidade na F1. Quem for competente e conseguir seguir as regras do jogo, que se estabeleça. Que houve também erro na escolha dessa pequenas equipes, sem dúvida, mas o Tio Bernie (que de tudo sabe) já tinha dito que Campos e USF1, não se criariam, há um bom tempo atrás. Aliás, a Campos só teve o socorro dele porque a Dallara é uma grande e competente parceira de negócios, vide GP2 e GP3 e tem, ao menos, a possibilidade de fazer algum sucesso com o seu projeto para a Campos F1. Outra coisa, METADE das novatas cumpriram o seu papel até agora. Se vão fazer sucesso, só o tempo e muito trabalho dirá.

    Achei um tanto quanto pedante este artigo da Ferrari. Seria de uma monotonia monumental ter 10 Ferraris e 10 McLarens disputando entre sí a F1, não acham?

    saudações

    Publicado por celso gomes | 22/02/2010, 11:58 pm
  9. Mise-en-scène dos carcamanos. Nada mais.

    Quanto ao Max, apesar de tudo, é o responsável pela segurança da F1. Acidentes muito piores que o do Senna, hoje não dão em nada.

    Quanto ao Max Chicotinho…. kkkk, é o que eu mais gosto. Que figura! Mas isso é problema só dele. Usar isso contra o cara é falta de argumento, é golpe baixo. Ainda mais pelo fato de que todos sabem que ele foi traído em sua intimidade por um figurão da F1. E muitos outros fazem pior ou gostaria de fazer e nem tem competência, mas como estão na moita, jogam pedras. Isso sim, é sujeira da grossa.

    Fernando,
    Em Divinópolis isso dá é morte na ponta da peixeira ou no cano da garrucha.

    OBS. Garrucha de 2 canos = instrumento indispensável para acabar com duplas breganejas.

    Abs;

    Publicado por Anselmo Coyote | 23/02/2010, 12:03 am
  10. Celso – o ponto da Ferrari é que eles lá em Maranello não vêem sentido em duelar na F1 contra… Campos, Stefan GP, USF1.

    O grande apelo da Formula 1 para marcas nobres como Ferrari, (agora) McLaren, Renault, Toyota, BMW e outras mais, é justamente o confronto entre elas, isso eleva o valor de mercado de cada uma delas, mesmo quando perdem…

    Não há sentido, para todas elas, dividir espaço midíatico com quem não tem representatividade e tradição alguma.

    Eu sei que é um debate bem complexo, mas quem afinal deseja ver uma F1 infestada de desconhecidos, ainda mais quando se sabe que os parâmetros para escolha delas foram completamente deturpados por Mosley?

    Publicado por Becken Lima | 23/02/2010, 12:11 am
  11. Coyote,

    kkkk – Duplas breganejas é ótimo, é uma baita definição.

    Mas voltando à Ferrari, não acredito que seja apenas jogo de cena do Luca.
    Ele quis mandar um recado bem claro ao Bernie e ao Todt. Algo como “vocês estão bagunçando a festa”… ao invés de nos deixar colocar 3 carros na pista, enchem o negócio com equipes mambembes… as que conseguiram ir à pista testar, não conseguiram nem fazer um bico extra para o caso de os caras baterem?

    Critica o Bernie por sua política de deixar os caras se enforcarem quando estão no último suspiro, ele aparece como um redentor e salva a equipe… Agora ele tem mais um aliado com voto na FOTA. Se colocar a Stefan terá mais um… somado com a Willians já são 3. É o Tio Bernie mexendo no queijo do Luca.

    Eu ainda acho que a Ferrari apenas deu voz a opinião geral dos outros construtores. E a Ferrari, por ser a Ferrari tem legitimidade para falar. Legitimidade essa que é personificada no poder de Veto que ela tem. Então a turma deve cobrar esta posição de liderança da Ferrari.

    Veremos como irá ressoar essas declarações

    Publicado por Ffigueiredo | 23/02/2010, 12:24 am
  12. Ok, Fernando.

    O problema é ter a Honda, Toyota, Renault e BMW fazendo figuração na F1, servindo de escada para os carcamanos.

    Então é melhor ter uma F1 com a SF (Scuderia … kkkkkk!!!), a Mc Laren, Red Bull e Mercedes e um grid de 8 a 12 carros no máximo.

    Isso é muito complicado porque a F1 é autofágica. Tornou-se um monstro inoperante – um grande e gordo paquiderme. Nem em sua melhor expectativa para uma das melhores temporadas o panorama não melhora.

    Por isso os patrocinadores estão correndo léguas de distância desta categoria.

    Tem que ser reinventada.

    Abs.

    Publicado por Anselmo Coyote | 23/02/2010, 12:54 am
  13. Chefe

    Vamos chegar então aonde eu queria chegar. Sempre ví a F1, desde os seus primórdios, como uma competição aberta a todos, no caso os carros, como qualquer competição esportiva o é. Acompanhei, ao longo dos anos os esforços, algumas poucas vitórias e fracassos de algumas dezenas de Osellas, Colonis, Ligiers, Shadow, Arrows, Jordans, Minardis e outras tantas que já se foram e todas elas despertaram em mim um sentimento positivo pela coragem de se apresentarem para competir. Quase todas equipes participantes dos campeonatos de F1 foram pequenas um dia, com raríssimas excessões. A própria Ferrari começou pequena. A McLaren idem. E o Frank Williams, o que dizer dos esforços dele?

    Portanto me recuso a aceitar, opinião estritamente pessoal, que tudo, hoje em dia, tenha que ser dominado pelos grandes conglomerados industriais e comerciais, que um dia, diga-se de passagem, foram pequenos, e principalmente no esporte, e sabe porque? Pelo simples fato que a competividade e o próprio surgimento de novas forças, tende a desaparecer quando uma, ou poucas, pelo seu poderio econômico incomensurável – como no caso da F1 – passe, inclusive, a ditar as regras para o próprio esporte. Volto a repetir, não veria graça nenhuma, nenhuma numa F1 com carros de 2 ou 3 marcas dividindo o bolo entre sí.

    Chego a conclusão que; 1) ainda considero a F1 como uma competição esportiva, por mais incrível que isso possa parecer, 2)tenho uma visão meio antiga, mas que considero boa, com relação a potencialização da capacidade do homem em se aprimorar usando a competição como um meio.

    E só para concluir. A Ferrari do velho Enzo, que é uma FIAT (Deus me livre!!!) desde 1967, não tem mais a mesma moral de priscas eras para falar de nenhum competidor que, eventualmente, possa querer participar da competição. Tem que competir sim, e com qualquer um que se apresente dentro das regras estabelecidas.

    Becken, obrigado pela oportunidade, mais uma vez, de poder compartilhar opiniões com tão boas cabeças pensantes aquí no seu F1Around.

    saudações

    Publicado por celso gomes | 23/02/2010, 1:27 am
  14. Ficou faltando, tradição hoje em dia é = poder econômico e só.

    Repito, Ferrari não existe mais, hoje é um dos muitos negócios da Fui Iludido Agora é Tarde que por sinal não tem tradição “nenhuminha” no automobilismo esportivo, apesar de geriátrica. Isso não quer dizer que eu não goste da Ferrari, só que a minha marca preferida sempre foi a Porsche. Saudades dos 906, 7, 8 e 917 que tive o prazer de ouvir e sentir, ao vivo. ;-)

    saudações

    Publicado por celso gomes | 23/02/2010, 1:41 am
  15. Becken,

    A verdade é que foi o Montezemolo que deu um fim a “era Mosley”.

    Quando o italiano achou que o inglês alto tava passando do ponto nos regulamentos e o inglês baixinho não queria distribuir mais grana, juntou as equipes e partiu para a briga.

    Para ganhar a guerra fez um pacto com o baixinho, que era antigo aliado do alto.

    Antes de morrer o alto disparou alguns tiros. Matou Ron Denis e Flávio Briatore, o que de certa forma até ajudou a consolidar a liderança do italiano entre as equipes. Quem poderia fazer sombra a ele não existe mais.

    O pacto que o italiano fez com o baixinho tem validade até 2012, o que nos leva a crer que podem voltar a brigar novamente a medida que o fim do pacto se aproxima.

    Acho que eles estão hoje naquela fase de armar os exercitos para a batalha que fatalmente vai ocorrer. Como os sévios são bons de briga, o baixinho já recrutou um mercenário pelas bandas de Belgrado.

    Com esse comunicado o italiano tá começando a mostrar ao baixinho que está vendo e não está gostando, e de certa forma manda um recado a outro baixinho, este francês e antigo aliado do alto(que era adversário do italiano e foi “traído” pelo baixinho), que vai desejar dele alinhamento imediato e que impeça o mercenário sérvio de entrar no jogo.

    Por sua vez o tal baixinho francês cada vez mais se finge de morto e vai contruindo seu caminho, declarando inclusive que depois de um tempo vai puxar o barco e ir embora porque não gosta de trabalhar de graça (alguém acredita que ele vai largar a rapadura fácil ???).

    Nessa briga do italiano com o baixinho inglês e com o baixinho francês, quem meter a mão vai ficar cotó.

    Um abraço,

    Sirlan Pedrosa

    Publicado por Sirlan Pedrosa | 23/02/2010, 3:48 am
  16. Eu ia fazer um longo comentário, mas o Celso resumiu os meus sentimentos perfeitamente.

    Publicado por Filipe | 23/02/2010, 5:57 am
  17. O comunicado da Ferrari foi ao estilo Red Bull, gostei.

    Quanto às novatas, existe um verdadeiro caos. Haverá dois campeonatos diferentes dentro da Fórmula 1 nessa temporada.

    A Campos (ou Meta) (ou Esquadrão de Kolles) precisará ter dois carros daqui a dezessete dias. Se conseguir, Colin Kolles pode mudar de profissão.

    Basta abrir um curso de “Como Montar Um Carro de Fórmula 1 Em Apenas 17 Dias” que o sucesso profissional dele estará garantido. A USF1 seria a primeira cliente…

    É irônico que a mais sensacional temporada dos últimos anos seja ofuscada por projetos inexistentes.

    Publicado por Willian | 23/02/2010, 9:05 am
  18. “Quanto ao Max, apesar de tudo, é o responsável pela segurança da F1. Acidentes muito piores que o do Senna, hoje não dão em nada.”

    Até isso é questionável Coyote, pois a FIA também contribuiu para transformar a F1 no desastre que foi 1994. E por que? Pelos mesmos motivos que a entidade continua a fazer para estabelecer sua “emoção artificial”. Recapitulemos: nos últimos campeonatos, a Williams era a potência imbatível, se sobressaido principalmente em dois eixos: o motorzão Renault e, principalmente, a eletrônica (lembram da emblemática suspensão ativa?). Em 1993, quando o Senna disputou o título com o Prost, dizia-se que o chassi da McLaren era melhor que a Williams, mas o time de Working não podia fazer frente a tecnologia e motor da Williams… mas enfim, indo direto ao ponto: a FIA resolveu acabar com o favoritismo da Williams restringindo toda a tecnologia, que não poupou nem os freios ABS. O resultado advindo dos carros extremamente ariscos todos sabemos. Chega a ser irônico que a tecnologia garantia a segurança de carros cujos cockpits deixavam o ombro dos pilotos expostos (chega a ser assustador ver uma foto da época).

    Desde então tem sido o padrão da FIA limitar os avanços dos times que atingem uma supremacia pelo simples fato de serem mais competentes que a concorrência. Podemos classificar as medidas fracassadas em conter a Ferrari nos anos de ouro do trio Schumacher-Brawn-Todt como herdeiras desta iniciativa.

    Publicado por Vitor, o de Recife | 23/02/2010, 9:50 am
  19. Tenho uma visão romântica do que deveria ser um campeonato mundial de pilotos, gostaria que todos os campeonatos fossem decididos pela qualidade do piloto e não pelo super carro ou carros fora do regulamento que faz um piloto bom superar os pilotos fora de série.
    Ver novamente uma Lotus na pista vai ser tão ou mais importante que as super maquinas das grandes equipes, onde valores dos orçamentos beiram na casa de 800 milhões, valores fora de uma realidade mundial, valores esses sim que fizeram as grandes fabricas fugirem da F1 e não um velho presidente da FIA.

    Publicado por Luiz Sergio | 23/02/2010, 10:44 am
  20. Caro Becken,

    Acredito que o ponto eh como essas 4 novas equipes foram parar ahi e como todas tem que a forcas utilizar os motores FORD.

    Nao entendo como podem deixar 4 ” aventureiros” nao entrar na F1 para competir com Ferrari, Mclaren e outras equipes de tradicao, mas sim entrar na categoria mais importante de monopostos sem ter nada que garanta a participacao completa no campeonato.

    Antes a FIA cobrava um monte de $ para vetar a entrada de aventureiros despreparados e depois pela vontade do Mosley e quem sabe uma polpuda aposentadoria uma serie de incapazes foram admitidos .

    Para nos especatores nao muda nada por que queremos ver carros e equipes competindo mas para quem investe neste esporte em onde se diz que os melhores competem a situacao fica feia.

    Nao entendo por que nao deixaram o D Richards entrar e agora querem deixar essa Stefan GP entrar, da Campos Meta eles fizeram toda a temporada da GP2 sem um patrocinador principal e um carro todo branco , como queriam montar uma equipe de F1.

    O negocio eh esperar e ver se o Todt e os participantes do campeonato fazem algo a respeito.

    Anyway, que venha a primeira corrida !

    Publicado por Fernando | 23/02/2010, 11:44 am
  21. acredito que por meio dessas declarações a Ferrari assegure que quer uma F1 competitiva, e não para “times sem nenhuma perspectiva”.
    engraçado qur todos começam de algum modo…

    Abraços; Tomás
    http://theformula1.wordpress.com/

    Publicado por tomasf1 | 23/02/2010, 1:07 pm
  22. Becken

    Ao meu ver, concordo plenamente com o comunicado da Ferrari e também com a sua análise. Também gosto do que diz o Mike Vlcek do Formula UK sobre o mesmo assunto. Para quem não concorda, com todo o meu respeito, é melhor ficar acompanhando apenas a GP2, GP3, F2, Fórmula 2000 ou oque quer que seja deste nível.

    Publicado por Ilton Fernandes | 23/02/2010, 1:24 pm
  23. daqui a pouco a F1 está como essa A1GP…..somente amadores…não me surpreenderia se amanha equipes como Ferrari, Mclaren criarem outra categoria, com equipes tradicionais.

    Publicado por Leonardo | 23/02/2010, 2:31 pm
  24. A F1 ta virando palhaçada….onde já se viu uma categoria top em tecnologia ficar com essas restrições de desenvolvimento criadas por Mosley? O grande atrativo é a competição tecnológica entre as equipes…isso com certeza atrairia equipes como BMW, Honda, Toyota e Renault, entre outras. Mas com esse conceito equalizado de Mosley, vc não pode desenvolver seu motor, é o caso da Renault, q ficou defasada desde o congelamento das usinas.

    Publicado por Leonardo | 23/02/2010, 2:34 pm
  25. Não concordo com a idéia de que equipes menores estragam a categoria. O que estraga são os critérios altamente controversos que possibilitaram a entrada de equipes que acham que um F1 é apenas um chassi, um motor, pneus e piloto…
    Tem que lembrar que a categoria é uma competição de carros de fórmula, não um campeonato de marcas.

    Mas o mais grave disso tudo, não é o fato de não ter uma disputa interessante, o pior disso é colocar em risco a vida de todo mundo que está presente ali. Quão confiáveis são esses carros? E a falta de testes? etc etc etc…

    Agora, se as equipes têm carros confiáveis em matéria de segurança e um projeto que realmente leve em conta o orçamento do mundo da fórmula 1, não vejo nenhum problema.

    Publicado por Fernando M. | 23/02/2010, 4:15 pm
  26. Olha, um pouco exagerado essa posição da Ferrari, mas não toda errada. É evidente que muitas equipes começaram pequenas, mas vivemos em uma época diferente das que permitiram isso acontecer. O que seria interessante seria algo parecido a alguns esportes, tipo ascensão e rebaixamento (não sei se daria liga, mas é uma idéia para se analisar). tipo assim: após dois, tres anos com resultados inexpressivos duas, tres equipes seriam rebaixadas a uma categoria de acesso que seria muito proxima em termos de configuração aos carros de F1, diferindo apenas quanto a pneus e limitação de giros no motor (algo assim) E subiriam igualmente mesmo numero de equipes. Acredito que isso implantando, após alguns anos seria altamente interessante para o público. Ou então equipes grandes como ferrari, mclaren, williams, redbull e mais algumas formassem outra categoria a parte. Mas é tudo coisa para se repensar.

    Bem, e aí moçada, viram só? a USF1 se acha no direito de faltar as tres, quatro primeiras provas. Mas são caras de pau hein? Dizem eles, segundo interpretação própria que num mundo ideal (dentro da formula um) que eles deveriam ter direito a quatro ausencias.

    A Fia deu umas sugestões: não correr esse ano e voltar em 2011 (????) comprar um chassi pronto de alguma empresa (falta grana, como vão comprar alguma coisa? na verdade falta tudo: respeito ao mundo esportivo, respeito ao piloto, a possíveis patrocinadores, vergonha na cara) e ultima opção ser comprada ou fundir-se com outra.

    Aí tem uma idéia interessante: o nome da equipe é USF1. A stefan é: SF1. A Usf1 vende a preço de banana para a Stefan, tira o S e fica tudo bem.

    Publicado por wilson | 23/02/2010, 9:01 pm
  27. Sabiam que, o valôr a ser pago por “uma” desistência de GP é de 600.000 euros? Bom, se a USF1 quer se mancar com 04 GPs, pode-se concluir que terá que desembolsar 2,4 milhões de euros. Para uma equipe que, tem problemas financeiros até o gogó …melhor é pedir para mijar e sumir!

    Publicado por wilson | 23/02/2010, 9:02 pm
  28. Uma coisa que aprendia a gostar foram os animatoos do bruno mantovani em seu blog: http://mantovani.zip.net/index.html
    especialmente após cada GP. E nesse momento tem estilização dele quantos aos pilotos e equipes para esse ano.

    Publicado por wilson | 23/02/2010, 9:05 pm
  29. Já deu..
    daqui a pouco todo mundo esquece e começam os treinos!!!

    Tomás;
    http://theformula1.wordpress.com/

    Publicado por tomasf1 | 23/02/2010, 10:12 pm
  30. Wilson, agora com a volta dos treinos com tanque vazio, ao invés dos Q’s, poderia se estudar um sistema parecido com o q tinha antigamente em q o carro q ficasse 7% acima do melhor tempo, não poderia disputar a corrida. Era uma forma de enquadrar as equipes pequenas, para, caso de estivessem muito lentas, não colocarem em risco os outros competidores.

    Fernando, só uma correção, esses motores Cosworth, já não tem mais nada haver com a Ford, não são os antigos Ford Cosworth. É uma fábrica inglesa independente.

    “Tenho uma visão romântica do que deveria ser um campeonato mundial de pilotos, gostaria que todos os campeonatos fossem decididos pela qualidade do piloto e não pelo super carro ou carros fora do regulamento que faz um piloto bom superar os pilotos fora de série.”

    Luiz Sergio, isso não é F-1, mas de uma forma ou de outra, apesar de equipes dominantes, o campeonato acaba sendo decidido pela qualidade do piloto, mesmo q a disputa fique entre team mates.

    Abs

    Publicado por Alex-Ctba | 23/02/2010, 10:57 pm
  31. “Mas o mais grave disso tudo… é colocar em risco a vida de todo mundo… Quão confiáveis são esses carros? E a falta de testes? etc etc etc…”

    O carro da Virgin devia ser proibido de atravessar o portão do autódromo. Uma mola que se soltou quase matou o Massa em 2009. Agora, imaginem aquela carroça da Virgin se desintegrando pela pista afora! Um absurdo. Isso é fazer a vida dos outros de cobaia.

    PS. Gosto demais e guardo o maior respeito pelos garageiros, principalmente porque foram eles que inventaram essa categoria. Entre garageiros e construtoras, estarei sempre do lado dos primeiros. Mas, picaretagem é outra coisa muito diferente.

    Abs.

    Publicado por Anselmo Coyote | 24/02/2010, 2:52 am

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: