//
você está lendo...
ARTIGOS

A vitória de Alonso em fotos

IMAGENS:Ferrari/Divulgação

Discussão

30 comentários sobre “A vitória de Alonso em fotos

  1. Aquela foto do Massa sussurrando no ouvido do Alonso, com aquela expressão marota do brasileiro, me faz ouvir algo assim: “Deixa que eu te pego na próxima”… hehe

    Publicado por Rafael Crivelli | 14/03/2010, 11:08 pm
  2. Caprichou! Acho que faltou só a manobra sobre Massa na segunda curva. Parabéns!

    Publicado por Ylan Marcel | 14/03/2010, 11:21 pm
  3. belíssima a foto de Alonso e Massa com um forte aperto de mão.;
    eu salvei 59 fotos em uma galeria pessoal, depois de uma pesquisa em vários sites.
    as fotos são muito boas.

    abraço Becken!!!

    Tomás

    Publicado por tomasf1 | 14/03/2010, 11:23 pm
  4. Olhem o desgaste de pneus do Massa, na 2a foto da 1a coluna.

    Publicado por Anselmo Coyote | 14/03/2010, 11:29 pm
  5. Errr… A foto a qual o Coyote se refere é a do carro do Alonso.

    Publicado por Andy | 14/03/2010, 11:52 pm
  6. para quem quiser ver todas as fotos do GP, é provavel que o site que o Becken tirou as fotos é esse:
    http://f1.f-e-n.net/

    excelentes e com ótima qualidade. sensacionais.

    abraço a todos.
    Tomás

    Publicado por tomasf1 | 15/03/2010, 12:04 am
  7. Olha, fiquei muito animado com as declarações do Felipe, ele é outra pessoa, muito tranquilo e centrado, pegou tudo pelo lado positivo (é o melhor início de temporada da sua carreira) e está confiante.

    Lembre-se Coyote (meu irmão na fé rubro-negra) da doutrina que o Mengão ensinou para a torcida arco-íris de camisas feionas: “o que importa não é liderar o campeonato durante as 18 primeiras etapas, e sim na última”.

    Massa já anda merecendo fazer parte do panteão dos ilustres campeões mundiais de F1, talvez seja esse ano, parece que maturidade e talento para isso ele conquistou.

    Seus adversários são duros e brilhantes, o que fará a conquista ser épica.

    Publicado por ccregazzoni | 15/03/2010, 12:28 am
  8. Fotos nota 10, a corrida, corrida? Que corrida? Os carros passearam na pista.

    Publicado por Luiz Sergio | 15/03/2010, 8:34 am
  9. Bom dia a todos…

    Becken ou amigos do Blog………

    Podem me explicar como a Ferrari conseguiu trocar seus 2 propulsores e não ser punida??

    abraços

    Publicado por Marcelo (Cascavel) | 15/03/2010, 8:34 am
  10. Marcelo,

    a punição somente ocorre após a troca do nono motor, mais especificamente, quando se usar o décimo motor novo. A troca da Ferrari foi preventiva, ela com certeza ainda vai usar estes motores em treinos. Já para o Vettel, as coisas já começam a ficar feias, se não me engano já perdeu um motor na pré-temporada e dificilmente recupera o de ontem, ou seja, 1 corrida e já se foram dois motores.

    Publicado por Felipinho | 15/03/2010, 9:46 am
  11. Já que o difusor “duplex com vista para o mar” da McLaren foi proibido, sugiro ao Becken e aos amigos as seguinte análises:

    1 – Se o difusor era ilegal, não poderia haver questionamento das outras equipes sobre os pontos conseguidos pelos carros e pilotos da McLaren.

    2 – Se andando com um difusor fora do regulamento o desempenho do carro já foi aquém do esperado, como ficará a partir de agora?

    Publicado por Felipinho | 15/03/2010, 9:50 am
  12. Marcelo,

    ops
    me corrigindo podem ser usados 8 propulsores por temporada, a punição vem a partir do nono.

    Publicado por Felipinho | 15/03/2010, 10:10 am
  13. Tudo bem Felipinho, até ai eu sei.

    a minha dúvida é: toda equipe pode treinar com um motor e correr com outro desde que seja respeitado os 8 motores anuais?

    Publicado por Marcelo (Cascavel) | 15/03/2010, 10:23 am
  14. Questões nteressante do Felipinho.

    Sobre a primeira, a Ferrari em 2007 venceu o GP da Austrália com um assoalho móvel que foi proibido na corrida seguinte, o que dá à McLaren precedente e segurança quanto ao pódio de ontem.

    Sobre a segunda, não sei se haverá uma perda significativa de performance assim. É provável que a equipe — assim como a Ferrari — esteja levando um outro arsenal de desenvolvimentos para a Austrália.

    O que deve dar uma dorzinha de cabeça é que um difusor novo não significa apenas montá-lo ali e Ok. O assoalho deverá ser modificado, mas isso é moleza para essas equipes…

    Publicado por Becken Lima | 15/03/2010, 10:25 am
  15. Becken, uma dúvida, se não me engano foi o Petrov, o carro dele quebrou o braço do amortecedor? Que bizarro, só perceberam no pit ?

    Publicado por Cosmocostanza (fernando-ric) | 15/03/2010, 10:47 am
  16. Texto do Mike Vlcek

    “…Estou preocupado com o rumo da choradeira que consumiu times, pilotos e imprensa após o GP do Bahrein. A esmagadora maioria, incluindo gente que deveria usar o cérebro, como Martin Whitmarsh, presidente da Fota, defende alterações imediatas nas regras para “melhorar o espetáculo”. Precipitados como Michael Schumacher, por sua vez, acusam o fim do reabastecimento pelas poucas ultrapassagens no Bahrein.

    Ora, falácia maior não pode haver. O GP do Bahrein nunca foi uma corrida legal, pelo simples fato de que a pista é uma merda. Pista ruim é igual a corrida ruim, e o calendário, graças ao trinômio Ecclestone-Mosley-Tilke, está cheio delas. Culpar o fim do reabastecimento pela obviedade barenita é querer chamar o telespectador de otário.

    Para tentar remediar o problema, resolveram enfiar os pés pelas mãos e criar um pacotão de regras que tornam o esporte apenas mais engessado e artificial. Para começar, a regra que obriga os pilotos do Q3 a largar com a mesma borracha do treino é ridícula. Somado a isto, a FIA cometeu o absurdo de manter a regra que exige que os pilotos façam ao menos um pit stop durante as provas, pois os dois tipos de pneus precisam ser utilizados no transcorrer dos GPs. Artificialismo lamentável. Agora, para piorar, querem introduzir a obrigatoriedade de se fazer dois pit stops durante a prova.

    A culpa pela falta de ultrapassagens, obviamente, não está no reabastecimento. Antes de 1994, as corridas também eram assim e nunca faltou emoção. Vale lembrar também que desde que a aerodinâmica se tornou a peça-chave dos carros, lá mesmo pelo fim dos anos 90, a qualidade dos GPs foi caindo pouco a pouco, até chegar no tédio dos anos 00s. É o conjunto aerodinâmica delicada + circuitos ruins que levou a F-1 ao estado em que se encontra.

    O reabastecimento apenas tapou o sol com a peneira, pois permitiu que gente como Schumacher construísse vitórias do único modo que isto se tornou possível – passando nos boxes. Não concordo com os que dizem que o alemão não sabe passar na pista. Ele apenas percebeu que era mais fácil passar nos boxes. Agora, porém, também já percebeu que a mamata acabou – e para todos.

    Enquanto isso, a dona FIA deveria se envergonhar da decisão que tomou no ano passado liberando o difusor duplo da Ross Racing. Ela mesma se encarregou de dificultar ainda mais as ultrapassagens ao priorizar a política de Max Mosley – então em guerra com as grandes montadoras – em detrimento do espetáculo.

    Pelo menos há gente sensata ainda na turma. Frank Williams é contra essa palhaçada de segundo pit stop forçado. Como é preciso unanimidade para que qualquer mudança seja aprovada já para 2010, fica a esperança de que o véio não sucumba à pressão da Fota e se mantenha firme. Ross Brawn é outro que está calado. Lógico, burro não é. Torço para que também não seja demagogo, como é o caso dos pilotos caras-de-pau como Alonso, Webber e Queixudo, e de gente como Whitmarsh.

    Querem aumentar as ultrapassagens? Eis uma listinha do que é preciso ser feito – notem a total ausência de regras forçadas e artificiais:

    1 – Limpem os carros! Aerodinâmica simples, sem firulas, sem delicadezas, sem sutilezas, sem custos astronômicos. É a grande vilã da F-1 e os fãs, decididamente, dão de ombros para as peripécias dos engenheiros em túneis de vento.

    2 – Limem as pistinhas do calendário. Querem boas corridas? Acabem com China, Bahrein, Abu Dhabi, Valência, Cingapura etc e tal. Ah, mas são lugares estratégicos para a F-1. Ok, então mandem o senhor Tilke para casa e contratem alguém decente para redesenhar a joça toda. Do jeito que está, esqueçam.

    3 – Liberem os motores. A equalização e congelamento do desenvolvimento dos propulsores é um grande erro. Quanto mais desequilíbrio na área, mais interessante para as corridas. As Williams do começo dos anos 00, por exemplo, só venceram alguns GPs porque o motor BMW destoava do resto. Se aquele mesmo chassi corresse com as regras de hoje, não teria chances.

    4 – Fim das regrinhas dos pneus. Deixem cada piloto fazer sua estratégia. Se alguém quiser correr sem parar nenhuma vez, ok. Se alguém quiser fazer uma ou duas ou três paradas, ok também. Nada de artificialismos. Desta forma, uma maior gama de estratégias são possíveis, o que aumenta a qualidade do espetáculo.

    5 – Aumento do limite de velocidade nos boxes. É um problema grave em 2010. Como o reabastecimento acabou, o grande fator limitante dos pits ultravelozes hoje reside na velocidade de tartaruga de 120 km/h dentro dos boxes. Se os pilotos forem capazes de realizar a troca em até 15s, contando o período completo de entrada e saída dos boxes, teremos muito mais estratégias. Portanto, sugiro que a FIA aumente a velocidade máxima para 200 km/h durante as corridas. Para quem não se lembra, a limitação veio após a morte de Senna. Se a F-1 passou 44 anos acelerando sem limites no pit-lane, por que não poderia se dar ao luxo de aumentar a ridícula velocidade hoje permitida? Becken Lima seria óptimo um post sobre o assunto.

    Atentamente,

    Afs.Angola

    Publicado por Afs.Angola | 15/03/2010, 11:09 am
  17. Afs.Angola. Ótimo comentário e a questão de motores com limite de giros aliado ao refinamento aerodinâmico pra mim foram os principais responsáveis pela falta de ultrapassagem. Lembram q a mais bonita ultrapassagem q a gente vive lembrando aqui, foi do Piquet sobre o Senna aonde? Hungria. Isso mesmo, onde ninguém passa ninguém mais. Aquela roda a roda do Mansell e Senna, aonde foi? Barcelona, onde ninguem passa ninguem novamente.

    Foi fraca a corrida mesmo, mas acho q cagaram com o novo traçado do Bahrein. Ano passado teve mais pega. Ano passado foi aquela corrida em q as Toyotas largaram na pole. Esse traçado novo dificultou mais ainda ultrapassagens e a Red Bull do Vettel ter perdido rendimento no final, acabou com o clima de vez, foi um pouco de azar tb.

    A bridgestone parece ter feito um pneu bem mais resistente mesmo pra essa temporada. Os Pneus macios das grandes, fizeram o Qualifying e ainda duraram 16/17 voltas numa pista com 40º. Para os médios rodarem
    33/32 foi fácil. E os malditos Difusores desse ano realmente não dá pros carros pegarem o vácuo. O Hamilton colou no Rosberg e só conseguiu andar assim 1 volta. O carro começou a sair de frente e ele viu q ia detonar os pneus, deixou pra ultrapassar no trabalho dos mecânicos e conseguiu. A única atração por enquanto é ver quem vai baixar primeiro da casa dos 4,0 segundos. A Red Bull cravou, na Austrália alguem já vai baixar isso.

    E o desfile de carros antigos hein? Engraçado como a Williams de 96 parecia atual, comparada com os carros de 2010.

    Publicado por Alex-Ctba | 15/03/2010, 11:33 am
  18. se é que podemos achar alguma coisa que Alonso não fez bem ontem, quem sabe e seja a partida, que foi somente muito boa. o restante foi espectacular

    Publicado por F1ALC | 15/03/2010, 12:25 pm
  19. Grande comentário do Afs.Angola,

    Sempre disse que a grande culpada pelo fim das ultrapassagens foi a busca incessante por soluções aerodinâmicas radicais.

    A FIA deu uma melhorada no problema decretando o fim dos apêndices, mas não resolveu de vez porque foi pusilânime na questão dos difusores.

    Carros de F1 estavam cada vez mais parecidos com aviões, porém, emoção que é bom, nenhuma, pois o carro que vai atrás não consegue se manter devido à turbulência gerada, não tem como “pegar o vácuo” como antigamente.

    Sei que tem uma galera (Becken incluído) que é fissurada em CFD e desenvolvimento aerodinâmico e considera a F1 um laboratório e tanto, mas, não devemos nos esquecer da essência das corridas, que é possibilitar disputas na pista. Nesse sentido, tudo o que causar turbulência para o carro que vem atrás deveria ser banido.

    Ah, e teve também o tal de Kers, que, utilizado junto com os difusores, quase destrói a temporada passada. É que apenas algumas equipes o tinham, então ficou aquele “samba do crioulo doido”, umas tinham o difusor e outras o Kers, quem tinha o difusor não era ultrapassado por causa dele e quem tinha o Kers também não porque dava uma acelerada maior nas retas, ou seja, a FIA ficou perdida com sua próprias regras.

    Gastam se milhões em soluções aerodinâmicas para se burlar as regras de forma “inteligente” (Brawn GP e McLaren) e não se pode desenvolver motor ou utilizar quantos pneus quiser? É totalmente contraditório.

    Os caras criaram um grupo de “overtaking” (ultrapassagens) só para aumentar as ultrapassagens, o grupo trabalha duro, dá dezenas de sugestões, muda a asa traseira e outros conceitos apenas para diminuir a turbulência para o carro de trás, aí vem o Ross Brawn (que, pasmem, participou do grupo), na maior picaretagem, e “inventa” um jeito de ganhar downforce, e, conseqüentemente, aumentar a turbulência para o carro de trás, e a galera fala que ele é um gênio.

    Ora, não é preciso entender de aerodinâmica ou engenharia para saber que a idéia do difusor duplo era totalmente contra os princípios desenvolvidos pelo grupo de ultrapassagens. A decisão de aceitá-lo foi política e não técnica.

    Agora vem a McLaren e inventa o tal snorkel, que no fim das contas “move” a asa traseira para diminuir o arrasto nas retas e ganhar velocidade e muita gente aplaude. É lógico que entendi que a asa traseira não é móvel em si, mas é fato que a pressão do ar liberado pelo tal duto a faz se mover, e, isso, a transforma em uma peça móvel.

    Agora teremos de esperar mais um ano com os difusores duplos (triplos ou quádruplos), a equipes gastarão milhões para imitar a idéia da McLaren, dificultando cada vez mais as ultrapassagens, para somente ano que vem, talvez, essas pragas serem aposentadas.

    Pior que penalizam gênios do porte de um Adrian Newey, que, respeitando 100% o regulamento, fez indiscutivelmente o melhor carro (originalmente sem firulas como o difusor e o snorkel), mas está penando porque a confiabilidade dos motores Renault é uma porcaria, e nisso ele não pode mexer.

    Se a FIA continuar com essas decisões exdrúxulas, em detrimento do que realmente importa, que é o espetáculo na pista, temo pelo futuro da categoria.

    Publicado por ccregazzoni | 15/03/2010, 12:45 pm
  20. Amigos,

    O texto do Mike Vlcek é bem interessante. Aliás ele é outro blogueiro que, a semelhança do Becken, foge do lugar comum. O blog dele tem um perfil totalmente diferente do F1Around mas também tem personalidade.

    Em linhas gerais concordo com a opinião dele. A questão aerodinâmica é fundamental para que aconteçam mudanças verdadeiras. É também a primeira vez que vejo alguém falar em acabar ou alterar o limite de velocidade no boxe, e faz todo o sentido mesmo.

    Entretanto acho que no item 2, as pistas, ele errou nos exemplos. Pita de rua é para ser difícl de passar mesmo, faz parte do jogo e duas ou três no calendário emprestam charme ao negócio. Já os circuitos que ninguém passa não são os do Tilke. São Barcelona, Hungria, etc. Pistas que ou não possuem boas retas, ou possuindo não tem uma frenagem forte no final delas.

    Quanto ao congelamento dos motores acho que ele está totalmente errado. Um motor de combustão interna médio tem uma eficiência em torno de 25 a 30%. É uma área onde investimento e desenvolvimento trás resultado. Só que é um buraco sem fundo, quanto mais se investe mais precisa se investir. Não tem fim e é caríssimo. E só uma ou duas equipes se beneficiam desses esforços financeiros.

    O equilíbrio atual onde uma Force Índia e uma Toro Rosso podem fazer uma pole e tentar uma vitória decorre extamente do congelamento dos motores e do fim da guerra de pneus.

    A fase mais equilibrada da história da categoria aconteceu entre os anos 69 e 80, uma época onde havia um “congelamento branco” em função de 90% do grid utilizarem o mesmo motor Ford Cosworth.

    Foi com a entrada da Renault, BMW, Honda, TAG-Porshe e cia ltda com investimentos maciços no desenvolvimento dos motores, que começou a elevação exponencial dos custos e o consequente aumento das distâncias entre as grandes e as pequenas.

    Em 1986 por exemplo era comum em pistas como Spa diferenças de 6s no grid. Em 2009 todo o grid nessa pista era coberto em 2s e a pole foi de uma equipe considerada das menores do grid.

    Esta é minha visão, mas reconheço que sem dúvida o texto dele é um boa base para uma bela discursão.

    Um abraço,

    Sirlan Pedrosa

    Publicado por Sirlan Pedrosa | 15/03/2010, 1:44 pm
  21. Pois eu tenho uma idéia radical:

    Provocar mais acidentes e com a entrada do safety car. Todo mundo junta e a corrida fica muito mais divertida. Receita da Indy.

    (pronto, podem descer a lenha hehehehe)

    Publicado por Cosmocostanza (fernando-ric) | 15/03/2010, 1:48 pm
  22. Cosmo,

    Para isso o Nelson Ângelo tem que voltar….risos

    Um abraço,

    Sirlan

    Publicado por Sirlan Pedrosa | 15/03/2010, 1:55 pm
  23. A corrida foi chata, OK. Mas é meio cedo pra querer apagar tudo e zerar as coisas…não é melhor esperar Austrália, etc?

    Publicado por Will | 15/03/2010, 2:04 pm
  24. Sirlan, vc complementou brilhantemente o debate, mas em relação aos motores, eu concordo discordando rsrs

    De fato, nessa época de redução de custos, a “guerra dos motores” pode voltar a inflacionar a categoria, porém, temos q lembrar q hj em dia, só temos quatro motores disputando: Mercedes, Ferrari, Renault e Cosworth. O Abismo ficaria entre as equipes pequenas q utilizam os Cosworth e as demais, mas acredito q a guerra entre as outras três poderia alterar o cenário em relação a ultrapassagens.

    A F1 dos 80’s e 90’s era baseada em MOTOR

    Talvez o Kers seja uma alternativa mais barata, já q os times grandes, exceção da Mercedes, já tem um projeto desenvolvido, inclusive a Sauber q já tem o Kers desenvolvido pela BMW, bem como a Williams e seu suposto sistema “revolucionário”, e caberia ao piloto, a melhor utilização do sistema (defesa ou ataque)

    Mas a gente vai discutir e acabar voltando mesmo a questão da Aerodinâmica, q não tem como escapar dessa vilã.

    Abs

    Publicado por Alex-Ctba | 15/03/2010, 2:25 pm
  25. Alex,

    Eu sou totalmente favoravel ao Kers. A própria BMW acaba de lançar um carro que vem com um tipo de kers, que é usado para carregar a bateria e diminuir o uso do alternador.

    É uma tecnologia que está em linha com o mundo atual do automóvel.

    Porém não se iluda, caso liberem totalmente o desenvolvimento dos motores vamos voltar a “uma corrida armamentista” e a um desequilíbrio maior da categoria.

    A FIndy e a GP2 onde todos usam o mesmo motor são prodigiosas em equilíbrio e ultrapassagem. Pense nisso.

    Um abraço,

    Sirlan Pedrosa

    Publicado por Sirlan Pedrosa | 15/03/2010, 2:40 pm
  26. Sirlan

    Acho q vc está certo mesmo. Pq nos 80’s e 90’s tivemos domínio da Williams-Honda / McLaren-Honda / Benneton-Renault e Williams-Renault, depois q veio essa evolução absurda da aerodinâmica.

    Qto ao Kers, tb sou favorável, inclusive fiquei muito afim de comprar uma bicicleta com o Kers. Logo logo, vai estar a preço acessível, pq o sistema é relativamente simples. A Bateria aproveita a energia da pedalada e armazena força, q vc pode usar para uma ladeira. Fantástico né?

    Abs

    Publicado por Alex-Ctba | 15/03/2010, 2:46 pm
  27. Alex,

    Eu nem sabia que existia essa bicicleta. Interessante mesmo…

    É disso que sinto falta na F1. Tecnologias que trazem resultados para o dia a dia.

    Um abraço,

    Sirlan Pedrosa

    Publicado por Sirlan Pedrosa | 15/03/2010, 2:59 pm
  28. Olá Becken, pessoal ! Tambem achei a corrida “chocha”, que para mim teve dois grandes vencedores; Alonso, pelo motivo óbvio e Massa, pela volta as corridas em grande estilo. Este pega vai dominar o campeonato, até o penultimo GP aonde Massa vai se sagrar campeão[GP Brasil], mas neste intervalo vão se juntar a turma da Red Bull, principalmente e tambem as Mclaren e Mercedes, dependendo do maior ou menor desenvolvimento ao longo da temporada. Acho tambem e concordo em partes com o MikeVlcek, com o Sirlan, com o Alex Ctba, e acrecento um outro ponto, no meu ver crucial, para o favorecimento das ultrapassagens: os Freios, precisariam perder um pouco a eficiência{maior espaço de frenagem], não a segurança, para os pilotos terem uma margem[espaço] maior para arriscar{ usando de técnica e coragem} uma freiada um pouco depois do adversário tentando supera-lo. Até mais Jopa.

    PS: Estive no sábado e domingo assistindo os “caminhões” da Indy e a incompetência dos organizadores para com a pista do Anhembi, por isto não dei um alô por aqui. Até mais de novo.

    Publicado por Jopa | 15/03/2010, 3:36 pm
  29. Fantástico site de wallpapers tomasf1 muito obrigado mesmo !!!!

    Publicado por Felipe | 15/03/2010, 7:07 pm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: